Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

Relato – Comissão de Revisão do Código de Edificações

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

ref: histórico e resumo dos trabalhos já efetuados. A partir do ano de 2002, ainda na Administração do Prefeito Raul Pont, as entidades ligadas a área da Arquitetura e Engenharia Civil, em especial o IAB/RS, SAERGS, ASBEA, SERGS, SENGE e SINDUSCON, tendo em vista a demora excessiva para se aprovar um projeto arquitetônico e a vigência do novo Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano e Ambiental, L.C. 343/99 e as várias contradições entre este e o Código de Edificações, L.C. 284/92, passaram a pressionar a administração municipal para proceder uma revisão no dito código. Fruto desta ação, ja sob o mandato do Prefeito Tarso Genro estabeleceu-se a data de 30/08/2001 para a realização de um seminário cuja pauta seria: Diretrizes Para a Revisão do Código de Edificações. O Seminário foi realizado na data aprazada no auditório da AMRGS com a participação do Prefeito, Vice Prefeito, Secretário da Smov, Câmara Municipal, Procuradoria Geral do Município e Entidades Promotoras, alem da presença dos Técnicos da SMOV e SPM. Concluidos os trabalhos chegou-se a constatação que a causa do problema do tempo de aprovação dos projetos arquitetônicos resultavam de duas vertentes: 1ª – do Código de Edificações ultrapassado, por demais detelhista,paternalista, retirando do autor do projeto a sua ligítima responsabilidade, devendo portanto ser o mesmo revisado e alterado; 2ª – deveria, igualmente, ser revisado e alterado o roteiro de tramitação e procedimentos administrativos que o processo de aprovação de projeto cumpria até o seu despacho, trabalho este que a SMOV e SPM ja estavam realizando (REDESENHO), estando o mesmo na fase de diagnóstico do roteiro atual e com previsão para sua implantação total até meados de 2003. Para a revisão do C.E. foi então criada a Comissão de Revisão do Código de Edificações – CRCE com participação pela PMPA das Secretarias de Obras e Viação, do Planejamento, do Meio Ambiente e Procuradoria Geral do Município e pelas entidades representadas pelo IAB/RS, SAERGS, ASBEA, SERGS, SENGE/RS e SINDUSCON, vindo mais tarde a participar a Comissão de acessibilidade.
A primeira reunião foi realizada em 11/10/2001, na qual foi elaborado e aprovado o Regimento Interno da CRCE e estabelecido que as reuniões seriam, a partir desta, bimensais. Desde então já foram realizadas 20 reuniões nas quais foram analisados e revisados os Títulos I ao IX do atual C.E. que trata dos seguintes assuntos:
I – Objetivo do Código de Edificações;
II – Definições, Siglas e Abreviaturas;
III – Classificações das Edificações;
IV – Responsabilidades;
V – Normas Administrativas;
VI – Obrigações a Serem Cumpridas Durante a Execução das Obras;
VII – Condições Gerais Relativas ao Terreno;
VIII – Materiais e Elementos da Construção;
IX – Circulações.
Em 21/08/2002, 19ª Reunião, de comum acordo, combinou-se um lapso de 21 dias para fazer-se uma retrospectiva e analisar se os rumos que estavam tomando os trabalhos atendiam os objetivos iniciais propostos. Chegou-se a conclusão que a revisão muito pouco estava avançando em termos de simplificação. Surgiu então a proposta, aceita por unanimidade, que a revisão do código seguiria normalmente e que resultaria numa estrutura completa do mesmo, mas que, através de Decreto Regulamentar, seriam destacados os artigos referentes as matérias mais importantes visando manter os níveis mínimos de qualidade nas edeficações, que é o objetivo básico do C.E., os quais a SALP/SMOV irá revisar na aprovação do prjeto e que a SVP/SMOV irá cobrar quando da vistoria da obra executada, ficando a observância do restante da matéria do C.E. sob inteira responsabilidade dos técnicos executantes dos projetos e da obra.
Arq. José Carlos P. da Rosa
Comissão de Revisão do Código de Edificações Porto Alegre, 17 de setembro de 2002

IAB - RS

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

Na mídia: IAB RS participa de reportagem da Folha de São Paulo sobre reconstrução do RS

A copresidente do IAB RS, Clarice Misoczky de Oliveira, concedeu entrevista para reportagem da Folha de São Paulo. O ponto central foi a reconstrução do RS. “A questão habitacional é mais dramática. Há municípios no Vale do Taquari, como Muçum e Roca Sales, que se desenvolveram em áreas de encostas. Cidades como Santa Tereza em que parte das casas estão em áreas de inundações. Precisamos construir com segurança”, disse.

Leia Mais →

MANIFESTO IAB RS PARA A RECONSTRUÇÃO DO RS

Considerando a enorme tragédia causada pelos efeitos da crise climática e pelo descaso do poder público com o planejamento urbano e regional sustentável na promoção de cidades justas, igualitárias e ecologicamente  equilibradas, a Comissão Cidades/IAB RS, por meio deste, manifesta a necessidade de atenção às questões referentes às diferentes escalas de planejamento, arquitetura e urbanismo para reconstrução das cidades do Rio Grande do Sul, aqui agrupadas em dois grandes grupos: (A) Planejamento Urbano e Regional e (B) Moradia Digna.

Leia Mais →

Outras Notícias

COMUNICADO DO IAB RS SOBRE O ESTADO DE CALAMIDADE CLIMÁTICA

O momento é grave e compreendemos que enquanto Instituto temos um trabalho de articulação de impacto a médio prazo, sendo provocadas e estruturadas redes que auxiliem nas questões habitacionais e de reestruturação das cidades, com projetos que considerem os riscos e impactos que os eventos climáticos tem gerado em nossas cidades, de modo mais frequente e de maior intensidade. Compreendendo a sensibilidade das questões ambientais, com a natureza impondo seus limites, frente às ocupações urbanas.

Leia Mais →

Nota pública em apoio às familias atingidas pelas enchentes no RS

O IAB-RS manifesta solidariedade às famílias atingidas pelas inundações e enchentes no Rio Grande do Sul. Os eventos de chuvas extremas estão se mostrando uma realidade com recorrência no nosso estado. O momento pede a soma de esforços de todos os setores da sociedade para ajudar aqueles que estão em situação de vulnerabilidade.

Leia Mais →