Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

IAB/RS realiza evento para debater o Plano Diretor de Florianópolis

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

O Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento do Rio Grande do Sul (IAB/RS), promoveu, na noite de quarta-feira (17), um evento para debater o processo de revisão do Plano Diretor de Florianópolis. A proposta da entidade foi conhecer melhor as diretrizes e trocar informações, tendo em vista que diversas cidades brasileiras estão no mesmo momento de revisão de seus planos, incluindo Porto Alegre. A atividade marcou a primeira edição das Quartas no IAB e também o início da nova gestão.

O evento contou com a participação via conferência do presidente do IAB/SC, Gustavo Machado; da presidente do Núcleo Grande Florianópolis do IAB, Zoraia Vargas Guimarães; do Coordenador Estadual do Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas de Santa Catarina (MLB-SC), Wilson Májè; e do doutor em botânica e professor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Paulo Horta. A mediação foi realizada pela arquiteta e docente da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Heleniza Ávila Campos, e a arquiteta Maria Dalila Bohrer.

De acordo com a co-presidente do IAB/RS, Clarice Misoczky Oliveira, “o processo de revisão apresentado no evento de hoje propõe um diálogo com o mesmo trabalho que estamos fazendo hoje na cidade de Porto Alegre, e estabeleceu importantes paralelos. O movimento em Santa Catarina foi muito comentado aqui no Estado, por isso a escolha para promover o encontro de hoje”, disse.

Gustavo Machado salientou a importância da formação de uma rede que possa debater esses processos de revisão. Para o presidente da entidade no estado de SC, arquitetos e urbanistas têm papel fundamental sobre a responsabilidade social e ambiental, por isso a necessidade de reavaliar o plano diretor e seus impactos. “A revisão tem inicio em 2018 a partir da Lei 482/2014, feita de forma muito conturbada, quando finalmente foi instalado o Conselho da Cidade para revisar esse plano. A discussão ocorreu com relativa cordialidade até 2019, mas faltava uma discussão pública com a população”, ressalta. Sua fala vai de encontro à uma observação de Zoraia.

“É imprescindível dialogar sobre o Plano Diretor com a população, no entanto é muito difícil, então se torna complicado fazer com que elas se engajem sobre o tema, aponta.

Para ela, uma forma encontrada de fazer com que o assunto chegasse até as pessoas foi fazer simulações visuais mostrando o impacto que a ausência de uma revisão efetiva do Plano pode causar na cidade. “Essas simulações cumprem o papel de informar, e conseguiram impactar um número razoável de pessoas, alcançando diversos setores, e criando, assim, movimentos”. Zoraia complementa, dizendo que “um plano diretor não pode apagar incêndios e resolver problemas momentâneos, ele precisa ser um trabalho constante”.

Paulo Horta destacou o colapso ambiental observado na Lagoa da Conceição, região bastante conhecida da cidade. Na ocasião, problemas na Estação de Tratamento de Esgoto do local rompeu, causando inundação de ruas e casas, e poluindo a água do entorno. O problema demonstrou a precariedade do sistema de saneamento básico. “É fundamental pensar na relação do meio ambiente com a gestão do território”, afirmou.

Para finalizar o debate, Wilson Májè levantou mais uma vez a importância de envolver a população. “Falamos aqui que é difícil fazer essa ponte com os moradores, mas se torna ainda mais difícil para conseguirmos falar com as comunidades. As pessoas não sabem o impacto que pode ocorrer a longo prazo. Isso vai acontecer especialmente nas áreas montanhosas, onde moram muitos trabalhadores que mantem a ilha, esses efeitos serão sentidos a cada verão com precariedade de saneamento, falta de água e de transporte”, finaliza.

IAB - RS

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

Cerimônia marca o início da construção do Memorial às vítimas da Boate Kiss

O ato foi realizado na manhã do dia 10 de julho, na cidade de Santa Maria, 11 anos após a tragédia. Parentes, amigos, população, entidades e o poder público estiveram presentes no ato, que simbolizou a demolição do prédio que abrigava a boate. O memorial é fruto de um concurso público nacional realizado em 2018 pelo IAB RS e o seu núcleo de Santa Maria, a Prefeitura Municipal de Santa Maria e a Associação dos Familiares das Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria (AVTSM).

Leia Mais →

IAB RS retoma editais de cultura

Após uma pausa por conta das enchentes que assolaram o Rio Grande do Sul, o IAB RS está pronto para a retomada dos editais de cultura. Os contemplados no Edital Galeria Espaço IAB e no Edital de Ocupação Artístico-Cultural serão divulgados na próxima quarta-feira, 10 de julho.

Leia Mais →

Outras Notícias

Exposição “Portugal, 50 anos da Revolução dos Cravos” reabre no IAB RS

Em virtude dos efeitos da crise climática que se abateu sobre Porto Alegre e Rio Grande do Sul, a visitação da exposição “Portugal, 50 anos da Revolução dos Cravos”, inaugurada no dia 25 de abril no IAB RS, foi interrompida. A iniciativa foi reaberta no dia 3 de julho, e segue em cartaz até 31 de julho, com visitação disponível de segunda à sexta, das 10h às 12h, e das 14h30 às 17h30.

Leia Mais →

Nota de falecimento: Emil Bered

Faleceu hoje, 2 de julho, em Porto Alegre, o arquiteto e ex-presidente do IAB RS Emil Bered. As homenagens serão realizadas na capela 3 do Crematório Metropolitano, em Porto Alegre, a partir das 12h, e a cremação será às 17h.

Leia Mais →

IAB relembra manifesto contra A LGBTQIA+fobia

No encerramento do mês do orgulho LGBTQIA+, rememoramos o manifesto lançado há quatro anos pelo Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), elaborado pelos arquitetos Natan Arend, Igor Vetyemy e Luiz Sarmento. O IAB reitera seu firme compromisso com a defesa da diferença, da liberdade e dos direitos da comunidade LGBTQIA+. Em 28 de junho, celebra-se o Dia de Luta contra a LGBTQIA+fobia, data que evoca a Revolta de Stonewall em 1969, marco inicial na resistência contra décadas de opressão e criminalização policial da comunidade LGBTQIA+.

Leia Mais →