Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

Divulgação das providências para a implantação do CAU no Brasil

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Brasília

Após um mês da criação da Lei da Alforria, criadora do CAU, a ASBEA comemora com a divulgação de procedimentos e providências para informar os precessos de implantação do Conselho

Hoje, a Lei da Alforria que criou nosso CAU – Conselho de Arquitetura e Urbanismo, completa 30 dias. A Lei federal 12.378 de 30 de dezembro de 2010, sancionada pelo Presidente Lula depois de mais de 50 anos de luta.

Para comemorar esse primeiro momento, temos o dever de informar aos colegas o estágio da arte desse processo.

Em primeiro lugar é importante lembrar que a lei foi publicada no último dia do ano de 2010 e assim somente em 3 de janeiro, após as festas de confraternização, que as entidades puderam iniciar os trabalhos. Alguns dirigentes ainda de férias foram convocados para atuar no processo inicial de leitura da lei e verificação das necessidades imediatas.

Providências das Entidades

1. Atualizamos o site com notícias e o texto da Lei para conhecimento de todos;

2. Resposta imediata a mais de 300 emails de profissionais de diversas cidades do país, com dúvidas e questionamentos;

3. Primeira Reunião do Colégio Brasileiro de Arquitetos – CBA, que reúne as 5 entidades nacionais, no dia 7 de janeiro de 2011 com o Presidente Marcos Túlio do CONFEA para iniciar o trabalho de aproximação para a transição do CREA para o CAU;

4. Publicação da NOTA n. 1 do CBA, esclarecendo que apenas os artigos 56 e 57 da Lei 12.378/2010 estavam em vigor e que as Câmaras de Arquitetura e Urbanismo do Sistema CONFEA/CREA e os profissionais arquitetos e urbanistas, continuavam subordinados à Lei federal 5.194/1966 até que o CAU BR fosse implantado com as eleições dos conselheiros e o seu Presidente eleito e empossado. Logo depois a Informação 01 contendo orientações as bases;

5. Contatos das entidades com as suas bases, informando a todos, os procedimentos que deveriam ser tomados para uma eficaz transição;

6. Contratação do Escritório de Advocacia Sigmaringa Seixas para assessorar as entidades do CBA nas matérias iniciais do CAU;

7. Segunda Reunião do CBA realizada em 20 e 21 de janeiro em Brasília, com a participação de todas as entidades nacionais, suas representações e assessoria. Construção de Agenda Nacional e análise de solicitações de entidades estaduais acerca dos conceitos contidos nos artigos 56 e 57. Início de trabalho de planejamento estratégico do CBA em direção ao CAU para que ideias possam ser apresentadas;

8. Contato e informações as Coordenadorias Regionais das Câmaras de Arquitetura e Urbanismo de todos os CREAS;

9. Apresentação de propostas para a instalação em cada Estado, de um Fórum que reúna as entidades que defendem o arquiteto e urbanista para que esse Fórum fique encarregado de articular os trabalhos de informação aos profissionais;

10. Encaminhamento de correspondências ao Presidente do CONFEA e ao Presidente do Cólégio de Presidentes dos CREAs, visando orientar a reunião realizada no CONFEA dias 27 e 28 de janeiro.

Além dessas providências, as entidades nacionais estão buscando meios de participação nas redes das midias sociais – Orkut, Facebook, Twitter e outros, com a finalidade de informar a todos, como andam os procedimentos para implantação do CAU no Brasil.

Brasília, 30 de janeiro de 2011

Ronaldo Rezende
Presidente da ASBEA e Coordenador do CBA

Jeferson Salazar
Presidente da FNA

Saide Khatouni
Presidente da ABAP

José Antônio Lanchotti
Presidente da ABEA

Gilson PAaranhos
Presidente do IAB DN

IAB - RS

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

Nota pública: Suspensão da urbanização da Fazenda do Arado

A fazenda do Arado é patrimônio ambiental, arqueológico, histórico, cultural, arquitetônico e paisagístico de Porto Alegre, constituindo-se de uma zona primordial para manutenção de espécies da fauna e da flora, sujeita a enchentes e alagamentos por encontrar-se abaixo da cota de inundação do Guaíba. A zona serve como espaço de extravasamento natural do Guaíba, importante de ser preservado. O IAB RS reitera a necessidade de atenção máxima por parte dos governantes, sociedade civil, entidades e instituições às questões ambientais e suas relações com a cidade.

Leia Mais →

Na mídia: IAB RS participa de reportagem da Folha de São Paulo sobre reconstrução do RS

A copresidente do IAB RS, Clarice Misoczky de Oliveira, concedeu entrevista para reportagem da Folha de São Paulo. O ponto central foi a reconstrução do RS. “A questão habitacional é mais dramática. Há municípios no Vale do Taquari, como Muçum e Roca Sales, que se desenvolveram em áreas de encostas. Cidades como Santa Tereza em que parte das casas estão em áreas de inundações. Precisamos construir com segurança”, disse.

Leia Mais →

MANIFESTO IAB RS PARA A RECONSTRUÇÃO DO RS

Considerando a enorme tragédia causada pelos efeitos da crise climática e pelo descaso do poder público com o planejamento urbano e regional sustentável na promoção de cidades justas, igualitárias e ecologicamente  equilibradas, a Comissão Cidades/IAB RS, por meio deste, manifesta a necessidade de atenção às questões referentes às diferentes escalas de planejamento, arquitetura e urbanismo para reconstrução das cidades do Rio Grande do Sul, aqui agrupadas em dois grandes grupos: (A) Planejamento Urbano e Regional e (B) Moradia Digna.

Leia Mais →

Outras Notícias

COMUNICADO DO IAB RS SOBRE O ESTADO DE CALAMIDADE CLIMÁTICA

O momento é grave e compreendemos que enquanto Instituto temos um trabalho de articulação de impacto a médio prazo, sendo provocadas e estruturadas redes que auxiliem nas questões habitacionais e de reestruturação das cidades, com projetos que considerem os riscos e impactos que os eventos climáticos tem gerado em nossas cidades, de modo mais frequente e de maior intensidade. Compreendendo a sensibilidade das questões ambientais, com a natureza impondo seus limites, frente às ocupações urbanas.

Leia Mais →