Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

Casa inteligente começa a ganhar mercado matéria publicada no Jornal do Comércio de 08/09/03

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

por Karen Viscardi
Jornal do Comércio, 8/9/2003 A elaboração de projetos residenciais deve levar em consideração toda a infra-estrutura que a evolução tecnológica exige. Esta necessidade não se restringe a unidades de alto padrão, em função da democratização de serviços de telecomunicações e da questão da segurança. É o primeiro passo para a chamada “casa inteligente”, com integração de sistemas, utilização de novas tecnologias, combinação de equipamentos e softwares adequados às necessidades dos proprietários, seja através de controle remoto, telefone ou computador. No Rio Grande do Sul, o mercado começa a despertar para esta necessidade. Segundo o representante da Associação Brasileira de Automação Industrial no Estado, Eber Roberto da Silva, “é preciso prever caminhos para a rede de cabeamento, do contrário, será preciso fazer adaptações que terão custo, além do transtorno”. As possibilidades de integração são múltiplas. Na área de segurança, com alarmes, monitoramento, circuito fechado de televisão e controle de acesso. No entretenimento, é possível simplificar operação de home theater, áudio e vídeo distribuídos, televisão por assinatura e controle de iluminação. Para as pessoas que trabalham em casa, a tecnologia reúne acesso a telefonia e redes. Também ar condicionado e aquecimento, portas e cortinas automáticas.
Em Porto Alegre, a Clave, Incorporações e Construções, especializada em projetos de condomínios residenciais de alto padrão, na zona Sul de Porto Alegre, projetou as 21 casas de um condomínio residencial em construção na Zona Sul, com projeto de infra-estrutura para automação residencial.
Neste projeto, os futuros proprietários terão pronta toda a infra-estrutura para automação residencial, utilizando de acordo com as necessidades. Há até a possibilidade de controle de acesso por biometria digital. Neste caso, o proprietário cadastra as impressões digitais no sistema e utiliza de acordo com as necessidades. Exemplos: o dedo polegar pode ser cadastrado para significar autorização de abertura de porta sem chave, o anular pode ser cadastrado para indicar pânico.
Toda a rede de instalação é centralizada num armário. Geralmente localizado numa área central da residência, comanda e reúne todos os cabos de entrada e saída que integram todas as tomadas da casa. O tamanho é variável, numa média de 80 centímetros por 80 centímetros, depende dos equipamentos que irá conter, pois pode agregar ainda modem para ADSL, central telefônica ou alarme.

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

Outras Notícias