Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

Junho de 2013: entender o passado para enxergar o futuro

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Os desdobramentos das manifestações promovidas no ano de 2013 reverberam ainda hoje em debates e análises acadêmicas, com o intuito de entender as motivações e o impacto no cenário político dos anos quer se seguiram. Esse foi o tema do Seminário Junho de 2013: dez anos depois. Visões sobre o início de um impasse”, idealizado pelo deputado estadual Matheus Gomes e Fundação Lauro Campos e Marielle Franco.

O evento ocorreu no Memorial Luis Carlos Prestes, em Porto Alegre, no dia 1º de julho, e contou com a presença do Luís Gustavo Ruwer, da Federação Anarquista Gaúcha; da coordenadora do SindPRO e militante do PSOL, Vera Guasso; e das copresidentes do Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento Rio Grande do Sul (IAB-RS), Clarice Misoczky e Paula Motta.

Luís Gustavo Ruwer, que é mestrando em Sociologia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), e em sua pesquisa destaca as questões urbanas e temáticas da periferia. Ele destaca que as movimentações, no entanto, tiveram início antes de junho daquele ano. “As lutas pelo direito à cidade e ocupação do espaço público se destacam em 2011 e 2012, numa grande efervescência cultural com diversos movimentos. São as pessoas que frequentavam eventos e estiveram nessas ações que, logo depois, se manifestaram contra o aumento da passagem em 2013”, relembra.

 

Paula Motta, copresidente do IAB-RS, destacou que é preciso vislumbrar a cidade que queremos

Vera Guasso relembrou outros momentos em que esteve presente como cidadã lutando por seus direitos, com destaque para o período da ditadura no início dos anos 1980 e os movimentos que ocorreram no início dos anos 1990 pedindo o impeachment do presidente Fernando Collor de Mello. “Será que a esquerda tem um debate sobre esses dois grandes movimentos?”, questionou, ao falar sobre a importância da memória nas lutas sociais. Sobre 2013, Vera relembra que foi produto de uma série de fatores que foram chegando, e é preciso falar sobre eles. “Quem não compreende o que passou não poderá enxergar o futuro”, afirma.

Nos aspectos que envolvem a cidade e sua ocupação, Clarice Misoczky e Paula Motta falaram em nome do IAB-RS. Clarice destacou a questão dos mega eventos e como eles impactam – e excluem – parcelas da população da Capital, fatos que, no passado, contribuíram significativamente para um processo de ruptura do sistema.

“Porto Alegre, ao receber eventos como a Copa do Mundo e as Olimpíadas, operou na questão do marketing urbano, em que não pode aparecer manifestação ou nada que seja contra. Sobre o transporte, sem um projeto de cidade que priorize o transporte coletivo, se promove uma incidência para essa ruptura”, disse Clarice Misoczky .

Paula Motta, por sua vez, afirma que “a gente precisa vislumbrar a cidade que queremos, para lutarmos dentro dos processos de privatização que nos tiram a oportunidade de viver a cidade e promover lutas sociais”, finaliza.

Por Ricardo Rodrigues – Ortácio Agência de Comunicação / Assessoria de Comunicação IAB RS

IAB - RS

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

COMUNICADO DO IAB RS SOBRE O ESTADO DE CALAMIDADE CLIMÁTICA

O momento é grave e compreendemos que enquanto Instituto temos um trabalho de articulação de impacto a médio prazo, sendo provocadas e estruturadas redes que auxiliem nas questões habitacionais e de reestruturação das cidades, com projetos que considerem os riscos e impactos que os eventos climáticos tem gerado em nossas cidades, de modo mais frequente e de maior intensidade. Compreendendo a sensibilidade das questões ambientais, com a natureza impondo seus limites, frente às ocupações urbanas.

Leia Mais →

Outras Notícias

Nota pública em apoio às familias atingidas pelas enchentes no RS

O IAB-RS manifesta solidariedade às famílias atingidas pelas inundações e enchentes no Rio Grande do Sul. Os eventos de chuvas extremas estão se mostrando uma realidade com recorrência no nosso estado. O momento pede a soma de esforços de todos os setores da sociedade para ajudar aqueles que estão em situação de vulnerabilidade.

Leia Mais →

IAB RS participa da 178ª reunião do COSU

O correu em Aracaju, nos dias 22 e 24 de abril, o 1º Seminário Nacional de Arquitetura e Urbanismo do estado de Sergipe (ArqUrb.SE). Na sequência, entre os dias 25 e 27 de abril, foi realizada a 178ª Reunião do Conselho Superior do IAB (COSU), com abrangência nacional. Os dois eventos foram promovidos pelo Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento Sergipe (IAB-SE) com apoio do IAB Nacional. O IAB RS esteve presente na reunião.

Leia Mais →

Primeira fase da requalificação da Avenida 25 de Julho em Flores da Cunha iniciará em maio

Flores da Cunha de cara nova: a partir do mês de maio, a principal via da cidade – que conecta o município de norte a sul – será requalificada. A iniciativa da administração municipal iniciou ainda em 2021, com o lançamento do Concurso Público Nacional “Avenida 25 de Julho”, realizado em parceria com o IAB RS, e apoio do CAU/RS e da ABAP, e resultou em um novo projeto estético e funcional para a Avenida 25 de Julho. Em função das chuvas, a prefeitura informou que a cerimônia de início da obra, com o lançamento da Pedra Fundamental, foi adiada, e nova data será divulgada em breve.

Leia Mais →

50 anos do retorno da democracia em Portugal e colônias africanas é celebrado com exposição no IAB RS

Em 25 de abril de 1974 Portugal retomava o regime democrático, após um longo período de ditadura iniciada em 1933. A chamada Revolução dos Cravos é relembrada, 50 anos depois, por meio de uma exposição organizada pelo Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento Rio Grande do Sul (IAB RS) e a ADUFRGS Sindical, com apoio do Consulado Português, e curadoria de Airton Cattani e Daniela Fialho, que colecionou 47 cartazes de manifestações distribuídos nas ruas no período da revolução. A exposição segue aberta no Solar do IAB (Rua General Canabarro 363, Centro Histórico, em Porto Alegre), com visitação gratuita de segunda a sexta-feira, das 10h às 12h, e das 14h30 às 17h, até o dia 24 de maio.

Leia Mais →