Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

Demora na aprovação de projetos: um problema antigo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

A demora na aprovação dos projetos encaminhados à SMOV-PMPA é um dos principais entraves à rotina dos profissionais de Arquitetura, ocasionada pela “tramitação administrativa e pela revisão em relação ao Plano Diretor e ao Código de Edificações”, informa José Carlos Rosa, que é representante do IAB-RS no Conselho Consultivo do Código de Edificações.
Preocupadas com a situação que se arrasta há algum tempo, as Entidades Representativas dos arquitetos (IAB-RS, SAERGS, AsBEA-RS e AAI-RS) organizadas através do Fórum das Entidades de Arquitetos vêm, dentre outras ações, encaminhando propostas à Prefeitura de Porto Alegre, sendo uma das mais importantes a da agilização no processo de aprovação de projetos.
Um jovem arquiteto foi consultado e conta que nos seis anos em que atua na profissão já teve mais de dez projetos prejudicados, pela demora na aprovação. Na sua opinião, “esta lentidão prejudica drasticamente o trabalho dos arquitetos, pois acaba com a empolgação pela execução do projeto e com a sua viabilidade financeira”. Ele explica que alguns clientes, após longa espera, acabam redirecionando o investimento. E lembra de um projeto de sua autoria que já havia sido aprovado em todas as instâncias, até que a última pessoa que o avaliou, deu um parecer negativo, após sete meses de tramitação. Resultado: o cliente não quis esperar mais.
Código no tempo
O tema leva ao debate sobre a necessidade da revisão do Código de Obras, considerando a existência das Normas Brasileiras. O código estabelece as regras sobre as edificações e se justificava na época de sua criação, que remonta ao séc. retrasado quando não havia profissionais de Arquitetura, e as construções, principalmente moradias, eram realizadas por mestres do ofício cujo conhecimento passava de pai para filho. Nestas condições, também para desonerar o município da responsabilidade por eventuais desavenças entre construtores e moradores, instituíram-se os códigos de postura, mais tarde especificamente os códigos de obras. Somente a partir de 1935 é que surgiram as primeiras faculdades de Arquitetura no Brasil. Segundo o arquiteto Ivânio Sanguinetti, integrante do Sinduscon, “o Código de obras deve tratar de questões básicas, como a segurança e as áreas de uso comum; o que seria privativo, a Prefeitura não teria que determinar, aí o profissional deveria seguir as Normas Brasileiras”. O presidente da ASBEA, Ronaldo Rezende, considera o Código de Obras antigo quanto à novas tecnologias. “Está na hora de assumirmos a responsabilidade por nossos atos, saber as leis e aplicá-las, o que é uma atribuição profissional nossa. Quem trabalha com o controle de qualidade sabe que tem as Normas Brasileiras”, afirma.
Os números e a proposta da SMOV-PMPA
Atualmente a SMOV-PMPA recebe em torno de 400 projetos por mês, levando um tempo médio de 43 dias na análise dos projetos residenciais e 80, para escritórios e edifícios. Cerca de 200 projetos são aprovados por mês, num trabalho que envolve 16 revisores. A informação é do arquiteto Renato Panaya, diretor da Divisão de Edificação, da qual faz parte a SALP, na SMOV-PMPA. Com o objetivo de reduzir a tramitação e o tempo de aprovação dos projetos, inicialmente em 50%, a SMOV-PMPA lançou, no dia 22 de julho de 2003, o piloto do projeto Redesenho . Em um primeiro momento, haverá dois técnicos operando computadores, na análise e correções via Internet, de habitações unifamiliares novas. O processo iniciou há três anos e sua conclusão está prevista para o final do próximo ano, quando se estenderá para todas as áreas, o que inclui as comerciais. O responsável técnico receberá, na sua caixa de entrada de email, todas as fases do projeto e a avaliação será feita pelo visualizador de imagens – Autovue, que segundo a Procempa, responsável pela informatização do processo, lê os principais softwares de mercado que utilizam os recursos dos sistemas CAD. No momento começa a digitalização dos processos e a idéia é constituir um conselho gestor, que promova reuniões regulares, de avaliação do processo. “A cada um dia e meio, um projeto é aprovado pela SMOV-PMPA, mas não é o suficiente para as necessidades da cidade”, afirmou o secretário da SMOV-PMPA, Guilherme Barbosa, na ocasião. A iniciativa vem ao encontro de uma antiga reivindicação dos arquitetos e engenheiros e pelo pioneirismo, vai repercutir no resto do país, com implantação gradual. O investimento maior foi o do sistema, desenvolvido pela companhia de processamento de dados do município – PROCEMPA, baseado na plataforma Windows®, que comporta fazer o gerenciamento com os órgãos envolvidos, como DEMHAB, EPHAC, DMAE, entre outros. A SMOV-PMPA garante que a infra-estrutura está resolvida e que somente Curitiba tem projeto semelhante, mas sem a mesma abrangência.
Os avanços que se espera
Tão logo esteja o projeto Redesenho em funcionamento, a cidade deverá ser o foco da próxima etapa, quando o sistema de Planejamento estiver integrado com o de Obras permitindo que, com a maior agilidade possível, estudos de viabilidade utilizem o mesmo procedimento sobretudo relacionado a um banco de dados capaz de fornecer informações e estatísticas para a análise do crescimento e desenvolvimento urbanos. Espera-se que a adoção da modelagem tridimensional em conjunto com os sistemas de geoprocessamento GIS possa fornecer cenários capazes de auxiliar na tomada de decisões.
Mais Arquitetura
As grandes construções destacam-se na paisagem de Porto Alegre. Está em revisão o Plano Diretor. A cidade não pára, sem muito saber para onde ir. Enquanto isso, o espaço da arquitetura ainda está por ser descoberto. A comunidade de profissionais e estudantes da arquitetura busca consolidar as cidades definitivamente como o real espaço de aplicação do seu conhecimento. As populações têm manifesto seus desejos de mais e melhor qualidade de vida. Mais arquitetura é o que pede a capital.

Vera Pinto
Imprensa IAB-RS
Maisa Del Frari
Redação InfoIAB-RS
Iran Rosa
Editor InfoIAB-RS

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

Começa a Conferência de Avaliação do Plano Diretor

Diretoria do IAB RS marcará presença no evento ocorre nesta terça, quarta e quinta-feira, 7, 8 e 9 de março, no Salão de Atos da PUCRS. Promovida pela Diretoria de Planejamento Urbano da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, Urbanismo e Sustentabilidade (Smamus), a conferência vai analisar os pontos positivos e negativos do atual Plano Diretor, instituído pela Lei Complementar 434/1999 e atualizado pela Lei Complementar 646/2010.

Leia Mais →

NOTA DE PESAR: Vera Fabrício Carvalho

O Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento do Rio Grande do Sul (IAB RS) informa com imenso pesar o falecimento da arquiteta e urbanista Vera Fabricio Carvalho, uma das profissionais que permaneceu em atividade por mais tempo no Estado. Ela era o registro de nº 12 do CAU em todo o Brasil.

Leia Mais →

Outras Notícias

Entidades se reúnem para tratar do Plano Diretor de Porto Alegre

Representantes da Ernst & Young, consultoria que trabalha com a prefeitura na revisão do Plano Diretor de Porto Alegre, estiveram reunidos nesta semana com três entidades de arquitetura e urbanismo com atuação local – Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura (AsBEA-RS), Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB-RS) e Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU/RS).

Leia Mais →

IAB RS assina manifesto em apoio à tribo Gah Té

Na defesa por mais justiça social, solidariedade e respeito aos povos indígenas brasileiro, o Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento do Rio Grande do Sul (IAB RS) assinou com mais 30 entidades um manifesto em apoio a Retomada Gãh Ré e em defesa da Cacica Gah Té.

Leia Mais →

IAB apresenta proposta de Revisão do Plano Diretor de Xangri-lá

Na última sexta-feira (13/01) o Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento do Rio Grande do Sul (IAB RS) apresentou ao Ministério Público e a Associação de Moradores do município de Xangri-lá, no litoral gaúcho, um Relatório Técnico com objetivo de analisar a proposta de revisão do Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano e Ambiental do Município (PDDUA).

Leia Mais →

Repúdio aos atos terroristas em Brasília

O Instituto de Arquitetos do Brasil manifesta seu veemente repúdio aos atos terroristas ocorridos hoje, dia 08 de janeiro de 2023, em Brasília.

Inaceitável que as autoridades responsáveis pela manutenção da ordem não atuem firmemente contra os atos de desrespeito ao resultado legítimo das eleições, a invasão e a depredação do Palácio do Planalto, do Congresso Nacional e do tribunal Superior Federal.

Leia Mais →