Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

InfoIAB-RS entrevista Silvana Cambiaghi

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

A Arquiteta Silvana Cambiaghi, especialista em Acessibilidade Universal, esteve em Porto Alegre no último domingo participando de um evento promovido pelo CREA-RS. “Fácil Acesso para Todos” foi o nome dado ao evento, ocorrido no Parque da Redenção, com o objetivo de sensibilizar a população sobre a questão da acessibilidade, da igualdade, da segurança e da independência para todos os cidadãos. A Arquiteta também estará participando de um evento inédito que ocorrerá em São Paulo, no dia 24 de junho, onde serão abordados temas como o conceito de Design Universal e acessibilidade nos espaços de lazer e cultura de São Paulo. Nesta entrevista, Silvana fala ao InfoIAB-RS sobre como é tratada a questão no Brasil e no mundo, sobre a lacuna na formação de arquitetos, engenheiros e designers, e como a sociedade e a iniciativa privada podem colaborar na solução do problema.
i – Com a expectativa de vida cada vez maior, crescem determinados segmentos de mercado, como o turismo voltado para a 3ª idade. Não seria o caso dos arquitetos especializados em Acessibilidade Universal aproveitarem esta demanda?
SC – Acredito que não apenas os arquitetos especialistas em Universal Design mas esta deveria ser a preocupação de todos relacionados a construção civil, design e urbanistas.
i – Estima-se que cerca de 15% da população mundial possua alguma discapacidade física. Você acha que talvez o arquiteto esteja se afastando de sua ferramenta – o desenho – na busca da democratização do espaço projetado e construído, e deixando de lado uma multidão de consumidores?
SC – Acredito que na maioria das vezes os arquitetos projetam para o “Homem Padrão”, ou seja, a pessoa no vigor de suas forças e inteligência, infelizmente não somos assim, desde a infância até velhice nosso corpo e mente passam por diversas transformações, isto se não adquirirmos no decorrer de nossas vidas doenças ou acidentes que fiquemos com alguma seqüela e portanto com alguma deficiência. Com esta análise verificamos que este número aumenta muito mais que esta estimativa de 15%, que o arquiteto deixa de levar em consideração em seus projetos. “O Desenho Universal visa atender a maior gama possível de pessoas”, planejando espaços e dimensões apropriados para interação, alcance e uso de produtos em geral, independentemente do tamanho, postura ou mobilidade do usuário; reconhece e respeita a diversidade física e sensorial entre as pessoas. i – Como é tratado o tema na universidade, a Acessibilidade Universal faz parte dos currículos ou os profissionais são praticamente auto-didatas? Se o tema da Acessibilidade Universal entrasse para o currículo das Universidades, você acredita que geraria uma maior conscientização entre os arquitetos em fase de formação? E isso faria com que já surgissem projetos que levassem em conta este problema? SC – Torna-se necessária a conscientização, informação e capacitação dos profissionais de arquitetura, engenharia, design e construção civil em geral para o desenvolvimento e difusão dos conceitos de Desenho Universal. É especialmente importante que os futuros profissionais recebam este conceitos regularmente ao longo de sua formação universitária. Para tal, é indispensável a capacitação dos professores universitários na questão, que em sua maioria, se sentem desestimulados por não dominarem o assunto. i – Segundo o professor e presidente do IAB-RS, José Albano Volkmer, os prédios privilegiam mais os automóveis do que os deficientes. Ele costuma provocar seus alunos, questionando se eles já projetaram algum prédio sem acesso a carros. Como fica esta questão, de os arquitetos levarem em conta os automóveis e deixarem de lado pessoas com necessidades especiais? SC – Como foi anteriormente respondido, acredito que não faz parte da formação deles, sendo portanto esquecido na hora de projetar. i – Feiras de Arquitetura geralmente não mostram espaços adequadamente resolvidos que contemplem a Acessibilidade Universal. O que poderia ser feito neste sentido? SC – Eu fiz uma exposição interativa na 3ª Bienal Internacional de Arquitetura, em 1997, onde em um espaço de 480m2 foram expostos sala automatizada, quarto, cozinha, banheiros público e residêncial, escritório, enfim tudo que havia de ponta em acessibilidade para facilitar a vida de idosos, pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. Este espaço foi executado em parceria com empresas do tipo DECA, Kitchens, Dorma, etc. A partir desse evento estas empresas começaram a ampliar e produzir produtos com o conceito do Desenho Universal. Entre os arquitetos e estudantes o evento também passou a ser muito comentado e discutido, tendo muita repercussão. Só que apenas poucos eventos não bastam, isto deveria estar presente em todas as mostras e eventos relacionados a arquitetura e design. i – Você acha que deveria haver um maior envolvimento da iniciativa pública (governos) e da privada (construtoras, incorporadoras, etc.) nesta questão? E que forma de envolvimento? SC – A implantação de uma política integrada para acessibilidade, promovendo interface entre os setores do Governo Federal, Estadual e Municipal e seus departamentos, permeando as diversas áreas como urbanismo, edificações, transportes e tecnologia, garantirá a possibilidade inclusão de uma pessoa com deficiência e conseqüentemente no mercado de trabalho, possibilitando assim que esta pessoa se torne um “cidadão”. i – E a sociedade, de que maneira você acha que poderia se engajar neste processo? SC – A sociedade tem um importante papel, fizemos uma moção no último Congresso de Arquitetura no Rio de Janeiro que foi aprovada, no âmbito das entidades de classe, foi colocado:

“1. motivação dos profissionais quanto à necessidade de toda a população para a acessibilidade ambiental e a prevenção de acidentes no uso da arquitetura;
2. organização e/ou participação em encontros relativos a esses temas;
3. intercâmbio com entidades representativas de pessoas portadoras de deficiência física ou sensorial”. i – Qual a importância de eventos que tratem deste tema, como o ocorrido no último domingo em Porto Alegre? SC – Como foi mencionado é muito importante estes eventos, principalmente como ocorreu o do CREA-RS, pois aconteceu em uma praça pública e envolveu as pessoas em geral, que estavam passeando em um domingo no parque. Isto com certeza deve ter mexido com a consciência de muitas pessoas que nunca tinham imaginado as dificuldades encontradas no parque para pessoas com deficiência ou dificuldade de locomoção para quem fez a vivência. i – Você poderia citar alguma cidade que seja exemplo/referência em Acessibilidade Universal no mundo? E no Brasil?
SC – Paises como EUA, Canadá e alguns países da Europa tiveram incríveis avanços nesta área, mas com uma acessibilidade integrada, isto é os transportes, urbanismo, acessos e edificações são planejados de forma a conseguir o uso por todas as pessoas. Aqui no Brasil as iniciativas são pontuais, temos cidades com edificações mais acessíveis devido a leis mais rígidas como é o caso de São Paulo, outras com a parte urbana mais acessível, como o Rio de Janeiro com intervenções do projeto “Rio Cidade”, e outra com um sistema de transporte mais adequado como no caso de Curitiba.
i – Qual a sua impressão sobre Porto Alegre no que se refere ao tema? Em que estágio estaria a capital gaúcha, em processo atrasado ou adiantado com relação a outros grandes centros brasileiros e mundiais?
SC – Acredito que vocês tem ótimos profissionais interessados na questão e o CREA, IAB, avalizando e reforçando este esforço. Este é um processo lento que vale mais a intenção de mudar e deixar as cidades mais democráticas a todos os cidadãos.

Redação Info IAB-RS
Jornalista Maisa Del Frari
Porto Alegre, maio de 2003.

IAB - RS

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

COMUNICADO DO IAB RS SOBRE O ESTADO DE CALAMIDADE CLIMÁTICA

O momento é grave e compreendemos que enquanto Instituto temos um trabalho de articulação de impacto a médio prazo, sendo provocadas e estruturadas redes que auxiliem nas questões habitacionais e de reestruturação das cidades, com projetos que considerem os riscos e impactos que os eventos climáticos tem gerado em nossas cidades, de modo mais frequente e de maior intensidade. Compreendendo a sensibilidade das questões ambientais, com a natureza impondo seus limites, frente às ocupações urbanas.

Leia Mais →

Nota pública em apoio às familias atingidas pelas enchentes no RS

O IAB-RS manifesta solidariedade às famílias atingidas pelas inundações e enchentes no Rio Grande do Sul. Os eventos de chuvas extremas estão se mostrando uma realidade com recorrência no nosso estado. O momento pede a soma de esforços de todos os setores da sociedade para ajudar aqueles que estão em situação de vulnerabilidade.

Leia Mais →

Outras Notícias

IAB RS participa da 178ª reunião do COSU

O correu em Aracaju, nos dias 22 e 24 de abril, o 1º Seminário Nacional de Arquitetura e Urbanismo do estado de Sergipe (ArqUrb.SE). Na sequência, entre os dias 25 e 27 de abril, foi realizada a 178ª Reunião do Conselho Superior do IAB (COSU), com abrangência nacional. Os dois eventos foram promovidos pelo Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento Sergipe (IAB-SE) com apoio do IAB Nacional. O IAB RS esteve presente na reunião.

Leia Mais →

Primeira fase da requalificação da Avenida 25 de Julho em Flores da Cunha iniciará em maio

Flores da Cunha de cara nova: a partir do mês de maio, a principal via da cidade – que conecta o município de norte a sul – será requalificada. A iniciativa da administração municipal iniciou ainda em 2021, com o lançamento do Concurso Público Nacional “Avenida 25 de Julho”, realizado em parceria com o IAB RS, e apoio do CAU/RS e da ABAP, e resultou em um novo projeto estético e funcional para a Avenida 25 de Julho. Em função das chuvas, a prefeitura informou que a cerimônia de início da obra, com o lançamento da Pedra Fundamental, foi adiada, e nova data será divulgada em breve.

Leia Mais →

50 anos do retorno da democracia em Portugal e colônias africanas é celebrado com exposição no IAB RS

Em 25 de abril de 1974 Portugal retomava o regime democrático, após um longo período de ditadura iniciada em 1933. A chamada Revolução dos Cravos é relembrada, 50 anos depois, por meio de uma exposição organizada pelo Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento Rio Grande do Sul (IAB RS) e a ADUFRGS Sindical, com apoio do Consulado Português, e curadoria de Airton Cattani e Daniela Fialho, que colecionou 47 cartazes de manifestações distribuídos nas ruas no período da revolução. A exposição segue aberta no Solar do IAB (Rua General Canabarro 363, Centro Histórico, em Porto Alegre), com visitação gratuita de segunda a sexta-feira, das 10h às 12h, e das 14h30 às 17h, até o dia 24 de maio.

Leia Mais →

Na mídia: Diretora adjunta de comunicação do IAB RS, Karolina Silva participou de bate-papo sobre mobilidade e mudanças climáticas, na TVE

O tema mobilidade urbana e mudanças climáticas, cada vez mais urgente em todas as esferas de debate, foi tema do programa Rodar, da TVE RS, apresentado por Pati Salvadori, na noite do dia 25 de abril. O bate-papo contou com a presença da diretora de comunicação adjunta do IAB RS, karolina Silva, e da ciclista e ativista Carol Strüssmann.

Leia Mais →