Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

Arquitetura: profissão, formação e políticas públicas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Miguel Pereira No ano de 1973, a massificação da Universidade Brasileira já caminhava célebre sob o impacto do frenesi do pensamento estatístico da doutrina do “Brasil Grande”. Nesse tempo, o número das Faculdades de Arquitetura somava 26! Então o Instituto de Arquitetos do Brasil e a Faculdade de Arquitetura de Brasília resolveram botar a boca no trombone: era muita coisa, um exagero, uma capitulação à massificação da Universidade Brasileira, em função da Reforma Universitária, baixada por Decreto, em 1967, sob os auspícios do famigerado Acordo MEC – USAID.
O Brasil, assim, copiava o que havia de pior na Universidade Americana. Os dados estatísticos melhoraram, porém, a qualidade do ensino começou a deslizar em um plano inclinado.
Essa queda da qualidade do ensino superior, feita impertinente e irresponsável, constitui o maior inimigo do Brasil do século XXI.
Em 1973, o IAB e a FAU – UnB montaram parceria, convidando todas as Escolas de Arquitetura do país, com o objetivo de fundar a CEAU – Comissão de Ensino de arquitetura e Urbanismo do MEC. A meta era deter o processo de criação de novas Escolas de Arquitetura, montando políticas de avaliação das escolas existentes (públicas e privadas). No mesmo ano, 1973, o IAB e FAU – UnB, com o mesmo objetivo, fundaram a ABEA: Associação Brasileira de Escolas de Arquitetura.
O objetivo não foi alcançado, e o número de escolas explodiu: hoje são mais de 140!
Para enfrentar essa fera, é necessário apelar para um entendimento aprofundado da globalização, da modernidade e do arcabouço da identidade cultural. As escolas precisam ser repensadas e reconstituídas: 1 _ As Áreas de Concentração Profissional; 2 _ os Departamentos; 3 _ Laboratórios; 4 _ as Bibliotecas; 5 _ a Atividade Curricular; 6 _ a Atividade Extracurricular; 7 _ a Pesquisa; 8_ o Exercício da Docência; 9_ a Educação Permanente; 10 _ a Doutrina da Escola.
E o futuro da profissão, numa sociedade Pós-Industrial, haverá de ser pensado, em função dos seguintes parâmetros: 1 _ a competência fundada em conhecimento teórico; 2 _ infra estrutura de treinamento e educação; 3 _ mecanismo de teste da competência profissional; 4 _ organização representativa; 5 _ regulamentação; 6 _ estrutura ética; 7 _ educação permanente.
Nesse contexto, a fundação do Colégio Brasileiro de Arquitetos (CBA) é mais do que urgente, porque ele significa o direito dos arquitetos brasileiros, afinal, de discutirem e decidirem sobre sua prática profissional; o direito de discutirem e decidirem sobre sua formação profissional. Só então, nossa profissão assumirá sua maioridade.

IAB - RS

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

Portugal, 50 anos da Revolução dos Cravos

No dia 25 de abril Portugal relembra os 50 anos da Revolução Portuguesa. Nesta data, em 1974, ocorreu o evento conhecido como Revolução dos Cravos, marcando o fim da ditadura salazarista. Para relembrar a data, o Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento Rio Grande do Sul (IAB RS) e a ADUFRGS Sindical, com apoio do Consulado Português, inauguram a exposição “Portugal, 50 anos da Revolução dos Cravos”, a partir de uma coleção de cartazes da época colecionados pela arquiteta e pesquisadora Daniela Fialho. A abertura ocorrerá no dia 25 de abril, às 18h45, no Solar do IAB (Rua General Canabarro 363, Centro Histórico, em Porto Alegre). A entrada é franca.

Leia Mais →

Documentário “Vozes da arquitetura Porto Alegrense” encerra programação de aniversário do IAB RS

O último dia da programação especial que comemorou os 76 anos do IAB RS foi marcado pela exibição do documentário “Vozes da Arquitetura Porto Alegrense”. O filme, produzido pela entidade com apoio institucional do CAU/RS, reuniu depoimentos de 19 profissionais, que falaram sobre a profissão e suas percepções envolvendo aspectos como criatividade, coletividade e outros significados. Além da exibição, foram anunciados dois editais de cultura. 

Leia Mais →

Outras Notícias

NOTA PÚBLICA

As entidades Associação dos Técnicos de Nível Superior de Porto Alegre (Astec), Instituto de Arquitetos do Brasil – Depto Rio Grande do Sul (IAB RS), Instituto Brasileiro de Direito Urbanístico (IBDU), ONG Acesso Cidadania e Direitos Humanos e Sociedade de Economia do Rio Grande do Sul (SOCECON) entraram com ação ordinária a fim de denunciar irregularidades identificadas no edital e processo eleitoral do Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano e Ambiental – Biênio 2024/2025. 

Leia Mais →

Desafios do planejamento urbano e gestão em Porto Alegre foram temas de debate no IAB RS

A relação envolvendo o setor imobiliário e a administração pública na Capital, bem como os desdobramentos da revisão do Plano Diretor e as eleições para o Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano e Ambiental (CMDUA), foram alguns dos tópicos abordados no debate “Planejamento Urbano e Gestão: desafios atuais e perspectivas futuras para Porto Alegre”, que ocorreu no dia 28 de março na sede do IAB RS, em Porto Alegre.

Leia Mais →

Arquiteta Enilda Ribeiro é homenageada em evento do IAB RS

Para comemorar os 76 anos do Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento Rio Grande do Sul (IAB RS), a entidade planejou uma série com três eventos especiais para debater a profissão, relembrar a história e preservar memórias. Na primeira atividade, a palestra “Acervos em arquitetura e urbanismo – homenagem a Enilda Ribeiro” promoveu o encontro entre o professor da FAUUSP e coordenador da biblioteca da FAUUSP, Eduardo Costa; o membro do conselho consultivo do Centro de Memória CAU/RS, José Daniel Simões; e a copresidente do IAB RS e responsável pelo projeto documental, Bruna Tavares. 

Leia Mais →

IAB RS participa do painel RS Seguro COMunidade no South Summit

A copresidente Clarice Oliveira falou sobre a importância dos Concursos Públicos de Projeto e dos processos participativos que o IAB RS vem implantando junto ao governo do Estado. Durante sua fala, destacou que “o IAB RS desenvolve concursos de projeto urbanístico integrai que tem como um pilar muito importante a participação da comunidade no processo inicial de elaboração do programa de necessidades, que vai constituir as bases do concurso público de projetos”.

Leia Mais →