Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

Arquitetura, um Direito dos Cidadãos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Este título parece atual. Não é. É antigo e foi extraído de um documento da Ordem de Arquitetos de Portugal. E tem sentido. Em 1973, o Governo Português editou um Decreto tornando a Arquitetura livre. Portanto, qualquer pessoa poderia exercer a profissão do Arquiteto. Claro, não se poderia esperar outra atitude de um governo ditatorial. Um ano antes da Revolução dos Cravos, uma medida desta natureza tinha certamente um conteúdo e um objetivo. Atender o apelo popular, ou talvez melhor dito “populista”. O objetivo governamental era, também, fazer com que a Arquitetura fosse um direito dos cidadãos, sem preocupação com a qualidade e a formação profissional. Claro, era um direito dos cidadãos que porventura quisessem praticar, livremente, os atos dos Arquitetos. O Governo de Portugal, o ditatorial, “no apagar das luzes” tomara a decisão de liberar a arquitetura para todos os interessados nesta prática profissional, mesmo sem a formação universitária específica. Havia, desta forma, abandonado definitivamente o entendimento de que Arquitetura era um Ato Próprio dos Arquitetos. Mais tarde, nos anos 1990, o Parlamento Português finalmente convenceu-se de que a Arquitetura era, além de um Direito dos Cidadãos, um Direito peculiar dos Arquitetos, adquirido pela formação universitária em Curso de Nível Superior. No contexto da época, Portugal pleiteava ingressar na União Européia e deveria se adequar à legislação do Parlamento Europeu sobre o exercício das profissões e, dentre elas, a do Arquiteto. Não só regulamentou por lei a profissão, exigindo o curso superior de Arquitetura, como criou a Ordem dos Arquitetos de Portugal. Tal regulamentação legal estabelece, hoje, a independência profissional, a auto-gestão e a co-responsabilidade em proporcionar aos cidadãos uma Arquitetura de qualidade como Direito de todos. E, no Brasil, o que está faltando? Uma decisão do Governo e do Congresso Nacional. Os dois Poderes da República são responsáveis pela iniciativa e as providências de regulamentar a profissão do Arquiteto e Urbanista. Desta obrigação não poderão se omitir. Se o Tratado do MERCOSUL entrar em vigor e se for instalado o Parlamento dos Países do CONE SUL, o Brasil seria instado a tomar rápidas providências para regulamentar a profissão do Arquiteto e Urbanista de forma independente. Os arquitetos argentinos, uruguaios e os paraguaios não aceitariam ficar submetidos às decisões internas dos atuais Conselhos multi-profissionais do Brasil. Não aceitariam tratar de assuntos de Arquitetura e de Urbanismo, examinados em Plenários onde todas as profissões tecnológicas deliberam em matérias de sua competência, mas, também e inclusive, em matérias das demais profissões sobre as quais não têm atribuições. Nós, Arquitetos e Urbanistas brasileiros, depois de uma expressiva vitória no Senado Federal, que aprovou por unanimidade, em 24 de novembro de 2004, o Projeto de Lei nº 347/2003, contamos com a compreensão das autoridades do Poder Executivo e da Câmara dos Deputados de que a questão não é apenas de Direito e, sim, uma questão de constitucionalidade. A Constituição estabelece que o princípio maior da nacionalidade é o da Democracia. Os Arquitetos e Urbanistas têm, pois, o direito de auto-gestão da própria profissão e têm o direito de votar e de ser votados em eleições diretas para escolher os seus representantes nos seus próprios Conselhos de Arquitetura e Urbanismo. A representatividade não será através das Entidades de Classe e das Escolas de Arquitetura, que é um sistema equivocado do ponto de vista da Constituição Federal. Serão eleições diretas como às da Ordem dos Advogados do Brasil – OAB.
Os Arquitetos e Urbanistas têm o dever de tratar nos Conselhos de Arquitetura e Urbanismo sobre as questões dos Direitos dos Cidadãos a serviços tecnológicos qualificados e o de zelar pelo aprimoramento do exercício profissional, regulando o comportamento ético à altura dos compromissos com o desenvolvimento profissional e do desenvolvimento nacional.
Ainda que tardiamente, Senhor Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, e Senhores Deputados Federais, esperamos o cumprimento das medidas legais indispensáveis para o compromisso maior da Democracia e com o desenvolvimento da Arquitetura e do Urbanismo. Tomem em definitivo as providências indispensáveis para a regulamentação da profissão do Arquiteto e Urbanista. Este é o apelo sincero dos Arquitetos e Urbanistas do Rio Grande do Sul e do Brasil. Contamos com os Senhores, desde logo, em nome do desenvolvimento da profissão e da Arquitetura e do Urbanismo como Direitos dos Cidadãos.
Arq. José Albano Volkmer
Presidente IAB-RS

IAB - RS

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

Documentário “Vozes da arquitetura Porto Alegrense” encerra programação de aniversário do IAB RS

O último dia da programação especial que comemorou os 76 anos do IAB RS foi marcado pela exibição do documentário “Vozes da Arquitetura Porto Alegrense”. O filme, produzido pela entidade com apoio institucional do CAU/RS, reuniu depoimentos de 19 profissionais, que falaram sobre a profissão e suas percepções envolvendo aspectos como criatividade, coletividade e outros significados. Além da exibição, foram anunciados dois editais de cultura. 

Leia Mais →

NOTA PÚBLICA

As entidades Associação dos Técnicos de Nível Superior de Porto Alegre (Astec), Instituto de Arquitetos do Brasil – Depto Rio Grande do Sul (IAB RS), Instituto Brasileiro de Direito Urbanístico (IBDU), ONG Acesso Cidadania e Direitos Humanos e Sociedade de Economia do Rio Grande do Sul (SOCECON) entraram com ação ordinária a fim de denunciar irregularidades identificadas no edital e processo eleitoral do Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano e Ambiental – Biênio 2024/2025. 

Leia Mais →

Desafios do planejamento urbano e gestão em Porto Alegre foram temas de debate no IAB RS

A relação envolvendo o setor imobiliário e a administração pública na Capital, bem como os desdobramentos da revisão do Plano Diretor e as eleições para o Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano e Ambiental (CMDUA), foram alguns dos tópicos abordados no debate “Planejamento Urbano e Gestão: desafios atuais e perspectivas futuras para Porto Alegre”, que ocorreu no dia 28 de março na sede do IAB RS, em Porto Alegre.

Leia Mais →

Outras Notícias

Arquiteta Enilda Ribeiro é homenageada em evento do IAB RS

Para comemorar os 76 anos do Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento Rio Grande do Sul (IAB RS), a entidade planejou uma série com três eventos especiais para debater a profissão, relembrar a história e preservar memórias. Na primeira atividade, a palestra “Acervos em arquitetura e urbanismo – homenagem a Enilda Ribeiro” promoveu o encontro entre o professor da FAUUSP e coordenador da biblioteca da FAUUSP, Eduardo Costa; o membro do conselho consultivo do Centro de Memória CAU/RS, José Daniel Simões; e a copresidente do IAB RS e responsável pelo projeto documental, Bruna Tavares. 

Leia Mais →

IAB RS participa do painel RS Seguro COMunidade no South Summit

A copresidente Clarice Oliveira falou sobre a importância dos Concursos Públicos de Projeto e dos processos participativos que o IAB RS vem implantando junto ao governo do Estado. Durante sua fala, destacou que “o IAB RS desenvolve concursos de projeto urbanístico integrai que tem como um pilar muito importante a participação da comunidade no processo inicial de elaboração do programa de necessidades, que vai constituir as bases do concurso público de projetos”.

Leia Mais →

Arquiteta Enilda Ribeiro é destaque na coluna Almanaque, da Zero Hora

Enilda foi uma das primeiras mulheres a ser diplomada no curso específico em Arquitetura no Rio Grande do Sul. Além e ter lutado pela criação do curso superior de graduação na URFGS, foi presidente do IAB/RS entre 1980 e 1981. “Eu gostaria muito de ter conversado, em algum momento, com ela sobre os desafios que foram enfrentados, tanto no IAB-RS quanto em nível nacional, onde ela articulou a construção de ideias e diretrizes para a formação de um conselho próprio de arquitetura e urbanismo”, declarou a co-presidente do IAB/RS, Bruna Tavares.

Leia Mais →