Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

Uma aula com Célia Ferraz no Ciclo Desafios Urbanos do IAB-RS

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Uma aula sobre a história do centro de Porto Alegre e sobre os 100 anos do Plano de Melhoramentos da capital gaúcha.  Assim foi a palestra no IAB realizada no dia 13 de agosto, com a arquiteta e urbanista Célia Ferraz, professora da UFRGS.
Célia destacou a influência da política do positivismo, responsável pelo surgimento do Plano de Melhoramentos como instrumento do processo de planejamento. “Tivemos a valorização do saber técnico que estava explícito pela articulação dos engenheiros da comissão do Plano. As bases teóricas estavam calçadas no urbanismo haussmaniano, pós-haussmaniano, e também pelas ideias de Camillo Sitte e Saturnino de Brito, basicamente”, explicou.
A arquiteta explicou que quando Júlio de Castilhos assumiu o governo do Estado (1891), com uma política orientada pelo positivismo, foi dada ênfase à modernização da cidade, que passou a ser vista como cartão de visitas do Rio Grande do Sul. “Nessa onda de melhorias da infraestrutura urbana, o centro recebeu muitos incentivos, ao mesmo tempo em que se desencadeava um intenso programa de obras para construção de prédios públicos imponentes”, disse.
Ela explicou ainda que essa aceleração do crescimento, que durou até meados da década de 1930, renovou a paisagem urbana. Neste período, ergueram-se alguns dos mais significativos prédios públicos da capital, muitos carregados de simbolismos éticos, sociais e políticos, detalhes estes que se revelavam na decoração alegórica das fachadas. Célia citou como exemplo dessa arquitetura o Palácio Piratini, o Paço Municipal (Prefeitura), a Biblioteca Pública, o Banco da Província, os Correios e Telégrafos e a Delegacia Fiscal, sendo que muitos desses prédios foram construídos por arquitetos e engenheiros de origem alemã.
Célia Ferraz também mostrou imagens da abertura da Avenida Borges de Medeiros, que para ela, foi a primeira ruptura na cidade. Ela também falou sobre a desapropriação para a construção do viaduto da Borges, da avenida Salgado Filho, e de outra grande mudança que foi a rua Otávio Rocha, onde se abriu o quarteirão.
“No local da avenida André da Rocha, na primeira proposta iria passar a primeira perimetral. A avenida Perimetral, foi uma grande obra em função do riacho e do aterro. Já a rua Vasco da Gama foi indicação do engenheiros João Pereira Maciel (organizador do Plano Geral de Melhoramentos), que também fez o projeto do Parque da Redenção”, complementou.
Sobre a Orla, Célia Ferraz acredita que a proposta de cidade aberta foi extraordinária para a época. “A proposta da Orla foi muito parecida com as ideias de Saturnino nas Orlas de Santos”, observou.Mas como era cidade antes do Plano? Célia comentou que Porto alegre não tinha o mesmo desenvolvimento urbano de Montevideo e Buenos aires.  “Em 1893, um repórter americano ficou chocado com a capital gaúcha, dizendo que não tínhamos um avanço urbano como Buenos Aires e Montevideo. Esse era quadro antes do Plano do arquiteto Pereira Passos. Se bem que Porto Alegre tinha um padrão de cidade bem mais avançada em certas coisas”, destacou.  Ela acrescentou que no final do Império vieram técnicos que fizeram o Mercado Público e o estudo do Porto. “A organização do Plano é que conjugou tudo mais adiante. A ideia da modernização do Porto deu uma sugestão de melhoramentos dentro da cidade. E assim, em 1916, começou a aparecer plantas e a cidade começou a se entender. Já tínhamos áreas aterradas. O próprio mercado público já era um aterro”, contou.
Para a arquiteto André Huyer, mediador do evento, o Plano de Melhoramentos está em andamento até hoje e Porto Alegre foi incorporando isso ao longo do tempo. “Foi um Plano muito bom para o espaço público”, opinou a arquiteta Maria Tereza Albano.
Roberto Py, presidente do CAU RS, disse que comentar a história recente não é fácil. “Tenho uma convicção que fui egresso da antiga comissão de urbanismo. Com a transformação do Plano Diretor de Porto Alegre (PDPA) tenho a sensação que não conseguiram lidar com um plano econômico e ambiental ao mesmo tempo. Existe um decréscimo da participação da Prefeitura de Porto Alegre (PMPA) no crescimento da cidade. A PMPA perdeu o controle, e se tornou um órgão burocrático. O projeto era excelente, mas a administração municipal não conseguiu manejar. Estamos mal encaminhados hoje”, alertou Roberto Py.

 
 
 
IAB - RS

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

COMUNICADO DO IAB RS SOBRE O ESTADO DE CALAMIDADE CLIMÁTICA

O momento é grave e compreendemos que enquanto Instituto temos um trabalho de articulação de impacto a médio prazo, sendo provocadas e estruturadas redes que auxiliem nas questões habitacionais e de reestruturação das cidades, com projetos que considerem os riscos e impactos que os eventos climáticos tem gerado em nossas cidades, de modo mais frequente e de maior intensidade. Compreendendo a sensibilidade das questões ambientais, com a natureza impondo seus limites, frente às ocupações urbanas.

Leia Mais →

Outras Notícias

Nota pública em apoio às familias atingidas pelas enchentes no RS

O IAB-RS manifesta solidariedade às famílias atingidas pelas inundações e enchentes no Rio Grande do Sul. Os eventos de chuvas extremas estão se mostrando uma realidade com recorrência no nosso estado. O momento pede a soma de esforços de todos os setores da sociedade para ajudar aqueles que estão em situação de vulnerabilidade.

Leia Mais →

IAB RS participa da 178ª reunião do COSU

O correu em Aracaju, nos dias 22 e 24 de abril, o 1º Seminário Nacional de Arquitetura e Urbanismo do estado de Sergipe (ArqUrb.SE). Na sequência, entre os dias 25 e 27 de abril, foi realizada a 178ª Reunião do Conselho Superior do IAB (COSU), com abrangência nacional. Os dois eventos foram promovidos pelo Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento Sergipe (IAB-SE) com apoio do IAB Nacional. O IAB RS esteve presente na reunião.

Leia Mais →

Primeira fase da requalificação da Avenida 25 de Julho em Flores da Cunha iniciará em maio

Flores da Cunha de cara nova: a partir do mês de maio, a principal via da cidade – que conecta o município de norte a sul – será requalificada. A iniciativa da administração municipal iniciou ainda em 2021, com o lançamento do Concurso Público Nacional “Avenida 25 de Julho”, realizado em parceria com o IAB RS, e apoio do CAU/RS e da ABAP, e resultou em um novo projeto estético e funcional para a Avenida 25 de Julho. Em função das chuvas, a prefeitura informou que a cerimônia de início da obra, com o lançamento da Pedra Fundamental, foi adiada, e nova data será divulgada em breve.

Leia Mais →

50 anos do retorno da democracia em Portugal e colônias africanas é celebrado com exposição no IAB RS

Em 25 de abril de 1974 Portugal retomava o regime democrático, após um longo período de ditadura iniciada em 1933. A chamada Revolução dos Cravos é relembrada, 50 anos depois, por meio de uma exposição organizada pelo Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento Rio Grande do Sul (IAB RS) e a ADUFRGS Sindical, com apoio do Consulado Português, e curadoria de Airton Cattani e Daniela Fialho, que colecionou 47 cartazes de manifestações distribuídos nas ruas no período da revolução. A exposição segue aberta no Solar do IAB (Rua General Canabarro 363, Centro Histórico, em Porto Alegre), com visitação gratuita de segunda a sexta-feira, das 10h às 12h, e das 14h30 às 17h, até o dia 24 de maio.

Leia Mais →