Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

IAB – 80 anos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Escola Nacional de Belas Artes (ENBA), no Rio de Janeiro, em 26 de janeiro de 1921. Um grupo de 27 arquitetos preocupados com a formação do arquiteto, com o exercício profissional da arquitetura e sua divulgação à sociedade, decide fundar o Instituto Brasileiro de Arquitetura, elegendo Gastão da Cunha Bahiana como seu primeiro Presidente. Os movimentos iniciais do Instituto foram dedicados à elaboração de parâmetros para a formação do Arquiteto no Brasil, à criação de uma tabela de honorários que evitasse a disputa aviltante por trabalho e, ainda, à organização de uma campanha pela realização de concursos públicos de arquitetura no país. O primeiro desafio à organização dos arquitetos ocorreu já em 1922: os desentendimentos ocorridos na condução de um concurso levaram à cisão do grupo e à formação de uma entidade paralela, a Sociedade Central de Arquitetos. Todavia, em 1924, o bom senso, associado à consciência de que a presença de duas entidades provocaria o enfraquecimento da categoria, reaproximou os dois grupos e, da união, surgiu o Instituto Central de Arquitetos.
Em pouco tempo frutificaram as campanhas lançadas pelo Instituto. No âmbito da formação profissional, discussões objetivando a reforma do ensino da arquitetura na ENBA, lideradas por Lucio Costa, encontraram forte apoio dos estudantes. Paralelamente, também em 1930, no IV Congresso Panamericano de Arquitetos – diante do embate entre os dois movimentos de arquitetura, o neo-colonial e o modernismo – o Instituto conclama os arquitetos brasileiros ao engajamento na corrente moderna. Em 1933, Getulio Vargas firma o Decreto Federal n° 23.569, primeiro a regulamentar o exercício profissional no Brasil.
Acompanhando a evolução da profissão, o Instituto promove reforma estatutária em 1934 e passa a denominar-se Instituto de Arquitetos do Brasil, o IAB, como permanece até hoje.
Com o crescimento e disseminação da população de arquitetos no país, o IAB não poderia mais permanecer apenas na antiga Capital da República. Surgem, na década de 40, os primeiros Departamentos Estaduais do IAB, em São Paulo e Minas Gerais, além do Rio de Janeiro. A seguir, outros Departamentos são instalados em cada Unidade da Federação. Em 1960, já na inauguração de Brasília, implantava-se o Departamento do DF. Hoje, há Departamentos do IAB em 26 das 27 Unidades da Federação, e espera-se para breve a instalação do Departamento de Roraima, completando a cobertura nacional.
Em 1957, o IAB atinge a sua atual organização com a criação do Conselho Superior (COSU), instância máxima de deliberação do Instituto. É composto por representantes eleitos em todos os estados (em número proporcional aos arquitetos do Departamento, garantindo a estrutura federativa do IAB) e mais os ex-Presidentes Nacionais do IAB, totalizando 135 Conselheiros Titulares.
Na sua trajetória, o IAB participou ativamente dos debates de interesse da profissão, muitas vezes se antecipando e forçando o posicionamento das administrações estaduais e nacional do País – em especial nas questões de habitação e desenvolvimento urbano, com inestimável contribuição.
A defesa da arquitetura brasileira contra as pressões econômicas internacionais, sempre encontrou no IAB sua mais articulada trincheira – como na gestão de Fábio Penteado (1966/67), ao enfrentar com firmeza e eficiência as intenções “norte-americanistas” do então poderoso Ministro Roberto Campos, que pretendiam desfavorável abertura da prática da arquitetura no Brasil ao mercado dos EUA.
Da mesma forma, no debate político e na luta pelo respeito aos direitos humanos, o IAB sempre esteve presente, só ou associado a outras entidades profissionais, como a OAB e a ABI. Em 1943, por exemplo, no movimento pela redemocratização do país. Ou em 1976, em São Paulo, no IX Congresso Brasileiro de Arquitetos – com Miguel Pereira Presidente Nacional do IAB e seis mil arquitetos e estudantes presentes – marcado pelo corajoso e veemente protesto contra a ditadura militar.
No cenário internacional, o IAB foi fundador da Federação Panamericana de Associações de Arquitetos (FPAA) e indicou à eleição em 1996 o arquiteto Antônio Carlos Moraes de Castro (1996/2000). Também na cinquentenária União Internacional de Arquitetos (UIA), onde temos participado de diversas comissões e coordenado grupos de trabalho. Sendo a seção nacional da UIA, indicamos à eleição dois vice-Presidentes para a Região III (Américas): o arquiteto Flávio Léo da Silveira e o atual, Miguel Alves Pereira, com mandato até 2001.
Há muito o que relembrar, com orgulho, nestes 80 anos de IAB. Mas há muito mais a fazer no futuro imediato. Os motivos que levaram aqueles 27 colegas a fundar o Instituto em 1921 ainda são atuais, demonstrando tratar-se de uma ação cotidiana, permanente, que nos conclama à união pelos interesses maiores da Arquitetura em benefício da Sociedade.
Outras questões apontam para a necessidade de estarmos organizados em defesa da profissão, tais como:
– A concorrência interna por trabalho, predatória, ainda não resolvida corretamente no país – no momento em que a “globalização” já chega sem pedir licença;
– A figura vil do “Projeto Básico”, neologismo para “projeto incompleto”, implantada com a Lei n° 8666 de Licitações, que desafia o bom senso, o direito autoral e a honestidade dos contratos públicos;
– A ausência, na prática, de um Código Deontológico que discipline a atuação dos profissionais de projeto e construção e torne desnecessário o cartapácio de leis e normas edilícias, urbanas e de preservação – que tanto prejudicam aos arquitetos conscientes de suas responsabilidades e não impedem a má prática profissional.
– Ou, certamente o mais importante: a criação de uma nova organização para a arquitetura no país – meta que centralizou as ações da última gestão do IAB, quando o Presidente Carlos Fayet, articulado com as demais entidades de arquitetos, avançou decididamente nas ações fundamentais para a criação dos Conselhos Regionais e Federal do Colégio de Arquitetos do Brasil, associação dos arquitetos brasileiros para o gerenciamento próprio da profissão.
Este é o objetivo a ser perseguido com maior tenacidade: evoluir do atual “Sistema” Confea-Crea’s – associação multiprofissional sem equivalente no Brasil ou no mundo ao reunir num mesmo conselho profissões tão díspares (de metereologistas a geólogos, de agrônomos a engenheiros de pesca, telecomunicações ou de alimentos) – para outro, uniprofissional, contemporâneo, dedicado integralmente aos diversos e importantíssimos assuntos que envolvem a prática da arquitetura.
Convidamos cada arquiteto a comparecer aos Departamentos e Núcleos do IAB para conhecer e discutir os planos de criação do Colégio de Arquitetos do Brasil – particularmente no Rio Grande do Sul, sob a liderança exemplar do Presidente Danilo Landó. E no próximo janeiro, nas comemorações pelos 80 anos do IAB e durante a 111a Reunião do Conselho Superior do IAB, fixemos uma posição definitiva em relação aos princípios de gerenciamento da nossa profissão.
A participação ampla dos arquitetos brasileiros nesta decisão será o melhor presente para o nosso jovem octogenário IAB – que assim, fiel à sua história, prosseguirá servindo à Arquitetura e se renovando para o futuro. Haroldo Pinheiro Villar de Queiroz
Presidente Nacional do IAB
presidente@iab.org.br

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

Outras Notícias