Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

Memória – Restauração do Solar, futura sede do IAB-RS

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

O objetivo da presente proposta refere-se à ampliação (Anexo) do Solar do Conde de Porto Alegre, seu Centro Cultural e a futura sede do IAB/RS. Considerando situar-se o Solar do Conde de Porto Alegre em área do Centro Histórico da Cidade, parte integrante do Corredor Cultural, que visa revitalizar e reciclar este importante setor, nossa proposta insere-se integralmente neste escopo. O lote urbano em questão possui privilegiada localização, na esquina das ruas Riachuelo com a rua Gen. Canabarro estando a uma quadra do espigão da rua Duque de Caxias, zona alta da cidade e com ótima orientação solar. A frente norte e plana ao nível do passeio está na rua Riachuelo e a frente leste, com passeio em plano inclinado ascendente, está na rua Gen. Canabarro. Na esquina das referidas ruas localiza-se o Solar do Conde de Porto Alegre, futuro Centro Cultural cujo o acesso principal se dá no centro deste casarão ao nível do passeio da rua Riachuelo. Ao lado do casarão junto a empena oeste situa-se um importante eixo de acesso em escadaria ascendente descoberta que liga desde o alinhamento até a divisa sul do lote. Ao lado desta escadaria e dela afastada situam-se as antigas garagens junto ao alinhamento e a divisa oeste e sobre elas um terraço frontal descoberto. Na prumada da empena do fundo da garagem e divisa oeste ergue-se mais ou menos ao nível do segundo pavimento do casarão, o antigo necrotério, futuro Bar/IAB objeto de restauro e reciclagem.
Pela rua Gen. Canabarro na empena leste onde o passeio está em plano inclinado ascendente, situa-se um pátio intermediário mais ou menos ao nível do segundo pavimento do solar e que como que divide os volumes do solar de outro de dois pavimentos que é a futura sede do IAB/RS. Este eixo perpendicular ao alinhamento da rua Gen. Canabarro, aprofunda-se até encontrar o bloqueio da circulação vertical entre o solar e a sede do IAB/RS. Na divisa sul e na direção oeste/leste existe também uma não menos importante escadaria que como a primeira se completam e caracterizam a tipologia edilícia da época. Entre a escadaria junto a empena oeste do solar, a divisa oeste do lote, a empena sul do necrotério e a divisa sul abre-se um vazio, um pátio interno já que a antiga cadeia será demolida definindo o perímetro da área do concurso.
PARTIDO
Ao analisar-mos o programa de necessidades proposto, este tornou-se extenso frente a reduzida área para o anexo tanto pela limitação da altura ao nível da cimalha do necrotério como pelos afastamentos desejáveis das empenas do solar e do necrotério, afim de não competir com os mesmos. Da mesma forma existiu a limitação quanto a sondagem na área do anexo, onde poderia aflorar solo rochoso a baixa profundidade em relação aos níveis do terreno natural.
O partido adotado caracteriza-se pela ocultação volumétrica e o reduzido afloramento de setores de serviços não competindo com o solar e o necrotério.Foi recriada a idéia do pátio interior descoberto entre as divisas sul, oeste, o solar e o necrotério. O volume do auditório situado sob o pátio interior descoberto configura a idéia de volume fechado, tal como uma caixa acústica, consoante com o caracter de auditório.
A continuidade simbólica do caracter de pátio e foyer, como local de encontro, foi obtida pela fluidez espacial entre ambos, consubstanciada num volume transparente de acessos e circulações, valorizado por sua iluminação natural zenital. O acesso principal ao anexo do solar efetua-se ao nível do passeio da rua Riachuelo através do antigo portão da escadaria da empena oeste do solar. Neste local situa-se um espaço público distribuidor aos encaminhamentos: do solar (IG), do restaurante/bar, do foyer e auditório.
No volume das antigas garagens e sob o necrotério inserimos o restaurante que por sua condição natural de agregação de público estará vinculado, visualmente ao espaço público exterior (rua Riachuelo), diretamente ao foyer e indiretamente ao pátio descoberto interior (circulação vertical e vazio zenital). No espaço intermédio criado no volume do bar/IAB (antigo necrotério) e o volume do restaurante no setor copa/bar/buffet foi introduzida a cozinha com ventilação e iluminação natural e os serviços complementares, atendo simultaneamente a ambos os espaços. A ligação entre eles concretiza-se por um elevador elétrico que atenderá ao público, deficiente físicos e funcionários.O volume do bar IAB interliga-se com o terraço frontal descoberto existente à reciclar, com o solar no seu segundo pavimento (IAN), com o pátio interior descoberto e com o foyer por circulação e vazio zenital.
A solução formal adotada no auditório, ¼ de fatia de um tronco cônico, permitiu um intencional afastamento do seu volume da parede de divisa no nível do foyer permitindo assim um livre acesso à circulação vertical e camarins projetados no solar. Esta parede estrutural curva inclinada solta o volume do auditório dos limites do solar, imprimindo forte expressão formal além de favorecer o rendimento acústico do auditório. Conjugada a referida parede curva nasce o eixo de circulação vertical da composição, responsável pela fluidez dos espaços dos diversos níveis. O auditório libera a circulação de serviços entre os bastidores, os camarins e a circulação vertical projetada do solar. No nível do mezanino do auditório situam-se as salas de projeção, tradução simultânea, depósito e salas dos evaporadores de ar condicionado do foyer e do auditório. Novamente fica liberada uma circulação de serviços que liga-se a circulação vertical projetada do solar de onde também parte uma ligação passarela direta do mezanino.

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

Outras Notícias