Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

Mulheres debateram sobre Espaço público no IAB

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
As mulheres estiveram no comando na última edição do evento “Quarta do IAB” realizado no dia 17 de julho, no Solar Conde de Porto Alegre, que teve como pauta “Espaço público é o lugar do encontro e da troca”. O encontro contou com a participação da doutora e promotora de Justiça do RS Ana Maria Marchesan, da estudante de arquitetura e animadora Livia Koeche, e das arquitetas Taís Lagranha e Elena Graef.
A atividade integra a programação cultural do IAB RS, que vem acontecendo desde o início do ano para discutir o documento “10 pontos por um Projeto de Cidade” com o objetivo amplificar uma visão compartilhada sobre a produção da cidade.
Com mediação da arquiteta Elena Graef, o evento foi uma oportunidade para que os presentes fizessem uma análise do contexto urbano e das relações do usuário com o espaço urbano. A conversa também abordou as manifestações populares que ocorrem em Porto Alegre, as quais buscam a defesa da liberdade individual e espaços comuns inseridos no espaço público.
A arquiteta Tais Lagranha apresentou seu estudo acadêmico de Design como Metodologia para espaços urbanos. Para ela, a ideia de territorialidade deve considerar o outro usando o mesmo espaço com aplicação de regras. “O usuário forma o espaço”, observou.  Além disso, Taís também falou da relação do espaço urbano com o meio ambiente. “O espaço público que me refiro é a calçada e a paisagem, ou seja, é a experiência do usuário no passeio público”, explicou. Segundo a arquiteta, a proposta de seu estudo é fornecer informações para quem trabalha e planeja as cidades, evidenciando outro contexto, com o usuário no centro da problemática territorial. “É trazer o olhar do urbanista para uma escala mais humana”, destacou Taís.
A promotora de justiça do RS Ana Maria Marchesan, afirmou que o Ministério Público sabe que tem muito a trabalhar para a comunidade na temática do patrimônio cultural público. A promotora falou do paradoxo existente. “De um lado existe uma doutrina jusambientalista praticamente uníssona quanto à inserção da dimensão cultural no conceito unitário de meio ambiente e, de outro, um tratamento conferido ao patrimônio cultural em termos de legislação e jurisprudência ainda quase que estribado exclusivamente no direito administrativo e, não raras vezes, até mesmo no direito civil”, observou. Para ela,  a decisão judicial que reconhece a importância histórico-cultural e  determina a preservação de um bem não tombado não constitui ato abusivo, nem  intromissão no exercício do poder discricionário do administrador, mas externa ato de efetividade aos preceitos constitucionais e infraconstitucionais que impõem a preservação da memória cultural brasileira.
A estudante de arquitetura e animadora Livia Koeche, trouxe um pouco de sua experiência em movimentos sociais envolvidos nas últimas manifestações ocorridas em Porto Alegre. “Essa experiência quebra paradigmas e diz muito a quem participa”, afirmou Koeche.  Para ela, essa reapropriação do território urbano é uma construção no período presente que o legislativo não valida. “São ocupações históricas muito válidas, unem pessoas com os mesmos ideais, pessoas que buscam espaços urbanos mais humanos”, destacou a estudante.

Os eventos “Quartas no IAB” têm o patrocínio da Caixa Econômica Federal.

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

Outras Notícias