Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

Levantamento acústico do edifício Edel Trade Center

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

O dia 8/fev/2000 foi realizada uma visita às Salas 1001 e 1002 do Edifício Edel Trade Center – Porto Alegre – com o intuito de minimizar o nível sonoro existente. O nível sonoro detectado é o resultado da presença próxima de uma torre de arrefecimento e bombas do sistema de ar condicionado. Como resultado do levantamento acústico foi detectado que os níveis sonoros em diferentes pontos não apresentam variações significativas; assim sendo, foi considerado o valor global igual a 60,9 dB(A) – média aritmética de níveis sonoros em oito pontos – como o valor de referência. Também, foi realizado levantamento por freqüência, (centro de oitava); estes valores apresentam-se sobrepostos à gráfica da Norma Técnica 10152 do IBNT, em apenso. (A citada Norma apresenta, para cada atividade dois valores: o primeiro é o nível sonoro para conforto, o segundo, é um nível sonoro aceitável para a finalidade; este critério é aplicado tanto para valores globais quanto para as “curvas NC”).
Esses valores são:
Salas de Reunião: 30 a 40 dB(A)
Salas de Gerência: 35 a 45 dB(A)
Salas de Administração: 35 a 45 dB(A)
Salas de “Mecanografia”: 50 a 60 dB(A)
A Norma, apresenta, também, “curvas NC” que não deverão ser ultrapassadas:
Salas de Reunião: NC 25 a 35
Salas de Gerência: NC 30 a 40
Salas de Administração: NC 30 a 40
Salas de “Mecanografia”: NC 45 a 55
Observa-se que os valores registrados ultrapassam os máximos admissíveis, sejam estes “de conforto” ou “aceitáveis”. Assim sendo foram realizadas as seguintes orientações: 1. Instalação de forro de gesso cartonado duplo (duas chapas) na totalidade do local; 2. Os locais mais sensíveis poderão ser protegidos com mas uma camada de gesso cartonado; 3. Sugere-se manter o forro existente, fechando os pontos de instalação de luminárias, bocas de ar condicionado, etc., assim como, evitar os “negativos” desse forro. 4. Por em cima do forro será colocada uma manta de lã de vidro ou de rocha de 5cm de espessura e de uma densidade aparente igual ou maior a 30 kg/m3. 5. As paredes que conformam a caixa da escada e do duto vertical próximo ao banheiro, deverão ser protegidos com uma parede simples de gesso cartonado. Sugere-se, também, a instalação de uma porta na chegada da escada no pavimento. 6. Todos aqueles elementos (luminárias, saídas ou retornos do ar condicionado, etc.) embutidos no forro, deverão ser protegidos por uma camada de igual espessura que a do forro. 7. Os locais mais sensíveis deverão estar localizados perto das áreas perimetrais. 8. A “decoração” deverá providenciar soluções com materiais de por si, absorvedores acústicos: forração com feltro por embaixo, cortinas “espessas”, cadeiras e poltronas “macias”, etc. 9. Aconselha-se a instalação de “Música Ambiental” com clara inclinação paras freqüências médias e baixas. A previsão é a de atingir o valor global de 48,5 dB(A) no ponto mais crítico.

IAB - RS

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

Documentário “Vozes da arquitetura Porto Alegrense” encerra programação de aniversário do IAB RS

O último dia da programação especial que comemorou os 76 anos do IAB RS foi marcado pela exibição do documentário “Vozes da Arquitetura Porto Alegrense”. O filme, produzido pela entidade com apoio institucional do CAU/RS, reuniu depoimentos de 19 profissionais, que falaram sobre a profissão e suas percepções envolvendo aspectos como criatividade, coletividade e outros significados. Além da exibição, foram anunciados dois editais de cultura. 

Leia Mais →

NOTA PÚBLICA

As entidades Associação dos Técnicos de Nível Superior de Porto Alegre (Astec), Instituto de Arquitetos do Brasil – Depto Rio Grande do Sul (IAB RS), Instituto Brasileiro de Direito Urbanístico (IBDU), ONG Acesso Cidadania e Direitos Humanos e Sociedade de Economia do Rio Grande do Sul (SOCECON) entraram com ação ordinária a fim de denunciar irregularidades identificadas no edital e processo eleitoral do Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano e Ambiental – Biênio 2024/2025. 

Leia Mais →

Desafios do planejamento urbano e gestão em Porto Alegre foram temas de debate no IAB RS

A relação envolvendo o setor imobiliário e a administração pública na Capital, bem como os desdobramentos da revisão do Plano Diretor e as eleições para o Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano e Ambiental (CMDUA), foram alguns dos tópicos abordados no debate “Planejamento Urbano e Gestão: desafios atuais e perspectivas futuras para Porto Alegre”, que ocorreu no dia 28 de março na sede do IAB RS, em Porto Alegre.

Leia Mais →

Outras Notícias

Arquiteta Enilda Ribeiro é homenageada em evento do IAB RS

Para comemorar os 76 anos do Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento Rio Grande do Sul (IAB RS), a entidade planejou uma série com três eventos especiais para debater a profissão, relembrar a história e preservar memórias. Na primeira atividade, a palestra “Acervos em arquitetura e urbanismo – homenagem a Enilda Ribeiro” promoveu o encontro entre o professor da FAUUSP e coordenador da biblioteca da FAUUSP, Eduardo Costa; o membro do conselho consultivo do Centro de Memória CAU/RS, José Daniel Simões; e a copresidente do IAB RS e responsável pelo projeto documental, Bruna Tavares. 

Leia Mais →

IAB RS participa do painel RS Seguro COMunidade no South Summit

A copresidente Clarice Oliveira falou sobre a importância dos Concursos Públicos de Projeto e dos processos participativos que o IAB RS vem implantando junto ao governo do Estado. Durante sua fala, destacou que “o IAB RS desenvolve concursos de projeto urbanístico integrai que tem como um pilar muito importante a participação da comunidade no processo inicial de elaboração do programa de necessidades, que vai constituir as bases do concurso público de projetos”.

Leia Mais →

Arquiteta Enilda Ribeiro é destaque na coluna Almanaque, da Zero Hora

Enilda foi uma das primeiras mulheres a ser diplomada no curso específico em Arquitetura no Rio Grande do Sul. Além e ter lutado pela criação do curso superior de graduação na URFGS, foi presidente do IAB/RS entre 1980 e 1981. “Eu gostaria muito de ter conversado, em algum momento, com ela sobre os desafios que foram enfrentados, tanto no IAB-RS quanto em nível nacional, onde ela articulou a construção de ideias e diretrizes para a formação de um conselho próprio de arquitetura e urbanismo”, declarou a co-presidente do IAB/RS, Bruna Tavares.

Leia Mais →