Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

Seminário Q+50 – Planejamento e Participação – o caso de Rosario, Argentina

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
A cientista política argentina Natália Carnovale, Coordenadora de Projetos Estratégicos da Municipalidade de Rosário, Argentina, falou da complexidade das cidades e de como lidar com as diferentes problemáticas de forma estratégica e participativa.  Os principais planos pensados ao longo prazo pela administração municipal de Rosário englobaram ações estratégicas, setoriais e participativas. “A cidade que tínhamos não estava funcionando, então paramos para pensar a cidade envolvendo a cultura, a economia e a coletividade, dentro do projeto de planificação estratégica”, informou Carnovale. O processo de mudanças em Rosário começou 1995 com participação de 200 instituições do município, que pensaram a cidade para os 10 anos seguintes, identificando as necessidades e realizando um diagnóstico, uma visão de linhas estratégicas. Então surgiram 5 linhas de ação e 74 projetos transformadores que em 2009 já obtinham 80% de conclusão. Na região metropolitana foram 88 projetos transformadores com a participação de 400 instituições. Tanto em Rosário quanto para a região metropolitana foi criada uma junta coordenadora, um conselho geral, uma oficina de coordenação técnica, um conselho técnico consultivo e um suporte técnico para projetos.
“Pensamos a cidade como um corpo humano e cada órgão tinha que funcionar perfeitamente”, exemplificou a cientista política. Ela explicou que tudo que foi realizado estava relacionado com sentidos inovadores, dentro de um plano de igualdade e processo coletivo. O processo de execução contou com uma plataforma de consensos e articulações públicas e privadas, novas instituições participantes, agência de desenvolvimento, polo tecnológico com participação de arquitetos, além de mecanismos de gestão, gerando um projeto compartilhado de cidade.  “Foram inúmeras tratativas para podermos consolidar todos os projetos, devido ao volume construído e a escala que gostaríamos de alcançar”, informou.
Como produto, Carnovale disse que primeiro a administração de Rosário entendeu que era preciso identificar os setores que necessitavam de projeto estratégico e intervenção urbanística e cultural. “O projeto de transformação de Rosário também pode ser visto como um grande plano de comunicação, onde foram evidenciadas as problemáticas e, a partir disso, ocorreu uma sinergia com todos os setores de trabalhos”. Foram criadas novas oportunidades públicas e gratuitas nas áreas da educação, saúde, lazer e esportes, que incentivaram o encontro entre as pessoas e a cidadania.  A administração da cidade também trabalha para promover a indústria, a economia e infraestrutura. Pensamos na mobilidade urbana sustentável, em edificações estratégicas, passeios públicos, aproveitamento de áreas desativadas para criação de novos espaços culturais e turísticos. Ao todo foram três mil arquitetos envolvidos nos projetos. Assim tivemos uma cidade mais harmoniosa e respeitosa com as pessoas. Concluiu sua apresentação com a recomendação de que devemos nos “animar a sonhar a cidade que queremos juntamente com outros que pensem diferentemente de nós” e que somente assim será possível construir a verdadeira transformação.
Seguiu-se debate animado sobre a proximidade deste qualificado caso de planejamento e de recuperação da cidade e pertinência deste modelo adotado em uma realidade muito próxima à realidade brasileira. O presidente do CAU BR, Haroldo Pinheiro, realizou importante manifestação destacando a relevância do evento e a necessidade que as próximas edições do Q+50 mantenham a mesma qualidade e profundidade. E o presidente do IAB nacional, Sergio Magalhães, encerrou o evento reforçando e destacando que são as questões maiores da profissão que devem pautar a atuação do CAU e das entidades para a construção de uma cidade justa e democrática com a participação efetiva dos arquitetos e urbanistas. Ambos foram muito aplaudidos pelos presentes.
Natália Carnovale
Cientista Política. Coordenadora de Projetos Estratégicos do Gabinete Municipal de Rosario, Argentina, e Coordenadora do Conselho Econômico e Social da Municipalidad de Rosario. Ex Coordenadora do Plano Estratégico da cidade de Rosario.
Clique aqui e confira a apresentação realizada por Natália.

Confira mais notícias sobre o Seminário:
Abertura do Q+50 reúne arquitetos de todo o Brasil em Rio Grande
Seminário Q+50 – Mesa redonda aborda Moradia Brasileira
Seminário Q+50 – Sergio Magalhães fala sobre Habitação e a Cidade Democrática
Seminário Q+50 – Participação, Planejamento e Projeto em discussão no segundo dia do Seminário Quitandinha

Parceiros:

IAB - RS

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

Na mídia: IAB RS participa de reportagem da Folha de São Paulo sobre reconstrução do RS

A copresidente do IAB RS, Clarice Misoczky de Oliveira, concedeu entrevista para reportagem da Folha de São Paulo. O ponto central foi a reconstrução do RS. “A questão habitacional é mais dramática. Há municípios no Vale do Taquari, como Muçum e Roca Sales, que se desenvolveram em áreas de encostas. Cidades como Santa Tereza em que parte das casas estão em áreas de inundações. Precisamos construir com segurança”, disse.

Leia Mais →

MANIFESTO IAB RS PARA A RECONSTRUÇÃO DO RS

Considerando a enorme tragédia causada pelos efeitos da crise climática e pelo descaso do poder público com o planejamento urbano e regional sustentável na promoção de cidades justas, igualitárias e ecologicamente  equilibradas, a Comissão Cidades/IAB RS, por meio deste, manifesta a necessidade de atenção às questões referentes às diferentes escalas de planejamento, arquitetura e urbanismo para reconstrução das cidades do Rio Grande do Sul, aqui agrupadas em dois grandes grupos: (A) Planejamento Urbano e Regional e (B) Moradia Digna.

Leia Mais →

Outras Notícias

COMUNICADO DO IAB RS SOBRE O ESTADO DE CALAMIDADE CLIMÁTICA

O momento é grave e compreendemos que enquanto Instituto temos um trabalho de articulação de impacto a médio prazo, sendo provocadas e estruturadas redes que auxiliem nas questões habitacionais e de reestruturação das cidades, com projetos que considerem os riscos e impactos que os eventos climáticos tem gerado em nossas cidades, de modo mais frequente e de maior intensidade. Compreendendo a sensibilidade das questões ambientais, com a natureza impondo seus limites, frente às ocupações urbanas.

Leia Mais →

Nota pública em apoio às familias atingidas pelas enchentes no RS

O IAB-RS manifesta solidariedade às famílias atingidas pelas inundações e enchentes no Rio Grande do Sul. Os eventos de chuvas extremas estão se mostrando uma realidade com recorrência no nosso estado. O momento pede a soma de esforços de todos os setores da sociedade para ajudar aqueles que estão em situação de vulnerabilidade.

Leia Mais →