Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

IAB-RS lota para discutir A OCUPAÇÃO DA ORLA DO GUAÍBA

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

A Sala Multiuso do Solar do IAB fcou pequena para um público diversificado e atento, que assistiu ao primeiro evento do Ciclo de Debates “Porto Alegre: Desafios Urbanos”, e que participou entusiasmadamente até seu encerramento em hora tardia.

O ciclo de eventos prevê uma série de encontros mensais que reunirão especialistas de áreas diversas no IAB-RS até o mês de Dezembro, conforme a programação publicada neste sítio eletrônico, sempre coordenados por arquitetos de reconhecida atuação em suas áreas de trabalho, e envolvendo debatedores de outras áreas do conhecimento, como Engenharia, Geologia, Direito, Geografia, Sociologia , Economia, Literatura, Artes, Educação, História, Antropologia, procurando abranger a extensa complexidade dos fenômenos urbanos.

No primeiro encontro, os debatedores LUCIANO de FARIA BRASIL (Promotor de Justiça de Habitação e Defesa da Ordem Urbanística, Ministério Público/RS), NANCI BEGNINI GIUGNO (Engenheira e membro da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental) e ELAINE OLIVEIRA dos SANTOS (Geógrafa, integrante do quadro do Departamento de Recursos Hídricos da Secretaria Estadual do Meio Ambiente – SEMA) expuseram considerações preliminares sobre o tema e em seguida responderam a perguntas da assistência.

O debate foi coordenado pelo Presidente do IAB-RS, Arq. Carlos Alberto Sant’Ana. Este abriu o debate apontando que antes de qualquer solução de projeto, a comunidade de Porto Alegre precisa definir um conceito do que deseja como ambiente de sua orla, e para isso é necessário um processo amplo de consulta popular, para que as decisões levem em consideração o desejo dos verdadeiros donos e usuários da orla do Guaíba.

A engenheira e sanitarista Nanci Begnini Giugno apontou para a necessidade de considerar as questões ambientais, o desejo da população e uma metodologia coerente e eficaz de projeto, resultando em um ambiente saudável. Questionou em seu pronunciamento a hesitação histórica dos poderes públicos em investir em saneamento ambiental e a contradição de se permitir atividades poluidoras sem exigir investimentos saneadores ou preventivos.

O promotor Luciano Brasil apontou o papel do Ministério Público na defesa do cumprimento das leis e da Constituição, um instrumento a ser melhor conhecido e usado pela população. Apontou que os projetos e trabalhos técnicos de iniciativa do poder público são bens e investimentos que pertencem em primeiro à população, e que considerando o princípio da economia na administração pública, não cabe serem ignorados ou desconsiderados por gestores sucessivos.

A geógrafa Elaine Oliveira dos Santos apontou a necessidade de se considerar bens ambientais como “Serviços Ambientais” que agregam valor ao longo do tempo, pois a ocupação harmônica, além de permitir ocupação de melhor qualidade para o ser humano, também oferece maior economia a longo prazo. Discorreu, ainda, sobre a necessidade de bem se aproveitar os instrumentos legais de proteção ambiental.

Debatendo “A Ocupação da Orla do Guaíba”, os convidados estabeleceram a necessidade de considerar-se os aspectos científicos, técnicos e legais, de forma a emprestar maior rigor e solidez ao justo pleito da população de Porto Alegre em defesa de seu ambiente. Somente dessa forma será possível evitar que emocionalidade e parcialidade enfraqueçam demandas legítimas.

O ciclo de debates “Porto Alegre: Desafios Urbanos” foi formatado para acolher diversos olhares sobre Porto Alegre e, mais que buscar soluções e encaminhamentos, abrir um amplo diálogo sobre as questões transdisciplinares estruturantes para o desenvolvimento da cidade. A organização do projeto é um mérito especial das arquitetas Flávia Boni Licht e Salma Cafruni.

Abaixo, galeria de fotos do evento.

IAB - RS

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

Nota pública: Suspensão da urbanização da Fazenda do Arado

A fazenda do Arado é patrimônio ambiental, arqueológico, histórico, cultural, arquitetônico e paisagístico de Porto Alegre, constituindo-se de uma zona primordial para manutenção de espécies da fauna e da flora, sujeita a enchentes e alagamentos por encontrar-se abaixo da cota de inundação do Guaíba. A zona serve como espaço de extravasamento natural do Guaíba, importante de ser preservado. O IAB RS reitera a necessidade de atenção máxima por parte dos governantes, sociedade civil, entidades e instituições às questões ambientais e suas relações com a cidade.

Leia Mais →

Na mídia: IAB RS participa de reportagem da Folha de São Paulo sobre reconstrução do RS

A copresidente do IAB RS, Clarice Misoczky de Oliveira, concedeu entrevista para reportagem da Folha de São Paulo. O ponto central foi a reconstrução do RS. “A questão habitacional é mais dramática. Há municípios no Vale do Taquari, como Muçum e Roca Sales, que se desenvolveram em áreas de encostas. Cidades como Santa Tereza em que parte das casas estão em áreas de inundações. Precisamos construir com segurança”, disse.

Leia Mais →

MANIFESTO IAB RS PARA A RECONSTRUÇÃO DO RS

Considerando a enorme tragédia causada pelos efeitos da crise climática e pelo descaso do poder público com o planejamento urbano e regional sustentável na promoção de cidades justas, igualitárias e ecologicamente  equilibradas, a Comissão Cidades/IAB RS, por meio deste, manifesta a necessidade de atenção às questões referentes às diferentes escalas de planejamento, arquitetura e urbanismo para reconstrução das cidades do Rio Grande do Sul, aqui agrupadas em dois grandes grupos: (A) Planejamento Urbano e Regional e (B) Moradia Digna.

Leia Mais →

Outras Notícias

COMUNICADO DO IAB RS SOBRE O ESTADO DE CALAMIDADE CLIMÁTICA

O momento é grave e compreendemos que enquanto Instituto temos um trabalho de articulação de impacto a médio prazo, sendo provocadas e estruturadas redes que auxiliem nas questões habitacionais e de reestruturação das cidades, com projetos que considerem os riscos e impactos que os eventos climáticos tem gerado em nossas cidades, de modo mais frequente e de maior intensidade. Compreendendo a sensibilidade das questões ambientais, com a natureza impondo seus limites, frente às ocupações urbanas.

Leia Mais →