Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

A HORA É GRAVE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
O Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), coerente com sua trajetória em defesa do direito à cidade e à arquitetura para todos os brasileiros, manifesta seu repúdio à forma como os gravíssimos problemas nacionais e mundiais têm sido tratados, em uma escalada de descaso, incompetência e vertiginosa destruição de direitos duramente construídos em longos anos de luta.

A hora brasileira é grave, sobretudo ao se somar a pandemia que assola o mundo. São ainda incalculáveis as consequências de sua proliferação nas áreas desprovidas de saneamento, sem moradias adequadas e carentes de serviços básicos de saúde.

A situação supera há muito a divergência ideológica. Trata-se de uma crise humanitária, e que demanda firmes posições humanistas, comprometidas com todo o povo brasileiro, em especial com os mais pobres, sempre os mais vulneráveis.

Não podemos assistir, silenciosos, ao descalabro de governantes fazendo pouco caso de normas sanitárias imprescindíveis, propondo reformas econômicas que degradam ainda mais as frágeis condições de vida dos mais pobres, sem nenhum vislumbre de recomposição da capacidade criativa e produtiva do país, incentivando a destruição ambiental e estimulando o ódio aos que não compõem sua claque.

É urgente que os recursos públicos sejam dirigidos, de modo competente, para organizar, instrumentalizar e qualificar a saúde pública, preparando todas as cidades e regiões não só para este momento crucial, mas para atender dignamente, diuturnamente, todas as pessoas.

A educação pública e de qualidade deve estar ao alcance de todos, pois um povo educado e crítico superará as crises de cabeça erguida, solidário e atuante.

É urgente que programas habitacionais, de saneamento e de mobilidade sejam implantados a partir de projetos de alta qualidade, ouvidas as comunidades, partícipes de seu futuro.

Todas essas ações consolidam-se no território, em escalas diversas e com aportes sociais distintos. Esse é o campo de trabalho dos arquitetos e urbanistas, em que podemos contribuir de forma eficaz para a sociedade brasileira.

O avanço de uma das mais impactantes pandemias de nossa história recente evidencia, de forma inconteste, a incompatibilidade entre os interesses e modos de atuação das instituições privadas e o bem comum.

Portanto, urge retomar o caráter público do Estado, derrubando o teto de gastos, redirecionando investimentos e promovendo justiça fiscal, a fim de garantir ao conjunto da sociedade o direito a ter direitos, sobretudo o direito à vida.

Anistia e prorrogação de prazos para cobranças por serviços básicos, empréstimos bancários e financiamentos habitacionais, a exemplo da iniciativa tomada pelo governo francês. Em um país com uma crescente população de trabalhadores informais e precarizados, como é o Brasil, a hora é de garantir as condições de sobrevivência face ao quadro de avanço do vírus.

Por esses motivos, o IAB vem a público exigir que Governo Federal, Estados e Municípios, Legislativo e Judiciário unam esforços para o enfrentamento da grave situação em que nos encontramos, em absoluto respeito às normas democráticas e aos direitos civis. Essas ações promoverão trabalho e dignidade, e farão prosperar um país generoso.

Brasil, 18  de março de 2020

IAB - RS

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

Nota pública: Suspensão da urbanização da Fazenda do Arado

A fazenda do Arado é patrimônio ambiental, arqueológico, histórico, cultural, arquitetônico e paisagístico de Porto Alegre, constituindo-se de uma zona primordial para manutenção de espécies da fauna e da flora, sujeita a enchentes e alagamentos por encontrar-se abaixo da cota de inundação do Guaíba. A zona serve como espaço de extravasamento natural do Guaíba, importante de ser preservado. O IAB RS reitera a necessidade de atenção máxima por parte dos governantes, sociedade civil, entidades e instituições às questões ambientais e suas relações com a cidade.

Leia Mais →

Na mídia: IAB RS participa de reportagem da Folha de São Paulo sobre reconstrução do RS

A copresidente do IAB RS, Clarice Misoczky de Oliveira, concedeu entrevista para reportagem da Folha de São Paulo. O ponto central foi a reconstrução do RS. “A questão habitacional é mais dramática. Há municípios no Vale do Taquari, como Muçum e Roca Sales, que se desenvolveram em áreas de encostas. Cidades como Santa Tereza em que parte das casas estão em áreas de inundações. Precisamos construir com segurança”, disse.

Leia Mais →

MANIFESTO IAB RS PARA A RECONSTRUÇÃO DO RS

Considerando a enorme tragédia causada pelos efeitos da crise climática e pelo descaso do poder público com o planejamento urbano e regional sustentável na promoção de cidades justas, igualitárias e ecologicamente  equilibradas, a Comissão Cidades/IAB RS, por meio deste, manifesta a necessidade de atenção às questões referentes às diferentes escalas de planejamento, arquitetura e urbanismo para reconstrução das cidades do Rio Grande do Sul, aqui agrupadas em dois grandes grupos: (A) Planejamento Urbano e Regional e (B) Moradia Digna.

Leia Mais →

Outras Notícias

COMUNICADO DO IAB RS SOBRE O ESTADO DE CALAMIDADE CLIMÁTICA

O momento é grave e compreendemos que enquanto Instituto temos um trabalho de articulação de impacto a médio prazo, sendo provocadas e estruturadas redes que auxiliem nas questões habitacionais e de reestruturação das cidades, com projetos que considerem os riscos e impactos que os eventos climáticos tem gerado em nossas cidades, de modo mais frequente e de maior intensidade. Compreendendo a sensibilidade das questões ambientais, com a natureza impondo seus limites, frente às ocupações urbanas.

Leia Mais →