Receba Newsletter

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

Perdemos Clóvis Ilgenfritz

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Na noite deste sábado (23/11) perdemos o arquiteto e urbanista Clóvis Ilgenfritz, aos 80 anos, em Porto Alegre.

O velório ocorreu na tarde de hoje no Plenário Otávio Rocha da Câmara de Vereadores. E a cremação ocorreu na segunda (25/11) no Crematório Saint Hilaire, em Viamão, em cerimônia reservada.

Formado em 1965 pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), o arquiteto Clóvis Ilgenfritz da Silva dedicou boa parte de sua trajetória profissional a trabalhos de habitação popular e planejamento urbano, dividindo-a com a atuação em entidades representativas dos arquitetos. Ele foi pioneiro na defesa da Assistência Técnica pública e gratuita para o projeto e a construção de habitações de interesse social, que considerava “como um SUS da habitação”, fundamental para melhorar as moradias e atingir um segmento da população sempre desassistido.

Para o presidente do IAB RS, Rafael Passos: "Um amigo, um líder, querido companheiro. Clóvis dedicou sua vida à Arquitetura e Urbanismo como instrumento necessário à melhoria das condições de vida do povo brasileiro.Pelo direito à Habitação foi um lutador em todas as frentes possíveis: no exercício diário da profissão, à frente das principais entidades da categoria, na política partidária.Pai da Lei de Assistência Técnica, nos deixa esse legado e a responsabilidade de fazê-la realidade na vida da população brasileira.Clóvis, Presente".

Para o presidente do CAU/BR, Luciano Guimarães, “o ano de 2019 tem sido cruel para a Arquitetura Social do país. Nem bem nos recuperamos da morte de Demetre Anastassakis, em julho, agora recebemos o baque da perda de Clóvis Ilgenfritz da Silva. Sua obra expressou exemplarmente a diretriz da função social da Arquitetura formulada pelo I Congresso Brasileiro de Arquitetos realizado em 1945 e desde então sempre reforçada. Seu pioneirismo na implantação de um projeto de assistência técnica para habitação de interesse social, na década de 1970, em Porto Alegre, foi a semente da ATHIS no país. A morte de Clóvis causa uma enorme tristeza. A Arquitetura e Urbanismo, nossos colegas e o país perdem um guerreiro do bem”.

O arquiteto foi presidente e fundador da Federação Nacional dos Arquitetos e Urbanistas (FNA), entre 1983 e 1986, e do Sindicato dos Arquitetos no Estado do Rio Grande do Sul (Saergs), em suas primeiras três diretorias (1974 a 1983). Também foi vice-presidente do CAU/RS e conselheiro do CREA/RS.

No currículo de Clóvis está também uma extensa atuação ligada ao Partido dos Trabalhadores (PT), tendo sido um dos fundadores do partido (1981) e da Central Única dos Trabalhadores (CUT), no mesmo ano.Foi vereador em Porto Alegre por três vezes na década de 1990 e deputado federal.“Quem não faz política, sofre a política dos demais”, dizia, incentivando a participação dos arquitetos e urbanistas em eleições para o Executivo e o Legislativo.

Para Nivaldo Andrade, presidente do IAB/DN, “Clovis foi uma referência para todos nós e o IAB e os arquitetos brasileiros nos orgulhamos de tê-lo tido conosco. Sua missão de garantir o acesso à arquitetura e ao organismo às pessoas de baixa renda é extremamente atual e precisamos, mais do que nunca, nos espelhar em sua trajetória”.

Segundo arquiteto e urbanista Gilson Paranhos, ex-presidente do IAB e igualmente dedicado à Arquitetura Social, “Clóvis teve uma vida em defesa dos mais necessitados. Homem de trincheira, de luta, fortíssimo e de coração sensível. A mesma mão que batia acariciava e com uma dignidade enorme” .

Em outubro passado, Clóvis Ilgenfritz da Silva foi homenageado no 21º Congresso Brasileiro de Arquitetos (CBA), realizado em Porto Alegre, com o Colar de Ouro, comenda criada pelo Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB) como reconhecimento máximo aos arquitetos pela sua obra e atuação profissional.

Assista no link abaixo o vídeo de homenagem ao Clóvis:
http://bit.ly/37Elevd

 

IAB - RS

Por: Diretoria Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB

Outras Notícias

Nota pública: Suspensão da urbanização da Fazenda do Arado

A fazenda do Arado é patrimônio ambiental, arqueológico, histórico, cultural, arquitetônico e paisagístico de Porto Alegre, constituindo-se de uma zona primordial para manutenção de espécies da fauna e da flora, sujeita a enchentes e alagamentos por encontrar-se abaixo da cota de inundação do Guaíba. A zona serve como espaço de extravasamento natural do Guaíba, importante de ser preservado. O IAB RS reitera a necessidade de atenção máxima por parte dos governantes, sociedade civil, entidades e instituições às questões ambientais e suas relações com a cidade.

Leia Mais →

Na mídia: IAB RS participa de reportagem da Folha de São Paulo sobre reconstrução do RS

A copresidente do IAB RS, Clarice Misoczky de Oliveira, concedeu entrevista para reportagem da Folha de São Paulo. O ponto central foi a reconstrução do RS. “A questão habitacional é mais dramática. Há municípios no Vale do Taquari, como Muçum e Roca Sales, que se desenvolveram em áreas de encostas. Cidades como Santa Tereza em que parte das casas estão em áreas de inundações. Precisamos construir com segurança”, disse.

Leia Mais →

MANIFESTO IAB RS PARA A RECONSTRUÇÃO DO RS

Considerando a enorme tragédia causada pelos efeitos da crise climática e pelo descaso do poder público com o planejamento urbano e regional sustentável na promoção de cidades justas, igualitárias e ecologicamente  equilibradas, a Comissão Cidades/IAB RS, por meio deste, manifesta a necessidade de atenção às questões referentes às diferentes escalas de planejamento, arquitetura e urbanismo para reconstrução das cidades do Rio Grande do Sul, aqui agrupadas em dois grandes grupos: (A) Planejamento Urbano e Regional e (B) Moradia Digna.

Leia Mais →

Outras Notícias

COMUNICADO DO IAB RS SOBRE O ESTADO DE CALAMIDADE CLIMÁTICA

O momento é grave e compreendemos que enquanto Instituto temos um trabalho de articulação de impacto a médio prazo, sendo provocadas e estruturadas redes que auxiliem nas questões habitacionais e de reestruturação das cidades, com projetos que considerem os riscos e impactos que os eventos climáticos tem gerado em nossas cidades, de modo mais frequente e de maior intensidade. Compreendendo a sensibilidade das questões ambientais, com a natureza impondo seus limites, frente às ocupações urbanas.

Leia Mais →