Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

“Não vejo vantagem no RDC”, diz Ícaro Moreno

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Há nove anos à frente da Empresa de Obras Públicas do Estado do Rio de Janeiro (EMOP), Ícaro Moreno conhece bem as dificuldades de se licitar uma obra no país. Além de enfrentar a burocracia, o engenheiro civil explica que muitas vezes é preciso dedicar tempo para explicar o processo do trabalho técnico do engenheiro e do arquiteto aos órgãos de controle e procuradoria. Para agilizar as licitações públicas, o Poder Executivo criou o Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC), mas a nova modalidade não é uma alternativa viável na avaliação de Moreno. O IAB conversou com o presidente da EMOP sobre o RDC e a possibilidade de ampliação da modalidade para as obras de mobilidade, de infraestrutura logística e de sistemas públicos de ensino, pesquisa, ciência e tecnologia. Confira abaixo.

Instituto de Arquitetos do Brasil: O RDC é vantajoso?
Ícaro Moreno: Não vejo vantagem no RDC. Esta modalidade foge completamente à estrutura de governo. Há uma divisão de águas muito clara: a iniciativa privada tem o lucro como foco, enquanto o poder público visa ao bem-estar da sociedade. Então, quem deve dominar e controlar o projeto é o poder público. Não é uma licitação que vai garantir uma assertiva no projeto, principalmente no que se refere aos princípios públicos e princípios de governo. O projeto não é algo que nasce. Ele é fruto de um trabalho que amadurece ao longo do processo. Então, sou completamente contra a contratação de obras via RDC. A flexibilização da licitação não vai levar, como alguns estão pensando, a um melhor valor de preço, de prazo e de velocidade. Vão existir muitos problemas ao longo do caminho, e o custo, certamente, será muito maior.
IAB: Existe alguma alternativa para acelerar o processo de licitação, sem prejudicar o controle e os princípios públicos?
IM: O modelo que a gente tem, a Lei 8.666/93, precisa sofrer alguns ajustes. Não há dúvidas sobre isso. Porém, precisamos preservar o fluxo de como licitamos uma obra, com o projeto antevendo a licitação. Quando falo em projeto, falo no sentido amplo da palavra, não me refiro apenas ao projeto de arquitetura, mas também planejamento e orçamento. Todo esse conjunto apresenta uma ideia de separação. Esse sentimento de partilha tem que mudar. O projeto precisa ser integrado, com planejamento, detalhamento arquitetônico e indicação de como colocar a obra de pé. O planejamento serve para sabermos como se levantar a obra. Depois, orça-se o trabalho para que a construção tenha sustentabilidade e seja um projeto exequível. A ideia de fragmentação do projeto precisa mudar. Os órgãos estão partidos também. Porém, essa junção do projeto não pode acontecer na iniciativa privada. Ela deve acontecer aqui dentro, no Estado.
IAB: A EMOP está reformulando seus processos de licitação. Quais são essas mudanças?
IM: Várias vezes tentei olhar esse “produto” como um todo, mas não consegui com diferentes diretorias pensando em separado. Na EMOP, acabamos com duas diretorias e criamos uma de gerenciamento de projeto. Assim, conseguimos juntar as pessoas em equipes, que vão levar o trabalho do início ao fim. A gente mudou também as nossas licitações, que passaram a contar com termos de referências mais completos. A partir daí é licitado o projeto e, em seguida, a obra. Do ponto de vista do trabalho, a obra representa 20% do produto. A elaboração do projeto e a definição do orçamento respondem por 80%. Vamos também colocar em nossas licitações uma verba para o pagamento do as building. Isso quer dizer que o vencedor da licitação será obrigado a contratar o arquiteto responsável pelo projeto para garantir que a obra seja feita conforme planejado.
IAB: A presidente Dilma Rousseff tem até o dia 19 para sancionar ou vetar os enxertos na Medida Provisória 678/2015, que amplia o RDC para as obras de mobilidade, de infraestrutura logística e de sistemas públicos de ensino, pesquisa, ciência e tecnologia. Qual é a sua avaliação sobre essa constante ampliação do RDC?
IM: O RDC foi criado para resolver um problema, as obras da Copa do Mundo de 2014. A questão é que a exceção avançou e hoje está virando regra. Se o RDC fosse solução para as licitações públicas, tinha-se feito isso antes. A Petrobras, por exemplo, possui um regime diferenciado de contratação. Até entendo que a Petrobras tenha flexibilidade em suas licitações porque a estatal disputa com outras empresas o mesmo produto. Porém, quando se trata do poder público, é diferente.
IAB: Faltou discussão ao criar o RDC?
IM: Acho que faltou discussão, sim. Pelo que soube, aconteceram algumas discussões sobre questões jurídicas e empresariais, mas faltou debate na área técnica, com engenheiros e arquitetos. Estou aberto a novas mudanças tecnológicas, a novos tipos de gestão e a novas mudanças que possibilitem aumentar a velocidade das licitações. Porém, os princípios do Estado não são terceirizáveis. O Estado deve preservar o seu papel de coordenador e fiscalizador. Penso que, na forma como foi colocado o RDC, o Estado sai completamente do processo. Como já expliquei, a natureza do projeto é amadurecida. Quando você dá o preço antes, o processo fica enviesado.

IAB - RS

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

Documentário “Vozes da arquitetura Porto Alegrense” encerra programação de aniversário do IAB RS

O último dia da programação especial que comemorou os 76 anos do IAB RS foi marcado pela exibição do documentário “Vozes da Arquitetura Porto Alegrense”. O filme, produzido pela entidade com apoio institucional do CAU/RS, reuniu depoimentos de 19 profissionais, que falaram sobre a profissão e suas percepções envolvendo aspectos como criatividade, coletividade e outros significados. Além da exibição, foram anunciados dois editais de cultura. 

Leia Mais →

NOTA PÚBLICA

As entidades Associação dos Técnicos de Nível Superior de Porto Alegre (Astec), Instituto de Arquitetos do Brasil – Depto Rio Grande do Sul (IAB RS), Instituto Brasileiro de Direito Urbanístico (IBDU), ONG Acesso Cidadania e Direitos Humanos e Sociedade de Economia do Rio Grande do Sul (SOCECON) entraram com ação ordinária a fim de denunciar irregularidades identificadas no edital e processo eleitoral do Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano e Ambiental – Biênio 2024/2025. 

Leia Mais →

Desafios do planejamento urbano e gestão em Porto Alegre foram temas de debate no IAB RS

A relação envolvendo o setor imobiliário e a administração pública na Capital, bem como os desdobramentos da revisão do Plano Diretor e as eleições para o Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano e Ambiental (CMDUA), foram alguns dos tópicos abordados no debate “Planejamento Urbano e Gestão: desafios atuais e perspectivas futuras para Porto Alegre”, que ocorreu no dia 28 de março na sede do IAB RS, em Porto Alegre.

Leia Mais →

Outras Notícias

Arquiteta Enilda Ribeiro é homenageada em evento do IAB RS

Para comemorar os 76 anos do Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento Rio Grande do Sul (IAB RS), a entidade planejou uma série com três eventos especiais para debater a profissão, relembrar a história e preservar memórias. Na primeira atividade, a palestra “Acervos em arquitetura e urbanismo – homenagem a Enilda Ribeiro” promoveu o encontro entre o professor da FAUUSP e coordenador da biblioteca da FAUUSP, Eduardo Costa; o membro do conselho consultivo do Centro de Memória CAU/RS, José Daniel Simões; e a copresidente do IAB RS e responsável pelo projeto documental, Bruna Tavares. 

Leia Mais →

IAB RS participa do painel RS Seguro COMunidade no South Summit

A copresidente Clarice Oliveira falou sobre a importância dos Concursos Públicos de Projeto e dos processos participativos que o IAB RS vem implantando junto ao governo do Estado. Durante sua fala, destacou que “o IAB RS desenvolve concursos de projeto urbanístico integrai que tem como um pilar muito importante a participação da comunidade no processo inicial de elaboração do programa de necessidades, que vai constituir as bases do concurso público de projetos”.

Leia Mais →

Arquiteta Enilda Ribeiro é destaque na coluna Almanaque, da Zero Hora

Enilda foi uma das primeiras mulheres a ser diplomada no curso específico em Arquitetura no Rio Grande do Sul. Além e ter lutado pela criação do curso superior de graduação na URFGS, foi presidente do IAB/RS entre 1980 e 1981. “Eu gostaria muito de ter conversado, em algum momento, com ela sobre os desafios que foram enfrentados, tanto no IAB-RS quanto em nível nacional, onde ela articulou a construção de ideias e diretrizes para a formação de um conselho próprio de arquitetura e urbanismo”, declarou a co-presidente do IAB/RS, Bruna Tavares.

Leia Mais →