Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

Avaliação pós-ocupação: como qualificar espaços e satisfazer usuários

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Como saber, se o seu cliente ficou satisfeito com o trabalho executado? Há tempo e disponibilidade para indagar? Há perguntas sem respostas? Será que ficou bom? O cliente não voltou… Qual seria o motivo? As perguntas podem ser muitas, mas quem possui tempo para pesquisar, organizar dados e concluir? Crescer com a experiência conhecendo acertos e desacertos é importante, pois nem sempre o que se fez na boa intenção, resultou adequado e, muitas vezes, os autores dos projetos podem se surpreender com muitos acertos. Um feedback é o que a Avaliação Pós-Ocupação pode fornecer e, conseqüentemente, enriquecer um próximo trabalho. A APO é uma ciência nova que começou nos Estados Unidos em meados do século XX. No Brasil, ainda é pouco conhecida, mas já existem diversos grupos atuando em várias frentes, equipes multiprofissionais, balizando novos projetos para qualificar ambiente, considerando cada vez mais, as necessidades dos seus usuários.
Como escreveu ORNSTEIN (1992; p.33) “a aplicação de métodos de APO sempre ocorreu, em maior escala, nos estudos relativos a relação ambiente e comportamento”. Ela afirma que uma APO se aplica em mais do que isto, ela insere a incógnita “ambiente” na equação indivíduo + comportamento”. Entre os pesquisadores, cita diversos profissionais, entre eles, os arquitetos Kevin Lynch e Cristopher Alexander.
Uma APO é feita não só para avaliar comportamentos. Ela é um conjunto de processos avaliativos que inclui desde o processo projetual e construtivo, quando são verificados os níveis de conforto, a funcionalidade, a segurança, a acessibilidade, o desempenho dos materiais utilizados, as modificações feitas no decorrer da vida útil do ambiente em estudo. O que a diferencia de um estudo do ambiente é a participação do usuário no processo de pesquisa. Com os dados que ele fornece, descobre-se o seu grau de satisfação.
Com a APO, pode-se descobrir se há problema, qual é e onde ele está, suas causas. Trazê-lo à tona, valoriza o empreendedor de qualquer investimento e lhe dá credibilidade. Muitos investimentos não teriam ido para um buraco negro se, além dos estudos de viabilidade econômica, uma APO houvesse sido feita em espaços similares. Conhecer o envolvimento do usuário nos espaços ocupados, também democratiza as decisões de projeto, pois o homem é a parte dinâmica nos ambientes, é quem interfere, destruindo ou qualificando.
Avaliação Pós-Ocupação é uma disciplina curricular do 6º semestre da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul que proporciona ao aluno, o questionamento sobre o resultado de seu próprio trabalho e de outros profissionais, sobre o espaço projetado para o outro, sobre a ética e a técnica de coleta de dados, sobre múltiplas variáveis e relações existentes entre projeto e resultado – quando o ser humano se apropriou do espaço criado e o fez lugar. Além da pesquisa para se obter o grau de satisfação dos usuários de um espaço, são feitas as análises tecno-construtiva, funcional e comportamental em edificações.
A APO chegou para ficar, para reduzir custos de investimento, para aumentar a produtividade, para nortear projetos mais qualitativos. Os temas podem ser os mais variados e o foco, diversificado. Sua aplicabilidade encontra campo tanto em áreas urbanas e em edificações de porte, quanto em pequenos ambientes e objetos.
Uma Avaliação Pós-Ocupação só tem a acrescentar, pois cada vez mais, nesse processo globalizante, a responsabilidade pela qualidade de vida das próximas gerações dependerá do acerto nas escolhas. Arq. Marilice Costi
Mestre em Arquitetura, professora de APO na FAU – PUCRS e profissional atuante no mercado

IAB - RS

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

Documentário “Vozes da arquitetura Porto Alegrense” encerra programação de aniversário do IAB RS

O último dia da programação especial que comemorou os 76 anos do IAB RS foi marcado pela exibição do documentário “Vozes da Arquitetura Porto Alegrense”. O filme, produzido pela entidade com apoio institucional do CAU/RS, reuniu depoimentos de 19 profissionais, que falaram sobre a profissão e suas percepções envolvendo aspectos como criatividade, coletividade e outros significados. Além da exibição, foram anunciados dois editais de cultura. 

Leia Mais →

NOTA PÚBLICA

As entidades Associação dos Técnicos de Nível Superior de Porto Alegre (Astec), Instituto de Arquitetos do Brasil – Depto Rio Grande do Sul (IAB RS), Instituto Brasileiro de Direito Urbanístico (IBDU), ONG Acesso Cidadania e Direitos Humanos e Sociedade de Economia do Rio Grande do Sul (SOCECON) entraram com ação ordinária a fim de denunciar irregularidades identificadas no edital e processo eleitoral do Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano e Ambiental – Biênio 2024/2025. 

Leia Mais →

Desafios do planejamento urbano e gestão em Porto Alegre foram temas de debate no IAB RS

A relação envolvendo o setor imobiliário e a administração pública na Capital, bem como os desdobramentos da revisão do Plano Diretor e as eleições para o Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano e Ambiental (CMDUA), foram alguns dos tópicos abordados no debate “Planejamento Urbano e Gestão: desafios atuais e perspectivas futuras para Porto Alegre”, que ocorreu no dia 28 de março na sede do IAB RS, em Porto Alegre.

Leia Mais →

Outras Notícias

Arquiteta Enilda Ribeiro é homenageada em evento do IAB RS

Para comemorar os 76 anos do Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento Rio Grande do Sul (IAB RS), a entidade planejou uma série com três eventos especiais para debater a profissão, relembrar a história e preservar memórias. Na primeira atividade, a palestra “Acervos em arquitetura e urbanismo – homenagem a Enilda Ribeiro” promoveu o encontro entre o professor da FAUUSP e coordenador da biblioteca da FAUUSP, Eduardo Costa; o membro do conselho consultivo do Centro de Memória CAU/RS, José Daniel Simões; e a copresidente do IAB RS e responsável pelo projeto documental, Bruna Tavares. 

Leia Mais →

IAB RS participa do painel RS Seguro COMunidade no South Summit

A copresidente Clarice Oliveira falou sobre a importância dos Concursos Públicos de Projeto e dos processos participativos que o IAB RS vem implantando junto ao governo do Estado. Durante sua fala, destacou que “o IAB RS desenvolve concursos de projeto urbanístico integrai que tem como um pilar muito importante a participação da comunidade no processo inicial de elaboração do programa de necessidades, que vai constituir as bases do concurso público de projetos”.

Leia Mais →

Arquiteta Enilda Ribeiro é destaque na coluna Almanaque, da Zero Hora

Enilda foi uma das primeiras mulheres a ser diplomada no curso específico em Arquitetura no Rio Grande do Sul. Além e ter lutado pela criação do curso superior de graduação na URFGS, foi presidente do IAB/RS entre 1980 e 1981. “Eu gostaria muito de ter conversado, em algum momento, com ela sobre os desafios que foram enfrentados, tanto no IAB-RS quanto em nível nacional, onde ela articulou a construção de ideias e diretrizes para a formação de um conselho próprio de arquitetura e urbanismo”, declarou a co-presidente do IAB/RS, Bruna Tavares.

Leia Mais →