Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

Porque é necessário o CAU

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Conselho de Arquitetos e Urbanistas

Matéria extraída do estudo de EVELISE RIBEIRO para seu Trabalho Final de Graduação (Sede para o CREA-RS, Orientadora Profª Marta Peixoto, 2006, FA-UFRGS), em que foram atualizados alguns dados.

“A Arquitetura e o Urbanismo são elementos fundamentais da história, da cultura, da tecnologia, da vida e da cidadania do país. Além disso, são consideradas expressões da cultura, da identidade nacional e dos valores da sociedade no campo artístico, cultural e tecnológico, sendo estes patrimônio de todos os brasileiros.

As criações arquitetônicas e urbanísticas, a concepção e a qualidade das edificações, a inserção no ambiente circundante, o respeito às paisagens naturais e urbanas, e também do patrimônio edificado coletivo e privado são, portanto, vitais para um país do porte econômico e da carga cultural do Brasil.

É de longa data no Brasil a luta pela criação de um conselho exclusivo para arquitetos, que efetivamente defenda a classe sem conflitos de interesses. O projeto de lei PLS-347/2003 que regulamenta a criação do Conselho de Arquitetura e Urbanismo foi aprovado no dia 24 de novembro de 2004 pela Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal, o que comprova o entendimento por parte das autoridades nacionais das reais necessidades de uma atualização das relações entre a arquitetura e urbanismo e a sociedade brasileira, fato que tem reivindicação há 22 anos pelos profissionais.

A profissão do arquiteto foi regulamentada em 1933 através de legislação própria que tomou forma mais incisiva a partir dos anos 1950. Em 1966 uma lei federal transformou o antigo Conselho Federal de Engenharia e Arquitetura e seus conselhos regionais criando um conselho federal de engenharia, arquitetura e agronomia e seus respectivos conselhos regionais aos quais submeteu um conjunto de novas profissões: agrônomos, geólogos, geógrafos e meteorologistas, dentre outras, sendo elas mais de 200 modalidades e especialidades profissionais em um único conselho federal, o CONFEA.

Durante esse período houve um processo acelerado de urbanização com uma grande transformação dos processos produtivos e tecnológicos. Com isso, as

perspectivas e as necessidades educacionais e culturais dos brasileiros foram transformadas. A Constituição de 1988 reconheceu a liberdade de profissão e organização como preceitos de participação na organização social, determinando mecanismos até então inexistentes para essa participação.

Neste estudo, Foram verificados e estudados os modelos de regulamentação da profissão em outros países, e de outras profissões no Brasil e foram levantadas alguns anseios e necessidades dos arquitetos e urbanistas, as quais os Conselhos atuais possam não estar correspondendo.

Organização de arquitetos no mundo

Poucos países no mundo mantém organismos bi-profissionais (arquitetura e engenharia civil) e não existe nenhum multi-profissional como no Brasil. Dos países vinculados à UIA (União Internacional de Arquitetos), este tipo de organização existe apenas naqueles de pequena população de arquitetos e engenheiros civis, são eles (Fonte: UIA):

1. Áustria; 2.Chipre; 3. Cuba; 4. Iraque; 5.Kuwait; 6. Líbano; 7. Luxemburgo; 8. Malta; 9. Nicarágua; 10. Panamá; 11. República Dominicana; 12. Síria.

Vários são os exemplos de países que modificaram sua legislação para melhor atender os interesses dos arquitetos.

Israel , em 1999, ao atingir o número de 1.800 arquitetos, comunicou à UIA o desmembramento do organismo bi-profissional e a criação de um conselho próprio de arquitetos.

Portugal , para adequar-se à unificação comercial da Europa, transforma sua Associação de Arquitetos em Ordem dos Arquitetos de Portugal e os engenheiros criam a Ordem de Engenheiros de Portugal.

Não existe nenhum outro país, com um sistema multi-profissional como o Brasil, com quase um milhão de profissionais de diferentes atividades. Alguns possuem Conselhos Estaduais e Nacionais, como o Colégio de Arquitetos de Espanha (com um Conselho Superior, que os envolve) ou a Ordem dos Arquitetos da Costa do Marfim (com apenas o seu Conselho Nacional).

O gerenciamento e a defesa do ofício no Brasil hoje

O CONFEA, por meio da Lei 5194/1966, prevê quatro arquitetos, entre os 18 Conselheiros Federais: um, indicado pelas entidades de ensino; e outros três, eleitos em seus estados (hoje: Santa Catarina, Sergipe e Goiás). Não há, hoje, representação de todos os estados nem de todas as profissões.

Sobre o exercício ilegal da profissão, estima-se que no Brasil mais de 70% das obras são realizadas sem a participação de técnicos habilitados (arquitetos ou engenheiros). Devido à ausência de profissionais envolvidos, há inconsistência nas políticas urbanas e habitacionais no Brasil, com cerca de 25 milhões de pessoas sem condições dignas de habitabilidade (déficit de ~ 6,5 milhões de habitações), ou seja, há a falta de uma política pública para arquitetura, a chamada Arquitetura Pública, a exemplo dos advogados (promotoria e defensoria públicas) e dos médicos (SUS).

Em relação ao ensino da arquitetura, hoje é o próprio MEC que reconhece a qualificação do egresso das faculdades para o exercício profissional. Não existe estágio probatório ou exame de ordem, como nos países com sociedades mais exigentes e conselhos mais organizados e específicos. O Conselho não participa da habilitação do profissional, apenas registra os diplomas homologados pelo MEC.

Por conseqüência, há a interpretação do ofício de planejar e projetar como simples venda de serviço. Já na França, a arquitetura é considerada como objeto de política cultural do país. Com o objetivo de criarmos um conselho próprio e uniprofissional para os arquitetos brasileiros, as entidades nacionais de arquitetos estão empenhadas e unidas para criar o Conselho de Arquitetura e Urbanismo. O Senado examinou a aprovação do Projeto de Lei 347/03, o primeiro passo para a valorização da profissão, para o reconhecimento das implicações humanísticas, culturais, estéticas e artísticas que distinguem a arquitetura e o urbanismo como profissão importante para a nossa sociedade e seu futuro. Agora tramita no Executivo. Com a sua aprovação, o Governo fará uma reparação ao importante trabalho dos arquitetos e urbanistas, os quais são relegados e desacreditados nos dias atuais.”

IAB - RS

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

COMUNICADO DO IAB RS SOBRE O ESTADO DE CALAMIDADE CLIMÁTICA

O momento é grave e compreendemos que enquanto Instituto temos um trabalho de articulação de impacto a médio prazo, sendo provocadas e estruturadas redes que auxiliem nas questões habitacionais e de reestruturação das cidades, com projetos que considerem os riscos e impactos que os eventos climáticos tem gerado em nossas cidades, de modo mais frequente e de maior intensidade. Compreendendo a sensibilidade das questões ambientais, com a natureza impondo seus limites, frente às ocupações urbanas.

Leia Mais →

Nota pública em apoio às familias atingidas pelas enchentes no RS

O IAB-RS manifesta solidariedade às famílias atingidas pelas inundações e enchentes no Rio Grande do Sul. Os eventos de chuvas extremas estão se mostrando uma realidade com recorrência no nosso estado. O momento pede a soma de esforços de todos os setores da sociedade para ajudar aqueles que estão em situação de vulnerabilidade.

Leia Mais →

Outras Notícias

IAB RS participa da 178ª reunião do COSU

O correu em Aracaju, nos dias 22 e 24 de abril, o 1º Seminário Nacional de Arquitetura e Urbanismo do estado de Sergipe (ArqUrb.SE). Na sequência, entre os dias 25 e 27 de abril, foi realizada a 178ª Reunião do Conselho Superior do IAB (COSU), com abrangência nacional. Os dois eventos foram promovidos pelo Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento Sergipe (IAB-SE) com apoio do IAB Nacional. O IAB RS esteve presente na reunião.

Leia Mais →

Primeira fase da requalificação da Avenida 25 de Julho em Flores da Cunha iniciará em maio

Flores da Cunha de cara nova: a partir do mês de maio, a principal via da cidade – que conecta o município de norte a sul – será requalificada. A iniciativa da administração municipal iniciou ainda em 2021, com o lançamento do Concurso Público Nacional “Avenida 25 de Julho”, realizado em parceria com o IAB RS, e apoio do CAU/RS e da ABAP, e resultou em um novo projeto estético e funcional para a Avenida 25 de Julho. Em função das chuvas, a prefeitura informou que a cerimônia de início da obra, com o lançamento da Pedra Fundamental, foi adiada, e nova data será divulgada em breve.

Leia Mais →

50 anos do retorno da democracia em Portugal e colônias africanas é celebrado com exposição no IAB RS

Em 25 de abril de 1974 Portugal retomava o regime democrático, após um longo período de ditadura iniciada em 1933. A chamada Revolução dos Cravos é relembrada, 50 anos depois, por meio de uma exposição organizada pelo Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento Rio Grande do Sul (IAB RS) e a ADUFRGS Sindical, com apoio do Consulado Português, e curadoria de Airton Cattani e Daniela Fialho, que colecionou 47 cartazes de manifestações distribuídos nas ruas no período da revolução. A exposição segue aberta no Solar do IAB (Rua General Canabarro 363, Centro Histórico, em Porto Alegre), com visitação gratuita de segunda a sexta-feira, das 10h às 12h, e das 14h30 às 17h, até o dia 24 de maio.

Leia Mais →

Na mídia: Diretora adjunta de comunicação do IAB RS, Karolina Silva participou de bate-papo sobre mobilidade e mudanças climáticas, na TVE

O tema mobilidade urbana e mudanças climáticas, cada vez mais urgente em todas as esferas de debate, foi tema do programa Rodar, da TVE RS, apresentado por Pati Salvadori, na noite do dia 25 de abril. O bate-papo contou com a presença da diretora de comunicação adjunta do IAB RS, karolina Silva, e da ciclista e ativista Carol Strüssmann.

Leia Mais →