Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

O jogo do menor preço nas licitações

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

O incrível jogo do menor preço nas licitações dos empreendimentos públicos de arquitetura, de urbanismo e de paisagismo tem determinado e condicionado de forma superlativa a contratação de planos e projetos. Contratam-se, nas Licitações Públicas, projetos de arquitetura, de urbanismo e de paisagismo pelo preço. A proposta técnica e os currículos ficam para um segundo plano. Sem projeto contratam-se serviços e obras pelo menor preço, como se fosse possível, com uma estimativa de valor total do empreendimento, contratar o projeto depois. O profissional arquiteto e sua proposta não interessam. Vencida a licitação, com uma boa justificativa, a atenção se volta para o reajuste de até 25%, depois de assinado o contrato. A Lei Federal nº 8.666/93, que disciplina as Licitações, trouxe inovações, mas não auxiliou no processo de organização do setor produtivo da arquitetura. Tudo pode ser classificado como serviços e, portanto, o conceito de projeto de arquitetura não tem amparo na Lei. É uma pena! Um país desenvolvido dispõe de Leis evoluídas, que organizam, aperfeiçoam e qualificam a sociedade. Mas esta nossa Lei não trouxe, infelizmente, uma contribuição para a arquitetura, setor fundamental para a organização do espaço, para a edificação, para a construção de prédios que abrigam as infindáveis funções e os ilimitados usos humanos. Pois, a Lei Federal, por omissa, deixou de aprimorar a organização do trabalho da cadeia produtiva da arquitetura. O projeto, pois, pode ser contratado pelo menor preço, sem nenhum questionamento sobre o que está se pretendendo. Nada de preocupação com a criação, visto que o que se pretende é metros quadrados e o menor preço. A qualificação, embora incluída nos quesitos da Lei Federal, sempre é posta de lado. É difícil de ser interpretada. Gera muito debate e ninguém deseja se responsabilizar por qualquer eventual gasto superior ao menor preço. De um modo geral, há uma generalizada dificuldade que se interpõe à realização dos Concursos de Arquitetura. Controvérsias à parte, a Lei das Licitações disciplina as formas mais usuais do Convite, da Concorrência e até da Dispensa da Licitação. O projeto e seu processo de escolha ainda não foram suficientemente estudados quanto ao mérito da qualificação, desde a promulgação da citada Lei. Verdadeiro pavor na administração pública, o processo licitatório está sujeito a toda sorte de fiscalizações, supervisões, controles e desconfianças, que, aliás, são absolutamente importantes e indispensáveis no interesse público. Surge, assim, a chamada forma mais segura e, talvez mais simples, ou seja, o Edital que estabelece o menor preço como parâmetro para todas as escolhas, decisões e julgamentos. Mas o trabalho mais qualificado não poderia ser o mais econômico, ou o que se enquadra no conceito do menor preço? Ora, estabelecidos no edital os parâmetros de qualidade, da exigência dos currículos, da experiência profissional e do preço, a licitação pode perfeitamente alcançar um estágio mais evoluído. Isto é fundamental para o desenvolvimento da cultura e da tecnologia, da arquitetura, do urbanismo, do paisagismo. Nas licitações públicas o valor mais significativo deve ser o da criatividade, da inovação, do ineditismo, do apuro e da erudição, valorizando a economia, não só na contratação de planos e projetos, como na conservação, manutenção e assistência técnica durante a vida útil das obras.
Não seria possível inverter-se o atual rumo dos procedimentos licitatórios, seus usos e suas práticas? O IAB-RS está desenvolvendo estudos para o aperfeiçoamento do Regulamento dos Concursos Públicos, mas também já está encaminhando igualmente suas preocupações para os demais procedimentos licitatórios, direcionando suas atenções para as exigências relativas aos currículos, à experiência profissional, à especialização no exame da denominada proposta técnica. Não prevalecendo o Concurso nas decisões das autoridades públicas, por que não considerar a possibilidade de uma representação do IAB-RS nas Comissões de Licitação, semelhante a um júri? Por que não considerar no Edital uma etapa de consulta ao IAB-RS, ou às demais Entidades de Arquitetos, ou a arquitetos consultores de determinadas áreas especializadas da arquitetura nas etapas da pré-qualificação, do exame dos currículos, dentre outras formas de apreciação nos processos de julgamento? Por que não a substituição de currículos na fase licitatória, ou mesmo no desenvolvimento dos trabalhos, nos casos em que os resultados não estejam sendo satisfatórios?
O IAB-RS já havia se pronunciado nos Editoriais de 16 JUL 2003 e de 12 SET de 2003 sobre a constatação recorrente, em sucessivas licitações, da falta de consistência conceitual e a não compreensão sobre o significado da arquitetura: “Dependendo do valor estabelecido pela Lei Federal, a Autoridade está contratando através da Concorrência Pública ou por Carta Convite, praticamente sempre, pelo menor preço. Ainda nem se definiu o caráter da obra, ainda não se conceituou o programa de necessidades e já se estabeleceu o orçamento, aprovado pelos Poderes Públicos. Como o valor já está orçado e estabelecido em Lei, a Autoridade Pública licita o empreendimento pelo menor preço. Mas o que está sendo contratado?”
O constrangimento leva à consideração de que algo deve ser feito, de que as Autoridades Públicas devem tomar urgentes providências. O diálogo é indispensável, único caminho para a construção do aprimoramento e da evolução do processo de contratação de projetos de arquitetura, antes da execução das obras, atendendo aos requisitos do interesse social e humano, do interesse cultural, científico e tecnológico.
Arq. José Albano Volkmer
Presidente do IAB-RS

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

NOTA PÚBLICA SOBRE OS PROCESSOS DE IMPUGNAÇÃO NAS ELEIÇÕS PARA O CMDUA.

O IAB-RS expressa preocupação em relação à ausência de registro dos pedidos de impugnação apresentados pelo instituto no âmbito do processo eleitoral das entidades de classe ligadas ao planejamento urbano no Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano e Ambiental (CMDUA). Conforme o cronograma estabelecido no edital 006/2023, utilizando os critérios estipulados no item 2.11 do referido edital, foi emitido um documento elencando 23 entidades que não demonstram caráter de atividades relacionadas ao planejamento urbano. Isso ocorreu após análise apropriada e indicação da regularidade dessas entidades para participação nas eleições do CMDUA.

Leia Mais →

Arquitetos vencedores do concurso de requalificação do Lago Joaquina apresentam projeto

Na tarde desta quarta-feira (10), os arquitetos e urbanistas do escritório OCRE, vencedores do Concurso Público Nacional de Arquitetura da Paisagem para Requalificação do entorno do Lago Joaquina Rita Bier, receberam a premiação de R$50 mil, assinaram o contrato de realização do projeto executivo e apresentaram a proposta vencedora para membros da Administração Municipal e comunidade.

Leia Mais →

Revelados os vencedores do Prêmio IAB-RS etapa estadual

Durante a Noite da Arquitetura, evento promovido pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio Grande do Sul (CAU/RS), foram revelados os vencedores do prêmio IAB-RS José Albano Volkmer para as turmas de 2022. O evento foi marcado, também, pela posse do conselho do CAU/RS para o triênio 2024-2026.

Leia Mais →

Outras Notícias

IAB-RS assina acordo para consultoria no programa RS Seguro COMunidade

O Governador do Estado, Eduardo Leite, lançou, na manhã do dia 15 de dezembro, o programa RS Seguro COMunidade, no Palácio Piratini, em Porto Alegre. Desenvolvido no âmbito do RS Seguro, a iniciativa integra o eixo voltado para políticas sociais preventivas e transversais, cujo foco de atuação são os territórios em situação de vulnerabilidade socioeconômica e com indicadores elevados de crimes violentos letais e intencionais, consumados ou tentados. O o IAB-RS realizará três concursos nacionais, em que serão selecionados projetos urbanísticos integrados para três localidades: Umbu, Rubem Berta e Santa Tereza.

Leia Mais →

ARQUITETOS DE PORTO ALEGRE VENCEM CONCURSO QUE IRÁ REQUALIFICAR LAGO JOAQUINA RITA BIER EM GRAMADO

Na noite desta quarta-feira (13/12) foi realizada em Porto Alegre a cerimônia de divulgação dos vencedores do “Concurso Público Nacional de Arquitetura da Paisagem para Requalificação do entorno do Lago Joaquina Rita Bier em Gramado, RS”, promovido pela Prefeitura Municipal de Gramado (RS) com organização do Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento do Rio Grande do Sul (IAB-RS) e apoio da Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas (ABAP) e do IAB-RS Núcleo Hortênsias. Os grandes vencedores da noite foram os arquitetos e urbanistas Thiago Yuuki Kajiwara, Ananda Maciel Oliveira e Diego Flamia, do escritório OCRE Arquitetura, de Porto Alegre.

Leia Mais →

Prêmio IAB-RS recebe inscrições até o dia 13 de dezembro

Arquitetos e urbanistas das turmas de 2022 têm até as 23h59 do dia 13 de dezembro para inscrever o seu trabalho de conclusão de curso (TCC) no prêmio IAB-RS José Albano Volkmer, edição 2023. A iniciativa, concebida em parceria com o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio Grande do Sul (CAU/RS), premiará as ideias mais inovadoras e seus projetos inspiradores.

Leia Mais →

Resultado do Julgamento do Concurso de Arquitetura da Paisagem para Requalificação do entorno do Lago Joaquina Rita Bier será divulgado no dia 13/12

A Prefeitura de Gramado (RS) e o Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB RS) promovem na quarta-feira (13/12) a cerimônia de divulgação do resultado do julgamento das propostas para o “Concurso Público Nacional de Arquitetura da Paisagem para Requalificação do entorno do Lago Joaquina Rita Bier em Gramado, RS”. Haverá transmissão ao vivo pelo canal do IAB RS no YouTube, diretamente da sede do IAB RS, em Porto Alegre, a partir das 19 horas, com a participação de membros do Executivo Municipal de Gramado.

Leia Mais →