IAB RS promove debate "A Mulher frente ao mercado de trabalho"

Data: 07/03/2018
Fonte: Sabrina Ortácio

Para celebrar o Dia Internacional da Mulher o Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB RS) com o apoio da "Resistência Solidária Feminina" promoveu na noite desta quarta-feira (07/03) o debate "A Mulher Frente ao Mercado de Trabalho" com a mediação de Sinara Robin e participação de Gabriela Siqueira, Heleniza Campos e Lorena Holzmann. Essa foi a primeira "Quarta do IAB" de 2018.

A mediadora Sinara Robin, mestre em ciências sociais, disse que a luta das mulheres pela emancipação é uma luta de todos nós, "porque neste corpo de mulher temos uma ressonância de libertação das lutas anticapitalistas".  “Na vida urbana hoje falar das diferenças, a mulher é uma figura fundamental que representa uma diversidade que não nos espanta e não nos indigna, porque vivemos cansados de sermos nós mesmos", refletiu Sinara.
 

A arquiteta Lorena Holzmann abriu o evento fazendo um resgate histórico sobre o papel da mulher na sociedade e as dificuldades na ascensão do conhecimento técnico. Ela lembrou que hoje, a maternidade ainda é justificativa para dificultar a entrada da mulher no mercado de trabalho. “Mas também, ao mesmo tempo, encontramos empresas que preferem mulheres casadas e com filhos, por acreditarem que elas são mais comprometidas do que as solteiras”, informou Lorena.  Na pesquisa apresentada, Lorena revelou que as mulheres representam mais de 50% dos desempregados da região metropolitana de Porto Alegre. O emprego doméstico recentemente empregava 7 milhões de mulheres, que é a saída para as mulheres de baixa escolaridade, conforme a pesquisa. Os dados apresentados por Lorena também revelaram que hoje as mulheres são muito bem-vindas no setor de Call Centers. Que mais de 30% dos domicílios do Brasil são chefiados por mulheres, que não têm a presença masculina.

Heleniza Campos, arquiteta e professora da UFRGS, falou das mudanças nos sistemas econômicos que fizeram com que a mulher se manifestasse de formas diversas. Para ela, a mulher traz no seu gene essa reprodução cultural do trabalho ancestral. “Não só isso, mas outros elementos, a mulher ultrapassa seus limites historicamente reconhecidos”, enfatizou.  Heleniza também apresentou dados do IBGE, que mostraram que a mulher está bem acima do homem em escolaridade. Na população em idade ativa, que podem trabalhar, entre 2013 e 2015, a mulher apareceu sempre acima do homem. Já na população ocupada, ou seja, a que está empregada, a mulher já perdeu espaço para os homens, fora a distribuição de empregos com carteira assinada. “Hoje a mulher predomina em setores de administração pública, serviços e no comércio”, informou. “É importante hoje reconhecer os tipos, características, gêneros desta mulher contemporânea. Somos diferentes, temos nossos direitos e nossas conquistas”, concluiu heleniza.

 

A arquiteta Gabriela da Siqueira relatou seu trabalho de arquiteta no gerenciamento de obras na construção civil, onde predomina o trabalho masculino. “Para ser respeitada, senti necessidade de ter mais conhecimento no setor, então busquei a ONG “Mulher em Construção, onde me reconheci como mulher”, relatou.  Gabriela contou que depois desta experiência se sentiu mais segura, humilde e com mais empatia em se colocar no lugar do outro.

A partir desta experiência Gabriela Siqueira criou a empresa UFA! especializada em mão de obra feminina, hidráulica, montagem de móveis, entre outros serviços. “Fui questionada muito por ser arquiteta e fazer um trabalho de pintora, é fato que existe um preconceito”, disse. A arquiteta contou que neste mercado, passou por situações onde homens nem olhavam no seu rosto. “A maneira de garantir respeito foi mostrar meu conhecimento no setor, só assim eu consegui meu espaço”, contou Gabriela. Para ela, a vida da mulher é difícil, “mas a gente tem que ir atrás do conhecimento e de nossos sonhos, e todas nós somos capazes”. A arquiteta trabalhou todo o ano de 2016 prestando serviços em casas de mulheres. “Me chamavam porque algumas já tinham sido assediadas ou não tinham respeito com prazos e qualidade dos serviços. Hoje eu venho conquistando esse respeito, e mostro que não estou ali para brincadeira”, declarou Gabriela Siqueira.

Saiba mais sobre as debatedoras:

Gabriela Siqueira
Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela PUCRS em 2011/02. Possui MBA em Gerenciamento de Projetos pela FGV em 2015. Já trabalhou em escritórios de arquitetura e urbanismo, hoje é proprietária da UFA! Mão de Obra Feminina e trabalha no escritório PRODASIQ Sistemas e Representações. Faz parte da diretoria como Secretária da ONG Mulher em Construção.

Heleniza Campos
Possui graduação em Arquitetura (UFPE, 1988), Mestrado em Desenvolvimento Urbano (UFPE, 1995) e Doutorado em Geografia (UFRJ, 1999), sob orientação do Prof. Marcelo Lopes de Souza. Entre 2000 e 2012 atuou como docente no Curso de Arquitetura e Urbanismo e do PPGDR da UNISC, realizando pesquisas no âmbito do desenvolvimento regional, sendo alguns deles produzidos junto ao Conselho Regional de Desenvolvimento-COREDE do Vale do Rio Pardo. Atualmente é docente da UFRGS no Departamento de Urbanismo da Faculdade de Arquitetura e no PROPUR. É membro pesquisador o Observatório das Metrópoles (RS) enquanto representante do PROPUR.

Lorena Holzmann
Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1967), mestrado em Sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1977) e doutorado em Sociologia pela Universidade de São Paulo (1992). É professora aposentada da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em Sociologia do Trabalho, atuando principalmente nos seguintes temas: inovações tecnicas e organizacionais, gestão do trabalho, trabalho e tecnologia, processo de trabalho e economia solidária.

Sinara Robin
Possui mestrado em Ciências Sociais pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2002) e doutorado em História pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2008). Atualmente é Professor Assistente da Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Membro da Equipe do Núcleo Local UNITRABALHO da Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Sociólogo da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Coordenadora de Projetos Educacionais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Pesquisadora do Museu Universitário/UFRGS da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Desenvolvimento de atividades da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Equipe Coordenadora de Curso de Extensão da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Coordenação de Projeto da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.