Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

“Vivenciamos um sequestro do Espaço Público”, afirmou o sociólogo Eber Marzulo em palestra no IAB RS

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
O sociólogo Eber Pires Marzulo foi o convidado da última edição da “Quarta no IAB” realizada na noite de ontem (31/07) na sede do Instituto. A proposta do evento foi abrir espaço para discutir a importância das manifestações que tomaram conta das ruas de todo o país neste ano e a relevância da ocupação do espaço público.
O doutor em Planejamento Urbano e Regional discutiu o tema “Sobre democracia e espaço público”, abordando as manifestações populares assim como suas reivindicações. A conversa teve como embasamento o artigo "Sobre democracia e espaço público", de autoria do convidado. “Quando se tem um controle do espaço público, seja pelo Estado, seja pelo privado, a democracia está em risco. É por isto, e nada mais, que a conquista do espaço público implica na expansão da democracia e a experiência democrática alastra o espaço público”, defende Marzulo.
Para ele, vivenciamos um “sequestro” do espaço público depois de uma série de privatizações. Marzulo acredita que no Estado Democrático de Direito há um embate clássico. Segundo ele, o que garante o funcionamento é o princípio democrático e individualmente vamos presenciar movimentos históricos, com rupturas de direito com base na radicalização. “Assim teremos os avanços dos direitos e da democracia”, afirmou o sociólogo.
Como exemplo destes movimentos, Marzulo citou a ocupação na câmara de vereadores de Porto Alegre. “Nos últimos dois anos tivemos casos assim. São movimentos que colocam em discussão do que é público em busca de um resgate da cidade. Essas mobilizações apontam para uma consciência civil em relação aos interesses privados”, disse. “Outro ponto são as adoções de espaços públicos por empresas privadas, onde se coloca em cheque o direito de Estado”, acrescentou.
A questão do vandalismo urbano também foi avaliada pelo sociólogo. Para ele, as ações dos vândalos são influenciadas pela "Black Bloc", estratégia de manifestação que se autodenomina anarquista e prega a desobediência civil nas redes sociais. “Os símbolos do Black Bloc, como o uso do capuz, se inspiraram em grupos antiglobalização presentes na Europa desde os anos 1980. Sua existência chamou a atenção da mídia pela primeira vez em 1999, quando protestos contra uma conferência da Organização Mundial do Comércio destruíram fachadas de diversas lojas em Seattle, nos Estados Unidos”, explicou o sociólogo.
“É uma questão fundamentalmente urbana, e temos que compreender que produzimos jovens escolarizados com acesso à informação, capazes de identificar o quadro da desigualdade e incapazes de ficarem parados apenas olhando para isso”, finalizou.
Saiba mais sobre o palestrante:
O Prof. Dr. Eber Pires Marzulo possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e é doutor em Planejamento Urbano e Regional pelo Instituto de Pesquisa e Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Regional – IPPUR/UFRJ. Marzulo é professor da Faculdade de Arquitetura e do Programa de Pós Graduação em Planejamento Urbano e Regional da UFRGS. Também coordena o Grupo de Pesquisa Identidade e Território, que possui duas grandes linhas de pesquisa: identidade e território; e imagem e território.
Para ler o artigo “Sobre democracia e espaço público clique aqui.
As Quartas no IAB têm o patrocínio da Caixa Econômica Federal.
IAB - RS

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

Nota pública: Suspensão da urbanização da Fazenda do Arado

A fazenda do Arado é patrimônio ambiental, arqueológico, histórico, cultural, arquitetônico e paisagístico de Porto Alegre, constituindo-se de uma zona primordial para manutenção de espécies da fauna e da flora, sujeita a enchentes e alagamentos por encontrar-se abaixo da cota de inundação do Guaíba. A zona serve como espaço de extravasamento natural do Guaíba, importante de ser preservado. O IAB RS reitera a necessidade de atenção máxima por parte dos governantes, sociedade civil, entidades e instituições às questões ambientais e suas relações com a cidade.

Leia Mais →

Na mídia: IAB RS participa de reportagem da Folha de São Paulo sobre reconstrução do RS

A copresidente do IAB RS, Clarice Misoczky de Oliveira, concedeu entrevista para reportagem da Folha de São Paulo. O ponto central foi a reconstrução do RS. “A questão habitacional é mais dramática. Há municípios no Vale do Taquari, como Muçum e Roca Sales, que se desenvolveram em áreas de encostas. Cidades como Santa Tereza em que parte das casas estão em áreas de inundações. Precisamos construir com segurança”, disse.

Leia Mais →

MANIFESTO IAB RS PARA A RECONSTRUÇÃO DO RS

Considerando a enorme tragédia causada pelos efeitos da crise climática e pelo descaso do poder público com o planejamento urbano e regional sustentável na promoção de cidades justas, igualitárias e ecologicamente  equilibradas, a Comissão Cidades/IAB RS, por meio deste, manifesta a necessidade de atenção às questões referentes às diferentes escalas de planejamento, arquitetura e urbanismo para reconstrução das cidades do Rio Grande do Sul, aqui agrupadas em dois grandes grupos: (A) Planejamento Urbano e Regional e (B) Moradia Digna.

Leia Mais →

Outras Notícias

COMUNICADO DO IAB RS SOBRE O ESTADO DE CALAMIDADE CLIMÁTICA

O momento é grave e compreendemos que enquanto Instituto temos um trabalho de articulação de impacto a médio prazo, sendo provocadas e estruturadas redes que auxiliem nas questões habitacionais e de reestruturação das cidades, com projetos que considerem os riscos e impactos que os eventos climáticos tem gerado em nossas cidades, de modo mais frequente e de maior intensidade. Compreendendo a sensibilidade das questões ambientais, com a natureza impondo seus limites, frente às ocupações urbanas.

Leia Mais →