Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

“Não vejo vantagem no RDC”, diz Ícaro Moreno

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Há nove anos à frente da Empresa de Obras Públicas do Estado do Rio de Janeiro (EMOP), Ícaro Moreno conhece bem as dificuldades de se licitar uma obra no país. Além de enfrentar a burocracia, o engenheiro civil explica que muitas vezes é preciso dedicar tempo para explicar o processo do trabalho técnico do engenheiro e do arquiteto aos órgãos de controle e procuradoria. Para agilizar as licitações públicas, o Poder Executivo criou o Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC), mas a nova modalidade não é uma alternativa viável na avaliação de Moreno. O IAB conversou com o presidente da EMOP sobre o RDC e a possibilidade de ampliação da modalidade para as obras de mobilidade, de infraestrutura logística e de sistemas públicos de ensino, pesquisa, ciência e tecnologia. Confira abaixo.

Instituto de Arquitetos do Brasil: O RDC é vantajoso?
Ícaro Moreno: Não vejo vantagem no RDC. Esta modalidade foge completamente à estrutura de governo. Há uma divisão de águas muito clara: a iniciativa privada tem o lucro como foco, enquanto o poder público visa ao bem-estar da sociedade. Então, quem deve dominar e controlar o projeto é o poder público. Não é uma licitação que vai garantir uma assertiva no projeto, principalmente no que se refere aos princípios públicos e princípios de governo. O projeto não é algo que nasce. Ele é fruto de um trabalho que amadurece ao longo do processo. Então, sou completamente contra a contratação de obras via RDC. A flexibilização da licitação não vai levar, como alguns estão pensando, a um melhor valor de preço, de prazo e de velocidade. Vão existir muitos problemas ao longo do caminho, e o custo, certamente, será muito maior.
IAB: Existe alguma alternativa para acelerar o processo de licitação, sem prejudicar o controle e os princípios públicos?
IM: O modelo que a gente tem, a Lei 8.666/93, precisa sofrer alguns ajustes. Não há dúvidas sobre isso. Porém, precisamos preservar o fluxo de como licitamos uma obra, com o projeto antevendo a licitação. Quando falo em projeto, falo no sentido amplo da palavra, não me refiro apenas ao projeto de arquitetura, mas também planejamento e orçamento. Todo esse conjunto apresenta uma ideia de separação. Esse sentimento de partilha tem que mudar. O projeto precisa ser integrado, com planejamento, detalhamento arquitetônico e indicação de como colocar a obra de pé. O planejamento serve para sabermos como se levantar a obra. Depois, orça-se o trabalho para que a construção tenha sustentabilidade e seja um projeto exequível. A ideia de fragmentação do projeto precisa mudar. Os órgãos estão partidos também. Porém, essa junção do projeto não pode acontecer na iniciativa privada. Ela deve acontecer aqui dentro, no Estado.
IAB: A EMOP está reformulando seus processos de licitação. Quais são essas mudanças?
IM: Várias vezes tentei olhar esse “produto” como um todo, mas não consegui com diferentes diretorias pensando em separado. Na EMOP, acabamos com duas diretorias e criamos uma de gerenciamento de projeto. Assim, conseguimos juntar as pessoas em equipes, que vão levar o trabalho do início ao fim. A gente mudou também as nossas licitações, que passaram a contar com termos de referências mais completos. A partir daí é licitado o projeto e, em seguida, a obra. Do ponto de vista do trabalho, a obra representa 20% do produto. A elaboração do projeto e a definição do orçamento respondem por 80%. Vamos também colocar em nossas licitações uma verba para o pagamento do as building. Isso quer dizer que o vencedor da licitação será obrigado a contratar o arquiteto responsável pelo projeto para garantir que a obra seja feita conforme planejado.
IAB: A presidente Dilma Rousseff tem até o dia 19 para sancionar ou vetar os enxertos na Medida Provisória 678/2015, que amplia o RDC para as obras de mobilidade, de infraestrutura logística e de sistemas públicos de ensino, pesquisa, ciência e tecnologia. Qual é a sua avaliação sobre essa constante ampliação do RDC?
IM: O RDC foi criado para resolver um problema, as obras da Copa do Mundo de 2014. A questão é que a exceção avançou e hoje está virando regra. Se o RDC fosse solução para as licitações públicas, tinha-se feito isso antes. A Petrobras, por exemplo, possui um regime diferenciado de contratação. Até entendo que a Petrobras tenha flexibilidade em suas licitações porque a estatal disputa com outras empresas o mesmo produto. Porém, quando se trata do poder público, é diferente.
IAB: Faltou discussão ao criar o RDC?
IM: Acho que faltou discussão, sim. Pelo que soube, aconteceram algumas discussões sobre questões jurídicas e empresariais, mas faltou debate na área técnica, com engenheiros e arquitetos. Estou aberto a novas mudanças tecnológicas, a novos tipos de gestão e a novas mudanças que possibilitem aumentar a velocidade das licitações. Porém, os princípios do Estado não são terceirizáveis. O Estado deve preservar o seu papel de coordenador e fiscalizador. Penso que, na forma como foi colocado o RDC, o Estado sai completamente do processo. Como já expliquei, a natureza do projeto é amadurecida. Quando você dá o preço antes, o processo fica enviesado.

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

NOTA PÚBLICA SOBRE OS PROCESSOS DE IMPUGNAÇÃO NAS ELEIÇÕS PARA O CMDUA.

O IAB-RS expressa preocupação em relação à ausência de registro dos pedidos de impugnação apresentados pelo instituto no âmbito do processo eleitoral das entidades de classe ligadas ao planejamento urbano no Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano e Ambiental (CMDUA). Conforme o cronograma estabelecido no edital 006/2023, utilizando os critérios estipulados no item 2.11 do referido edital, foi emitido um documento elencando 23 entidades que não demonstram caráter de atividades relacionadas ao planejamento urbano. Isso ocorreu após análise apropriada e indicação da regularidade dessas entidades para participação nas eleições do CMDUA.

Leia Mais →

Arquitetos vencedores do concurso de requalificação do Lago Joaquina apresentam projeto

Na tarde desta quarta-feira (10), os arquitetos e urbanistas do escritório OCRE, vencedores do Concurso Público Nacional de Arquitetura da Paisagem para Requalificação do entorno do Lago Joaquina Rita Bier, receberam a premiação de R$50 mil, assinaram o contrato de realização do projeto executivo e apresentaram a proposta vencedora para membros da Administração Municipal e comunidade.

Leia Mais →

Revelados os vencedores do Prêmio IAB-RS etapa estadual

Durante a Noite da Arquitetura, evento promovido pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio Grande do Sul (CAU/RS), foram revelados os vencedores do prêmio IAB-RS José Albano Volkmer para as turmas de 2022. O evento foi marcado, também, pela posse do conselho do CAU/RS para o triênio 2024-2026.

Leia Mais →

Outras Notícias

IAB-RS assina acordo para consultoria no programa RS Seguro COMunidade

O Governador do Estado, Eduardo Leite, lançou, na manhã do dia 15 de dezembro, o programa RS Seguro COMunidade, no Palácio Piratini, em Porto Alegre. Desenvolvido no âmbito do RS Seguro, a iniciativa integra o eixo voltado para políticas sociais preventivas e transversais, cujo foco de atuação são os territórios em situação de vulnerabilidade socioeconômica e com indicadores elevados de crimes violentos letais e intencionais, consumados ou tentados. O o IAB-RS realizará três concursos nacionais, em que serão selecionados projetos urbanísticos integrados para três localidades: Umbu, Rubem Berta e Santa Tereza.

Leia Mais →

ARQUITETOS DE PORTO ALEGRE VENCEM CONCURSO QUE IRÁ REQUALIFICAR LAGO JOAQUINA RITA BIER EM GRAMADO

Na noite desta quarta-feira (13/12) foi realizada em Porto Alegre a cerimônia de divulgação dos vencedores do “Concurso Público Nacional de Arquitetura da Paisagem para Requalificação do entorno do Lago Joaquina Rita Bier em Gramado, RS”, promovido pela Prefeitura Municipal de Gramado (RS) com organização do Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento do Rio Grande do Sul (IAB-RS) e apoio da Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas (ABAP) e do IAB-RS Núcleo Hortênsias. Os grandes vencedores da noite foram os arquitetos e urbanistas Thiago Yuuki Kajiwara, Ananda Maciel Oliveira e Diego Flamia, do escritório OCRE Arquitetura, de Porto Alegre.

Leia Mais →

Prêmio IAB-RS recebe inscrições até o dia 13 de dezembro

Arquitetos e urbanistas das turmas de 2022 têm até as 23h59 do dia 13 de dezembro para inscrever o seu trabalho de conclusão de curso (TCC) no prêmio IAB-RS José Albano Volkmer, edição 2023. A iniciativa, concebida em parceria com o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio Grande do Sul (CAU/RS), premiará as ideias mais inovadoras e seus projetos inspiradores.

Leia Mais →

Resultado do Julgamento do Concurso de Arquitetura da Paisagem para Requalificação do entorno do Lago Joaquina Rita Bier será divulgado no dia 13/12

A Prefeitura de Gramado (RS) e o Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB RS) promovem na quarta-feira (13/12) a cerimônia de divulgação do resultado do julgamento das propostas para o “Concurso Público Nacional de Arquitetura da Paisagem para Requalificação do entorno do Lago Joaquina Rita Bier em Gramado, RS”. Haverá transmissão ao vivo pelo canal do IAB RS no YouTube, diretamente da sede do IAB RS, em Porto Alegre, a partir das 19 horas, com a participação de membros do Executivo Municipal de Gramado.

Leia Mais →