Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

Renato Saboya palestrou sobre Vitalidade e Segurança Urbana no IAB RS

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
O Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB RS) recebeu o arquiteto Renato Saboya na Quarta do IAB ao vivo, realizada no dia 19 de novembro. O pesquisador palestrou sobre os "Efeitos da Arquitetura: influência dos tipos arquitetônicos sobre a vitalidade e a segurança urbana".
Saboya explicou que juntou três pesquisas que lidam com os elementos da vitalidade e segurança urbana. “Se a gente não entender a cidade de uma maneira metódica, estamos sujeitos a tirar conclusões erradas. Temos que analisar diversos aspectos ao mesmo tempo”, justificou.
Para ele, as edificações podem ser entendidas como “alimentadoras” dos espaços públicos: quanto mais gente mora em uma determinada área, mais gente tende a sair e chegar em casa todos os dias para ir e voltar do trabalho, da escola e das compras e demais atividades diárias, o que por si só representaria um primeiro esboço de vitalidade urbana. De acordo com o arquiteto, para que os espaços tenham vitalidade as pessoas precisam se sentir seguras. “Por outro lado a vitalidade também é um componente da segurança. São dois conceitos ligados que se influenciam mutuamente”, destacou.
Para Saboya, as edificações e os espaços privados, seus afastamentos e a quantidade de aberturas nas fachadas dos edifícios também geram impactos no espaço público, podendo interferir na apropriação do local e na sua vitalidade através das conexões visuais, que são elementos que possibilitam aos usuários das edificações um maior contato visual com o espaço pública. Ele informou que existem vários estudos que defendem que as conexões visuais, como as portas e janelas, ao se comunicarem com a rua podem controlar situações de perigo e comportamentos de usuários, através dos eixos de visibilidade existentes.
“A presença da vigilância natural através das conexões visuais das edificações destaca-se na segurança das edificações e dos espaços públicos como um fator que pode favorecer a redução dos crimes. Locais aparentemente mais seguros também incentivariam seu uso, o que por sua vez reforça a vigilância natural, em um círculo virtuoso”, observou Saboya. 
Ele também falou sobre os condomínios fechados. Para Saboya, outra discussão que deve ser realizada à luz dessas constatações diz respeito aos condomínios fechados, cuja principal justificativa é justamente a necessidade de segurança. “Até que ponto é desejável, ou justo, que a suposta segurança procurada pelos moradores desse tipo de assentamento seja alcançada às custas de maior insegurança nos espaços do entorno, que via de regra ficam sujeitos a longos e cegos muros divisores?”, questionou.
“Os edifícios de uma rua preparada para receber estranhos e garantir a segurança tanto deles quanto dos moradores devem estar voltados para a rua”, complementou
Para ele, a hipótese de que a maior conexão visual das edificações com a área pública inibe a ocorrência de crimes; e que locais com baixo potencial de movimento, baixa visibilidade e conexão visual limitada a outros espaços são alvos dos criminosos. 
“Cada vez temos mais edifícios cegos, separados do lote, e com muitos muros. A tipologia arquitetônica precisa ser pensada de maneira mais refinada pelos Planos Diretores. Precisamos refinar mais esses debates, e se tivermos mais evidências empíricas a gente pode ter mais argumentações”, concluiu.
IAB - RS

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

Na mídia: IAB RS participa de reportagem da Folha de São Paulo sobre reconstrução do RS

A copresidente do IAB RS, Clarice Misoczky de Oliveira, concedeu entrevista para reportagem da Folha de São Paulo. O ponto central foi a reconstrução do RS. “A questão habitacional é mais dramática. Há municípios no Vale do Taquari, como Muçum e Roca Sales, que se desenvolveram em áreas de encostas. Cidades como Santa Tereza em que parte das casas estão em áreas de inundações. Precisamos construir com segurança”, disse.

Leia Mais →

MANIFESTO IAB RS PARA A RECONSTRUÇÃO DO RS

Considerando a enorme tragédia causada pelos efeitos da crise climática e pelo descaso do poder público com o planejamento urbano e regional sustentável na promoção de cidades justas, igualitárias e ecologicamente  equilibradas, a Comissão Cidades/IAB RS, por meio deste, manifesta a necessidade de atenção às questões referentes às diferentes escalas de planejamento, arquitetura e urbanismo para reconstrução das cidades do Rio Grande do Sul, aqui agrupadas em dois grandes grupos: (A) Planejamento Urbano e Regional e (B) Moradia Digna.

Leia Mais →

Outras Notícias

COMUNICADO DO IAB RS SOBRE O ESTADO DE CALAMIDADE CLIMÁTICA

O momento é grave e compreendemos que enquanto Instituto temos um trabalho de articulação de impacto a médio prazo, sendo provocadas e estruturadas redes que auxiliem nas questões habitacionais e de reestruturação das cidades, com projetos que considerem os riscos e impactos que os eventos climáticos tem gerado em nossas cidades, de modo mais frequente e de maior intensidade. Compreendendo a sensibilidade das questões ambientais, com a natureza impondo seus limites, frente às ocupações urbanas.

Leia Mais →

Nota pública em apoio às familias atingidas pelas enchentes no RS

O IAB-RS manifesta solidariedade às famílias atingidas pelas inundações e enchentes no Rio Grande do Sul. Os eventos de chuvas extremas estão se mostrando uma realidade com recorrência no nosso estado. O momento pede a soma de esforços de todos os setores da sociedade para ajudar aqueles que estão em situação de vulnerabilidade.

Leia Mais →