Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

Novo presidente nacional do IAB em Porto Alegre

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Em sua curtíssima permanência em Porto Alegre, nos dias 20 e 21 de maio, Demetre Anastassakis cumpriu uma agenda cheia, que incluiu uma palestra na Uniritter sobre habitação popular, sua experiência na área e seus planos à frente do IAB nacional. E principalmente, a divulgação do Concurso Nacional de Arquitetura para a Procuradoria Regional da 4ª Região, considerando que o estímulo aos concursos públicos é uma das maiores plataformas de sua gestão. Na Faculdade Ritter dos Reis, iniciou parabenizando o Rio Grande do Sul, o Estado que mais consegue realizar Concursos de Arquitetura, o que lhe valeu a indicação para que sediasse a Comissão de Concursos. “Acho que os concursos bem sucedidos atraem a atenção e promovem uma disputa sadia. Vários de nós temos vitórias em concursos”, afirmou. Sua história de vida está diretamente ligada a este tema: filho de imigrantes e criado em Nova Iguaçu, uma cidade-dormitório da periferia do Rio de Janeiro, não teria outro meio para se destacar na profissão, senão ganhando concursos. “Em habitação popular, o Brasil está vivendo com 100 anos de atraso”, afirmou, referindo-se à lei do consumidor, que não chegou para a população de baixa renda, em termos de moradia. “O pobre não tem direito de escolher o bairro e o projeto de sua casa. Em vez de discutir o Orçamento Participativo, deveria ser discutido isto. Esta seria uma grande luta, conseguir fazer com que o trabalho da gente fosse socializado. Por que não temos um SUS da Arquitetura?”, questionou. Mais uma vez, o arquiteto criticou a Caixa Econômica Federal, que criou uma lógica própria de burocracia, e o FGTS, que não pode ser utilizado para comprar tijolos ou pagar o arquiteto. E explicou que este é um dos motivos pelos quais decidiu pegar a direção nacional do IAB, mas que a ‘pedra no caminho’ é o sistema CONFEA/CREA, para o qual a categoria contribui e que congrega mais de 300 profissões. “Vamos imaginar um conselho com médicos, veterinários, acupunturistas, psiquiatras, etc. Como uma categoria pode cassar outra? Quem protege a sociedade do mau exercício da profissão deve ser um conselho”, afirmou. Sobre a criação do conselho próprio de Arquitetura, tanto na esfera federal quanto regional, disse que hoje não há oposição formal e os que se posicionam contra dizem que tem que haver mais discussão com as bases. Quanto ao seu jeito peculiar de projetar, utilizando o brinquedo Lego, diz que já adquiriu as peças deste jogo em regime de comodato e não se incomodou em posar de garoto-propaganda. “O Lego é o jogo de quem quer se expressar e eu faço Arquitetura Lego. Cada produto que lanço pode ser agregado. Não tenho a ânsia da originalidade, com o tempo fui sendo dobrado”, concluiu. Enquanto esperava para dar entrevista em uma emissora de rádio, Demetre detalhou alguns itens para o site IAB-RS: Promoção de Concursos – O maior efeito externo é o do ciúme: um dirigente vê um concurso que dá certo e fica com ciúme da mídia que ele não fez. O IAB-RS tem simplificado o processo, sem deixar de lado a seriedade, tendo sido pioneiro. Acho que temos que tentar lutar para os ‘Concursos por atacado’, ou seja, num só conseguir vários contratos. Como o “Favela Bairro”, no Rio de Janeiro, onde se tirou 15 contratos. Comunicação eletrônica (site e informativo eletrônico) – Estamos pensando como uniformizar sem pausterizar os informativos dos IABs de todo o país. Os diretores administrativo e cultural estão pensando em ajudar os menores, disponibilizando o trabalho dos Estados mais adiantados, que por ordem são São Paulo, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro. Está muito disseminada a comunicação por e-mail, mas via sites não. Projeto de lei criando o Conselho de Arquitetura – Os senadores ficaram fascinados na audiência do dia 12 de maio e se compremeteram com a causa. Eles continuam estudando a juricidade e avaliando se é de competência do Executivo ou Legislativo. Se puderem resolver, acho que teremos um parecer favorável. Não temos nada contra o sistema CONFEA/CREA, mas estamos num conselho com outras profissões. Temos força de articulação política e força econômica acima do nosso número, ou seja, a contribuição que os arquitetos dão equivale a 8%. O sistema abriga 875 mil pessoas, destas, 80 mil são arquitetos e colaboramos com 15% do dinheiro, não ganhando contrapartida. Cada vez que faço um projeto, contribuo com a ART e isto não acontece na atividade médica, por exemplo. Temos que dividir patrimônio na medida de nossa contribuição, que vem sendo feita desde a década de 30, e não numérica. E queremos fazer fraternalmente, com um divórcio amigável, assim como o sombreamento entre as atribuições do engenheiro civil e do arquiteto. Morremos de inveja dos advogados, que têm a OAB, que é a mais independente das autarquias. Nosso sonho é ter uma instituição nestes moldes: prestando contas, mas independente.

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

Outras Notícias