Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

Os dois Estatutos da Cidade

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

O Estado do Rio Grande do Sul aprovou, em 23 de março de 1994, a Lei nº 10.116, que instituiu a Lei do Desenvolvimento Urbano. A Lei dispõe sobre os critérios e requisitos mínimos para a definição e delimitação de áreas urbanas e de expansão urbana, assim como sobre as diretrizes e normas gerais de parcelamento do solo para fins urbanos. Dispõe, ainda, sobre a elaboração de planos e de diretrizes gerais de ocupação do território pelos municípios. Trata-se, noutros termos, do “Estatuto da Cidade” do Estado do Rio Grande do Sul. A iniciativa foi do então Deputado Estadual Guilherme Socias Vilela, tendo adotado como estrutura básica para o Projeto de Lei a proposta do Senador Pompeu de Souza do Distrito Federal, que, anteriormente, em 1989, apresentou no Senado Federal o Projeto de Lei denominado “Estatuto da Cidade”. Na Assembléia Legislativa do Estado, diversas Comissões e Grupos de Trabalho colaboraram nos planos político e técnico para o aprimoramento e adequação à realidade do Rio Grande do Sul. No Congresso Nacional, tanto no Senado, como na Câmara dos Deputados, a tramitação do Projeto de Lei do “Estatuto da Cidade” prolongou-se por muito mais tempo e em sucessivas legislaturas a matéria não chegou a ser votada, sendo necessária a reapresentação nas seguintes. Finalmente, em 10 de julho de 2001, o “Estatuto da Cidade” da União foi aprovado como Lei Federal nº 10.257. Desta forma, no Estado do Rio Grande do Sul, os Municípios devem cumprir as duas leis, ou, noutras palavras, os dois “Estatutos da Cidade”. A Lei Federal estabeleceu o prazo de outubro de 2006 para todos os Municípios com mais de 20 mil habitantes aprovarem seus Planos Diretores. Tal determinação efetivamente pressupõe um enorme esforço para que as novas Administrações Municipais, que iniciaram suas gestões em janeiro deste ano de 2005, tomem a iniciativa de promover o competente processo de elaboração e aprovação dos respectivos Planos Diretores. Tais leis municipais devem estabelecer normas de ordem pública e interesse social, que regulem o uso da propriedade urbana em prol do bem coletivo, da segurança e do bem-estar dos cidadãos e o equilíbrio ambiental, como disciplina o parágrafo único do artigo 1º do “Estatuto da Cidade” da União.
Por mais incrível que pareça, a Lei Estadual do Desenvolvimento do Rio Grande do Sul, estabeleceu em 1994, no artigo 2º, o prazo de dois anos para os Executivos Municipais submeterem às respectivas Câmaras de Vereadores projetos de lei instituindo: 1) o sistema de planejamento urbano; 2) o plano diretor ou as diretrizes gerais de ocupação do território; 3) o programa prioritário de obras do município, e, 4) as formas de participação comunitária e popular. E mais, determinou que todos os Municípios do Estado do Rio Grande do Sul e não somente os que tinham mais de 20 mil habitantes, como estabelece a Constituição Federal, deveriam naquele prazo legal legislar sobre as diretrizes gerais de ocupação do território. Logo, todos os Municípios já deveriam dispor de leis urbanísticas de planejamento e de implementação do processo ordenado de ocupação do território municipal.
A Lei Estadual estabeleceu exigências e penalidades para o cumprimento, pelos Municípios, para a aprovação das leis dos planos diretores e dos planos de diretrizes gerais de ocupação dos respectivos territórios. Não se tem notícia de que algum município rio-grandense tenha sido penalizado por não ter aprovado suas leis urbanísticas, a partir de 1996. A Lei Estadual pode ser considerada praticamente sem efeito. É mais uma lei que não está “pegando”, como se diz no Brasil.
E será que vai “pegar” a Lei Federal do “Estatuto da Cidade”, que fixou o prazo de cinco anos e, portanto, outubro de 2006 para os Municípios de mais de 20 mil habitantes aprovarem os seus planos diretores?
Arq. José Albano Volkmer
Presidente do IAB-RS

IAB - RS

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

Documentário “Vozes da arquitetura Porto Alegrense” encerra programação de aniversário do IAB RS

O último dia da programação especial que comemorou os 76 anos do IAB RS foi marcado pela exibição do documentário “Vozes da Arquitetura Porto Alegrense”. O filme, produzido pela entidade com apoio institucional do CAU/RS, reuniu depoimentos de 19 profissionais, que falaram sobre a profissão e suas percepções envolvendo aspectos como criatividade, coletividade e outros significados. Além da exibição, foram anunciados dois editais de cultura. 

Leia Mais →

NOTA PÚBLICA

As entidades Associação dos Técnicos de Nível Superior de Porto Alegre (Astec), Instituto de Arquitetos do Brasil – Depto Rio Grande do Sul (IAB RS), Instituto Brasileiro de Direito Urbanístico (IBDU), ONG Acesso Cidadania e Direitos Humanos e Sociedade de Economia do Rio Grande do Sul (SOCECON) entraram com ação ordinária a fim de denunciar irregularidades identificadas no edital e processo eleitoral do Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano e Ambiental – Biênio 2024/2025. 

Leia Mais →

Desafios do planejamento urbano e gestão em Porto Alegre foram temas de debate no IAB RS

A relação envolvendo o setor imobiliário e a administração pública na Capital, bem como os desdobramentos da revisão do Plano Diretor e as eleições para o Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano e Ambiental (CMDUA), foram alguns dos tópicos abordados no debate “Planejamento Urbano e Gestão: desafios atuais e perspectivas futuras para Porto Alegre”, que ocorreu no dia 28 de março na sede do IAB RS, em Porto Alegre.

Leia Mais →

Outras Notícias

Arquiteta Enilda Ribeiro é homenageada em evento do IAB RS

Para comemorar os 76 anos do Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento Rio Grande do Sul (IAB RS), a entidade planejou uma série com três eventos especiais para debater a profissão, relembrar a história e preservar memórias. Na primeira atividade, a palestra “Acervos em arquitetura e urbanismo – homenagem a Enilda Ribeiro” promoveu o encontro entre o professor da FAUUSP e coordenador da biblioteca da FAUUSP, Eduardo Costa; o membro do conselho consultivo do Centro de Memória CAU/RS, José Daniel Simões; e a copresidente do IAB RS e responsável pelo projeto documental, Bruna Tavares. 

Leia Mais →

IAB RS participa do painel RS Seguro COMunidade no South Summit

A copresidente Clarice Oliveira falou sobre a importância dos Concursos Públicos de Projeto e dos processos participativos que o IAB RS vem implantando junto ao governo do Estado. Durante sua fala, destacou que “o IAB RS desenvolve concursos de projeto urbanístico integrai que tem como um pilar muito importante a participação da comunidade no processo inicial de elaboração do programa de necessidades, que vai constituir as bases do concurso público de projetos”.

Leia Mais →

Arquiteta Enilda Ribeiro é destaque na coluna Almanaque, da Zero Hora

Enilda foi uma das primeiras mulheres a ser diplomada no curso específico em Arquitetura no Rio Grande do Sul. Além e ter lutado pela criação do curso superior de graduação na URFGS, foi presidente do IAB/RS entre 1980 e 1981. “Eu gostaria muito de ter conversado, em algum momento, com ela sobre os desafios que foram enfrentados, tanto no IAB-RS quanto em nível nacional, onde ela articulou a construção de ideias e diretrizes para a formação de um conselho próprio de arquitetura e urbanismo”, declarou a co-presidente do IAB/RS, Bruna Tavares.

Leia Mais →