Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

MANIFESTAÇÃO DE APOIO DO IAB-RS AO FAC

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

MANIFESTAÇÃO DE APOIO DO IAB-RS AO FAC
A Constituição da República Federativa do Brasil criou a política cultural, seus conceitos e seus instrumentos. É preciso ter presente a questão da política oficial da cultura, assim como foi concebida pela Carta Maior, para se ter a compreensão dos valores que a constituem, seus princípios de promoção da cultura e a política da preservação do patrimônio material e intangível no Brasil, no âmbito da União, dos Estados e dos Municípios. Tais preceitos foram disciplinados pelos artigos 215 e 216 da Lei Maior, promulgada pelos representantes do povo brasileiro, em 05 de outubro de 1988.
Reunidos em Assembléia Nacional Constituinte, os representantes instituiram um Estado Democrático, “destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias”, com o fim específico de dar nova base jurídico-institucional à comunidade nacional.
No Título III, a disposição geral estabelece que “a ordem social tem como base o primado do trabalho, e como objetivo o bem-estar e a justiça sociais”. Justamente, sob este Título III, se insere o Capítulo III, que trata da Educação, da Cultura e do Desporto, sendo pertinente destacar que, pela primeira vez na história do Brasil, a Cultura é conceituada e definida no texto constitucional como direito circunscrito à ordem social. A Constituição, portanto, conferiu ao Estado a competência para garantir “a todos o pleno exercício dos direitos culturais e acesso às fontes da cultura nacional”, devendo, pois, apoiar e incentivar “a valorização e a difusão das manifestações culturais”.
Os constituintes estabeleceram, desta forma, o princípio de que o Estado deve garantir a todos o exercício pleno da cultura. O parágrafo 1º do artigo 216 estabelece que ” O Poder Público, com a colaboração da comunidade, promoverá e protegerá o patrimônio cultural brasileiro, por meio de inventários, registros, vigilância, tombamento e desapropriação, e de outras formas de acautelamento e preservação “.
Como desdobramento dos princípios e normas constitucionais, o Estado do Rio Grande do Sul regulou a sua peculiar política cultural nos artigos 220 a 231 da Constituição Estadual. Bem mais detalhados, os seus conteúdos e as normas praticamente orientam de forma didática os preceitos a serem cumpridos pelas autoridades e pelos cidadãos. Como exemplo desta posição, o artigo 223 estabelece que “o Estado e os Municípios manterão, sob a orientação técnica do primeiro, cadastro atualizado do patrimônio histórico e do acervo cultural, público e privado”. Aprofunda de modo singular as determinações a serem seguidas pelos Municípios, exigindo que ” os planos diretores e as diretrizes de ocupação dos territórios municipais disporão, necessariamente, sobre a proteção do patrimônio histórico e cultural “, conforme a Emenda Constitucional nº 45, de 12 de agosto de 2004.
Por outro lado, o artigo 226, parecendo mais enfático, estabelece que ” as entidades da administração indireta do Estado sujeitas a tributos federais, quando a lei facultar a destinação de parte destes, a título de incentivo fiscal, às atividades culturais, deverão aplicá-los nas instituições e entidades dos diversos segmentos de produção cultural vinculadas ao órgão responsável pela cultura, sob pena de responsabilidade, sem prejuízo da dotação orçamentária à cultura. ”
É possível perceber, pois, que o constituinte foi além das possíveis previsões admitidas pelos órgãos da administração direta, demonstrando que havia projetado para o futuro os instrumentos de proteção, defesa e promoção da preservação do patrimônio cultural. Dentre os mecanismos jurídicos criados e seus instrumentos, a Constituição determina, segundo o parágrafo 3º do artigo 216, que “a Lei estabelecerá incentivos para a produção e o conhecimento de bens e valores culturais” . Os recursos oficiais carreados para os Fundos de Apoio à Cultura são, pois, instrumentos que se somam aos estabelecidos como incentivos fiscais, como os previstos na Lei Federal Rouanet e na Lei Estadual de Incentivo à Cultura – LIC/RS. Lento, por certo, dependendo do enfoque a ser dado, o processo de conscientização da comunidade e da iniciativa dos poderes públicos apresenta um progressivo movimento de educação e de conscientização para a preservação do cultural, ambiental e natural. A comunidade novamente toma a iniciativa de propor Projeto de Lei, de acordo com as normas jurídicas, que crie em definitivo a rubrica orçamentária própria no Orçamento do Estado do Rio Grande do Sul, para suprir o Fundo de Apoio à Cultura.
Na relação do Estado com os Municípios, conforme o artigo 228, fica clara a intenção do constituinte ao fixar que ” o Estado colaborará com as ações culturais dos Municípios, devendo aplicar recursos para atender e incentivar a produção local e para proporcionar o acesso da população à cultura de forma ativa e criativa, e não apenas como espectadora e consumidora “.
A Lei Federal nº 10.257, de 10 de julho de 2001, também denominada de Estatuto da Cidade, que regulamenta os artigos 182 e 183 da Constituição Federal e estabelece diretrizes gerais da política urbana, dispõe do Capítulo IV, que trata da gestão democrática da cidade . Determina a Lei que, para garantir a gestão democrática da cidade, deverão ser utilizados entre outros, os seguintes instrumentos:

* órgãos colegiados de política urbana, nos níveis nacional, estadual e municipal;
* debates, audiências e consultas públicas;
* conferências sobre assuntos de interesse urbano, nos níveis nacional, estadual e municipal;
* iniciativa popular de projeto de lei e de planos, programas e projetos de desenvolvimento urbano.

Em todos os casos a política cultural está diretamente relacionada com a política urbana, visto a política urbana ser uma expressão da cultura, devendo necessariamente seguir todos os passos e criar seus próprios métodos e mecanismos de ação e de gestão pública. Logo, na política cultural deverão ser seguidos os instrumentos acima mencionados nos ítens 1 a 4, não deixando de considerar que os organismos gestores incluirão obrigatória e signigicativa participação da população e de associações representativas dos vários segmentos da comunidade, de modo a garantir o controle direto de suas atividades e o pleno exercício da cidadania.
A Lei Estadual nº 10.116, de 23 de março de 1994, denominada Lei de Desenvolvimento Urbano do Estado do Rio Grande do Sul, que regulamenta o capítulo da política urbana da Constituição Estadual e estabelece diretrizes gerais da política urbana, disciplina no Capítulo V a participação comunitária e popular . Estabelece a Lei que a participação da comunidade dar-se-á, dentre uma série de disposições legais e normativas dos artigos deste capítulo:

* de forma a garantir a representação no Conselho de Desenvolvimento Urbano ou em órgão colegiado com idêntica finalidade;
* da participação em audiência pública e consulta obrigatória a entidades comunitárias e de classe: a) na elaboração do plano diretor ou das diretrizes gerais de ocupação do território e de suas alterações, dentre as quais estão as normas sobre a política cultural; e b) na elaboração de programa prioritário de obras e de suas alterações, como é o caso das relativas à preservação do patrimônio cultural.

Na área da arquitetura, do urbanismo e do paisagismo o IAB-RS se constitui, de acordo com as orientações da legislação e das normas do Conselho Estadual da Cultura – CEC, em uma associação cultural e profissional da comunidade dos arquitetos e urbanistas do Rio Grande do Sul, conforme, inclusive, o Estatuto registrado e aprovado pelo CEC, sendo, pois, credenciado para se manifestar oficialmente.
Por fim, em vista da fundamentação examinada, o Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento do Rio Grande do Sul – IAB-RS – manifesta seu irrestrito apoio ao Projeto de Lei de Iniciativa Popular para criar, em definitivo, a destinação de recursos orçamentários para o Fundo de Apoio à Cultura do Estado do Rio Grande do Sul .

Porto Alegre, 03 de novembro de 2004

Arq. José Albano Volkmer
pelo Conselho Diretor
IAB-RS 2004/2005.

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

Começa a Conferência de Avaliação do Plano Diretor

Diretoria do IAB RS marcará presença no evento ocorre nesta terça, quarta e quinta-feira, 7, 8 e 9 de março, no Salão de Atos da PUCRS. Promovida pela Diretoria de Planejamento Urbano da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, Urbanismo e Sustentabilidade (Smamus), a conferência vai analisar os pontos positivos e negativos do atual Plano Diretor, instituído pela Lei Complementar 434/1999 e atualizado pela Lei Complementar 646/2010.

Leia Mais →

NOTA DE PESAR: Vera Fabrício Carvalho

O Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento do Rio Grande do Sul (IAB RS) informa com imenso pesar o falecimento da arquiteta e urbanista Vera Fabricio Carvalho, uma das profissionais que permaneceu em atividade por mais tempo no Estado. Ela era o registro de nº 12 do CAU em todo o Brasil.

Leia Mais →

Outras Notícias

Entidades se reúnem para tratar do Plano Diretor de Porto Alegre

Representantes da Ernst & Young, consultoria que trabalha com a prefeitura na revisão do Plano Diretor de Porto Alegre, estiveram reunidos nesta semana com três entidades de arquitetura e urbanismo com atuação local – Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura (AsBEA-RS), Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB-RS) e Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU/RS).

Leia Mais →

IAB RS assina manifesto em apoio à tribo Gah Té

Na defesa por mais justiça social, solidariedade e respeito aos povos indígenas brasileiro, o Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento do Rio Grande do Sul (IAB RS) assinou com mais 30 entidades um manifesto em apoio a Retomada Gãh Ré e em defesa da Cacica Gah Té.

Leia Mais →

IAB apresenta proposta de Revisão do Plano Diretor de Xangri-lá

Na última sexta-feira (13/01) o Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento do Rio Grande do Sul (IAB RS) apresentou ao Ministério Público e a Associação de Moradores do município de Xangri-lá, no litoral gaúcho, um Relatório Técnico com objetivo de analisar a proposta de revisão do Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano e Ambiental do Município (PDDUA).

Leia Mais →

Repúdio aos atos terroristas em Brasília

O Instituto de Arquitetos do Brasil manifesta seu veemente repúdio aos atos terroristas ocorridos hoje, dia 08 de janeiro de 2023, em Brasília.

Inaceitável que as autoridades responsáveis pela manutenção da ordem não atuem firmemente contra os atos de desrespeito ao resultado legítimo das eleições, a invasão e a depredação do Palácio do Planalto, do Congresso Nacional e do tribunal Superior Federal.

Leia Mais →