Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

IAB RS participa do painel RS Seguro COMunidade no South Summit

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

A copresidente Clarice Oliveira falou sobre a importância dos Concursos Públicos de Projeto e dos processos participativos que o IAB RS vem implantando junto ao Governo do Estado

 

Foto: Mauricio Tonetto/Secom 

 

Na manhã dessa quinta-feira (21), no segundo dia do South Summit Brasil, em Porto Alegre, a copresidente do Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento Rio Grande do Sul (IAB RS), Clarice Oliveira, participou do painel RS Seguro COMunidade. A iniciativa do Governo do Estado, desenvolvido no âmbito do RS Seguro, integra o eixo voltado para políticas sociais preventivas e transversais, cujo foco de atuação são os territórios em situação de vulnerabilidade socioeconômica e com indicadores elevados de crimes violentos letais e intencionais, consumados ou tentados. O IAB RS está realizando consultoria na área de urbanismo social com projetos urbanísticos integrais (PUIs). Participaram, também, o Governador do Estado, Eduardo Leite, o Secretário Executivo do Programa RS Seguro, Delegado Antônio Padilha; o Coordenador da Central Única das Favelas RS (CUFA), Roberto Torres Junior; e a gerente Regional Sul do Instituto Gerando Falcões, Aline Tavares.  

A proposta do projeto é atuar em diferentes territórios, aqui chamado de clusters, e não definindo ações por bairros, pois esses clusters podem abranger uma parte de um bairro, ou diferentes bairros, ou então partes de diferentes cidades. A iniciativa desenvolverá ações e serviços públicos que ajudarão a enfrentar diversas faces da criminalidade. Essas regiões foram definidas a partir de dados onde há maior incidência de crimes violentos contra a vida. 

O governador do Estado, Eduardo Leite, disse que “essas ações reforçam nossa convicção de que a redução da criminalidade vai além da ação de polícia, que temos feito com rigor. Passa pela melhoria de qualidade de vida nas comunidades, especialmente com foco na juventude, com oportunidades de empreender e explorar seus talentos. Isso é o que faz valer a pena as brigas que compramos na política para viabilizar o Estado com capacidade de investir e transformar a vida das pessoas. Toda uma carga histórica tenta convencer que favelas estão condenadas. O papel do Estado é acender a chama para o povo sonhar”, destacou. 

A CUFA e o Instituto Gerando Falcões realizaram o mapeamento dos territórios. A Unesco entrará com recursos e tecnologia para realizar intervenções em 14 territórios, realizando projetos urbanísticos comunitários, e o IAB RS realizará três concursos nacionais, em que serão selecionados projetos urbanísticos integrais para três localidades: Umbu, Rubem Berta e Santa Tereza. 

Durante sua fala, Clarice Oliveira destacou que “o IAB RS desenvolve concursos de projeto urbanístico integrai que tem como um pilar muito importante a participação da comunidade no processo inicial de elaboração do programa de necessidades, que vai constituir as bases do concurso público de projetos”, disse.  

Segundo ela, esse envolvimento da comunidade é realizado a partir de tecnologias sociais que dão a condição de voz ativa para os participantes de oficinas, diagnóstico e propostas para os lugares que estão sendo trabalhados. “Essa participação é muito importante para que se se desenvolva o sentimento de pertencimento a esse projeto e a esse lugar, e que as pessoas, a partir disso, se apropriem e utilizem o espaço, cuidem dele, uma vez ele pronto”, destaca. 

“Se trata de uma condição que envolve a transformação social a partir de um processo de elaboração de um projeto urbanístico integral. Isso não é apenas a dimensão física do espaço urbano, mas a incorporação da dimensão social, fundamental nesse tipo de projeto”, finaliza.  

 

IAB - RS

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

Nota pública: Suspensão da urbanização da Fazenda do Arado

A fazenda do Arado é patrimônio ambiental, arqueológico, histórico, cultural, arquitetônico e paisagístico de Porto Alegre, constituindo-se de uma zona primordial para manutenção de espécies da fauna e da flora, sujeita a enchentes e alagamentos por encontrar-se abaixo da cota de inundação do Guaíba. A zona serve como espaço de extravasamento natural do Guaíba, importante de ser preservado. O IAB RS reitera a necessidade de atenção máxima por parte dos governantes, sociedade civil, entidades e instituições às questões ambientais e suas relações com a cidade.

Leia Mais →

Na mídia: IAB RS participa de reportagem da Folha de São Paulo sobre reconstrução do RS

A copresidente do IAB RS, Clarice Misoczky de Oliveira, concedeu entrevista para reportagem da Folha de São Paulo. O ponto central foi a reconstrução do RS. “A questão habitacional é mais dramática. Há municípios no Vale do Taquari, como Muçum e Roca Sales, que se desenvolveram em áreas de encostas. Cidades como Santa Tereza em que parte das casas estão em áreas de inundações. Precisamos construir com segurança”, disse.

Leia Mais →

MANIFESTO IAB RS PARA A RECONSTRUÇÃO DO RS

Considerando a enorme tragédia causada pelos efeitos da crise climática e pelo descaso do poder público com o planejamento urbano e regional sustentável na promoção de cidades justas, igualitárias e ecologicamente  equilibradas, a Comissão Cidades/IAB RS, por meio deste, manifesta a necessidade de atenção às questões referentes às diferentes escalas de planejamento, arquitetura e urbanismo para reconstrução das cidades do Rio Grande do Sul, aqui agrupadas em dois grandes grupos: (A) Planejamento Urbano e Regional e (B) Moradia Digna.

Leia Mais →

Outras Notícias

COMUNICADO DO IAB RS SOBRE O ESTADO DE CALAMIDADE CLIMÁTICA

O momento é grave e compreendemos que enquanto Instituto temos um trabalho de articulação de impacto a médio prazo, sendo provocadas e estruturadas redes que auxiliem nas questões habitacionais e de reestruturação das cidades, com projetos que considerem os riscos e impactos que os eventos climáticos tem gerado em nossas cidades, de modo mais frequente e de maior intensidade. Compreendendo a sensibilidade das questões ambientais, com a natureza impondo seus limites, frente às ocupações urbanas.

Leia Mais →