Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

IAB RS, Prefeitura de Santa Maria e AVTSM detalham próximas etapas do concurso para o Memorial às Vítimas da Kiss

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
O concurso público de projetos arquitetônicos para a construção do Memorial às Vítimas da Kiss entrou em uma nova fase nesta terça-feira (19). Depois de ter alcançado êxito na etapa de arrecadação de recursos para financiar o concurso, a Prefeitura de Santa Maria, a Associação dos Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria (AVTSM) e o Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento do Rio Grande do Sul (IAB RS) apresentaram, no Salão Azul do Centro Universitário Franciscano (Unifra), as próximas etapas do concurso.

Na ocasião, o prefeito Jorge Pozzobom agradeceu a todas as pessoas que colaboraram com a campanha e destacou que pretende anunciar, no dia 10 de abril, a data para demolição do prédio, que deverá ser feita sem dinheiro público, apenas por meio de parcerias. O chefe do Executivo também anunciou um importante reforço para a campanha: a entrada do Escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos (UNOPS), braço executivo da Organização das Nações Unidas (ONU), para auxiliar nas etapas do concurso (leia mais sobre o assunto abaixo).

“Pedimos que cada arquiteto coloque, mais do que seu profissionalismo, o seu coração no momento de elaborar este projeto, para que transforme esse lugar de dor em um lugar de amor. Mais do que um slogan, o “Pra que não se repita!” é uma determinação de Governo e queremos que Santa Maria, através desse memorial, dê um recado para o Estado, o país e o mundo”, ressaltou o prefeito.

Na oportunidade, o coordenador do concurso para o Memorial Kiss, Tiago Holzmann da Silva, destacou que duas etapas já foram vencidas, que foi a desapropriação, por parte da Prefeitura, do prédio onde funcionava a casa noturna e a captação de recursos. Segundo ele, neste momento, a equipe responsável trabalha no desenvolvimento de documentos-base do concurso, já que se trata de um processo de licitação pública, que inclui edital, minuta e outros dados e informações.

Conforme Holzmann, o cronograma de execução prevê que o concurso seja lançado no dia 27 de janeiro de 2018, data que marca os cinco anos da tragédia e quando se abre também o período para inscrições dos arquitetos e escritórios interessados em participar. A previsão é que a entrega dos projetos, por meio do site do concurso, seja feita no dia 02 de abril (veja todas as etapas do cronograma abaixo). As propostas serão avaliadas por uma comissão julgadora composta de cinco arquitetos (dois do Rio Grande do Sul, dois de outros estados do Brasil e um do exterior). O julgamento será feito de forma sigilosa, sem que os julgadores saibam de quem são as propostas. A expectativa é que o vencedor do concurso seja conhecido em 10 de abril e que a assinatura do contrato com vencedor seja feita em 24 do mesmo mês, quando deverá ser dado início à elaboração dos projetos executivos e de toda a tramitação burocrática junto aos órgãos competentes.

“Esse é o primeiro concurso público do Brasil com financiamento exclusivo da sociedade. Estamos trabalhando para um processo que será democrático, transparente e que quer escolher o melhor trabalho. Queremos um processo perfeito, didático, com um passo de cada vez, para que nunca mais se repita”, explicou Holzmann.

CAMPANHA ARRECADOU R$ 250 MIL

Ainda na coletiva de imprensa, o presidente da Associação dos Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria (AVTSM), Sergio Silva, apresentou os resultados da campanha de arrecadação do concurso. Ao todo, foram arrecadados R$ 250 mil, sendo R$ 209 por meio de vaquinha online e R$ 41 mil através da conta do Memorial. Os valores serão utilizados na elaboração do concurso, na premiação dos cinco melhores projetos, no pagamento dos honorários do vencedor e, ainda, para custear os projetos complementares do Memorial, como projeto hidráulico, elétrico, hidrosanitário, entre outros, além do Plano de Prevenção de Combate a Incêndio (PPCI).

“A gente sabe que não temos como mudar o que aconteceu e trazer nossos filhos de volta. Mas queremos deixar uma lição para o Brasil, de que fizemos algo e que queremos a transformação desse lugar”, destacou Silva.

Também participaram da coletiva de imprensa desta terça-feira, a presidente do Núcleo de Santa Maria do IAB RS, arquiteta Lídia Rodrigues, e a professora do curso de Arquitetura da Unifra, Clarissa Pereira, que representou a reitora Iraní Rupolo no ato.

A ATUAÇÃO DO UNOPS

O Escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos (UNOPS) é ligado à Organização das Nações Unidas (ONU) e tem o foco do seu trabalho na Infraestrutura Sustentável. O UNOPS tem experiência na implementação e gerenciamento de projetos de obras públicas, tais como infraestrutura econômica (aeroportos, estradas, pontes e transporte urbano); prédios públicos (sedes administrativas, escolas, hospitais e penitenciárias) e habitações de interesse social.

Atua também na gestão sustentável de projetos, garantindo a aplicação dos mais altos padrões e de controle de riscos, fortalecendo capacidades nacionais, assegurando o êxito do projeto e sua transparência, bem como agregando valores sociais e ambientais (ODS) em todas as etapas do projeto. Além disso, promove parcerias entre vários atores, incluindo agências da ONU, governos, ONGs e o setor privado para aumentar a participação e a sustentabilidade dos projetos.

Assim, a intenção é que o UNOPS, por meio da sua coordenadora na América Latina e Caribe, Claudia Valenzuela, possa colaborar na elaboração do edital, na organização do concurso e na captação de recursos para a construção do Memorial.

IAB - RS

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

Nota pública: Suspensão da urbanização da Fazenda do Arado

A fazenda do Arado é patrimônio ambiental, arqueológico, histórico, cultural, arquitetônico e paisagístico de Porto Alegre, constituindo-se de uma zona primordial para manutenção de espécies da fauna e da flora, sujeita a enchentes e alagamentos por encontrar-se abaixo da cota de inundação do Guaíba. A zona serve como espaço de extravasamento natural do Guaíba, importante de ser preservado. O IAB RS reitera a necessidade de atenção máxima por parte dos governantes, sociedade civil, entidades e instituições às questões ambientais e suas relações com a cidade.

Leia Mais →

Na mídia: IAB RS participa de reportagem da Folha de São Paulo sobre reconstrução do RS

A copresidente do IAB RS, Clarice Misoczky de Oliveira, concedeu entrevista para reportagem da Folha de São Paulo. O ponto central foi a reconstrução do RS. “A questão habitacional é mais dramática. Há municípios no Vale do Taquari, como Muçum e Roca Sales, que se desenvolveram em áreas de encostas. Cidades como Santa Tereza em que parte das casas estão em áreas de inundações. Precisamos construir com segurança”, disse.

Leia Mais →

MANIFESTO IAB RS PARA A RECONSTRUÇÃO DO RS

Considerando a enorme tragédia causada pelos efeitos da crise climática e pelo descaso do poder público com o planejamento urbano e regional sustentável na promoção de cidades justas, igualitárias e ecologicamente  equilibradas, a Comissão Cidades/IAB RS, por meio deste, manifesta a necessidade de atenção às questões referentes às diferentes escalas de planejamento, arquitetura e urbanismo para reconstrução das cidades do Rio Grande do Sul, aqui agrupadas em dois grandes grupos: (A) Planejamento Urbano e Regional e (B) Moradia Digna.

Leia Mais →

Outras Notícias

COMUNICADO DO IAB RS SOBRE O ESTADO DE CALAMIDADE CLIMÁTICA

O momento é grave e compreendemos que enquanto Instituto temos um trabalho de articulação de impacto a médio prazo, sendo provocadas e estruturadas redes que auxiliem nas questões habitacionais e de reestruturação das cidades, com projetos que considerem os riscos e impactos que os eventos climáticos tem gerado em nossas cidades, de modo mais frequente e de maior intensidade. Compreendendo a sensibilidade das questões ambientais, com a natureza impondo seus limites, frente às ocupações urbanas.

Leia Mais →