Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

Instrumentos de desenho de Milton Mattos são doados ao Centro de Memória do IAB RS

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
O Centro de Memória do IAB RS foi presenteado com uma rica coleção de instrumentos de desenho que pertenceram à Milton Mattos, arquiteto, urbanista, ator e ativista cultural de grande importância na capital gaúcha, falecido em 19 de maio de 2020.

“Não conseguimos deixar de ver como um ato de afeto a prática de guardar e utilizar os mesmos instrumentos por décadas, como fez o arquiteto Milton Mattos, seguido pela doação dos estojos feita pela jornalista Ivette Brandalise, sua companheira de vida”, destaca a Dra. Jeniffer Cuty, professora do curso de graduação em Museologia da UFRGS, também coordenadora do projeto de extensão Acervos IAB RS.
 


Em dezembro de 2020, ela e o arquivista Fernando Ferreira foram à casa de Ivette Brandalise para receberem a doação dos estojos e de outros objetos que comporiam – a partir dali – a coleção Milton Mattos. Eles ainda acolheram ao acervo a mesa de desenho, a cadeira e a luminária de Milton Mattos e alguns desenhos em papel manteiga.

A partir daí, as doações se tornaram objetos de estudos gerando um Dossiê de Pesquisa Museológica da disciplina homônima, no semestre 2020-2. São autoras deste trabalho as estudantes de Museologia da UFRGS Carla Borges Mussoline, Elisângela Silveira de Assumpção, Luiza Barth Klingenberg Noal, Maila Morais Mattos e Victória Lima Hornos.

 


Após consulta aos elementos de descrição de acervo do Inventário Nacional dos Bens Culturais Musealizados (INBCM) e de repositórios com coleções similares, foi desenvolvida uma ficha que apresenta quatorze campos descritivos de informação. A Coleção Milton Mattos é composta pelos seguintes itens: (1) estojo em plástico de canetas para nanquim da marca Castell TG, (2) estojo metálico de planímetro polar (Empresa Hope), (3) estojo de compassos, forrado em veludo (Empresa Kern), (4) estojo em madeira para normógrafo e réguas (Empresa Rosenhain e, dos normógrafos, Hope), (5) hachurador, bem como alguns escalímetros (régua escala), um nível, um prumo, outros normógrafos e alguns desenhos em papel manteiga.

 


“Os estudos de Pesquisa Museológica realizados com a Coleção Milton Mattos se tornam agora referências para o trabalho com outras coleções que integram ou que virão a integrar os acervos da instituição”, informa a professora Jeniffer Cuty, que também é arquiteta e urbanista.

Para o presidente do IAB RS, Rafael Passos, o Centro de Memória vai organizar e preservar os seus acervos arquivístico, bibliográfico e museológico, como suportes de memória da trajetória do instituto e da profissão. “Queremos valorizar e fortalecer as áreas da arquitetura e do urbanismo junto à sociedade, bem como os profissionais que dela fazem parte, como um campo plural e democrático”, complementa o presidente.

A direção do Centro de Memória do IAB RS é formada pela diretora Márcia Bertotto, a vice-diretora executiva Tamáris Pivatto e a vice-diretora técnica Camila Casarotto.

Com a aquisição e instalação de mobiliário adequado no Solar Conde de Porto Alegre, já disposto nas duas salas dos acervos e projetados com todos os critérios de conservação e acessibilidade, nos próximos anos será possível avançar na catalogação e na classificação de coleções de livros e, enfim, disponibilizá-las a pesquisadores e à comunidade.

Saiba mais: Milton Mattos foi autor de diversos projetos arquitetônicos no Rio Grande do Sul, entre eles se destaca a residência de Xico Stockinger. Como ator atuou no curta-metragem "Tomou café´ e esperou" e, depois, para na série "Horizonte B". Em 1958 ele foi um dos fundadores da casa de espetáculos Teatro de Equipe que reuniu não apenas a classe teatral, como também o pessoal das artes plásticas, da música, arquitetos e intelectuais.

IAB - RS

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

Nota pública: Suspensão da urbanização da Fazenda do Arado

A fazenda do Arado é patrimônio ambiental, arqueológico, histórico, cultural, arquitetônico e paisagístico de Porto Alegre, constituindo-se de uma zona primordial para manutenção de espécies da fauna e da flora, sujeita a enchentes e alagamentos por encontrar-se abaixo da cota de inundação do Guaíba. A zona serve como espaço de extravasamento natural do Guaíba, importante de ser preservado. O IAB RS reitera a necessidade de atenção máxima por parte dos governantes, sociedade civil, entidades e instituições às questões ambientais e suas relações com a cidade.

Leia Mais →

Na mídia: IAB RS participa de reportagem da Folha de São Paulo sobre reconstrução do RS

A copresidente do IAB RS, Clarice Misoczky de Oliveira, concedeu entrevista para reportagem da Folha de São Paulo. O ponto central foi a reconstrução do RS. “A questão habitacional é mais dramática. Há municípios no Vale do Taquari, como Muçum e Roca Sales, que se desenvolveram em áreas de encostas. Cidades como Santa Tereza em que parte das casas estão em áreas de inundações. Precisamos construir com segurança”, disse.

Leia Mais →

MANIFESTO IAB RS PARA A RECONSTRUÇÃO DO RS

Considerando a enorme tragédia causada pelos efeitos da crise climática e pelo descaso do poder público com o planejamento urbano e regional sustentável na promoção de cidades justas, igualitárias e ecologicamente  equilibradas, a Comissão Cidades/IAB RS, por meio deste, manifesta a necessidade de atenção às questões referentes às diferentes escalas de planejamento, arquitetura e urbanismo para reconstrução das cidades do Rio Grande do Sul, aqui agrupadas em dois grandes grupos: (A) Planejamento Urbano e Regional e (B) Moradia Digna.

Leia Mais →

Outras Notícias

COMUNICADO DO IAB RS SOBRE O ESTADO DE CALAMIDADE CLIMÁTICA

O momento é grave e compreendemos que enquanto Instituto temos um trabalho de articulação de impacto a médio prazo, sendo provocadas e estruturadas redes que auxiliem nas questões habitacionais e de reestruturação das cidades, com projetos que considerem os riscos e impactos que os eventos climáticos tem gerado em nossas cidades, de modo mais frequente e de maior intensidade. Compreendendo a sensibilidade das questões ambientais, com a natureza impondo seus limites, frente às ocupações urbanas.

Leia Mais →